Cadaval volta a sensibilizar para a limpeza de terrenos em meio rural

Cadaval volta a sensibilizar para a limpeza de terrenos em meio rural

DCIM100MEDIADJI_0103.JPG

De 25 fevereiro a 1 de março, o Município irá promover, em todas as freguesias do Concelho do Cadaval, em parceria com a APAS Floresta e a GNR, um conjunto de 10 ações de sensibilização sobre a limpeza de terrenos em espaços rurais. A operação, que acontece pelo segundo ano consecutivo, decorre da obrigatoriedade de efetuar a mencionada limpeza, estabelecida até dia 15 de março. Participe, esclareça-se, previna-se!

As ações acontecem dia 25 de fevereiro, pelas 19h00, no Peral, e pelas 20h30, em Alguber. Dia 26, é a vez do Painho, pelas 19h00, seguindo-se Figueiros, pelas 20h30. Dia 27, pelas 19h00, segue-se o Cercal e, pelas 20h30, Chão de Sapo. Dia 28, pelas 19h00, cabe ao Cadaval receber a iniciativa, e pelas 20h30, a Vermelha. Por fim, dia 1 de março, pelas 19h00, decorre em Pero Moniz e, pelas 20h30, no Vilar.

Todas as ações terão lugar nas instalações das Juntas de Freguesia, ora nas sedes ora nas delegações, consoante o local, à exceção do Peral, em que decorrerão nas instalações da Associação de Apoio Cultural e Recreativa do Peral.

As mesmas abordarão os procedimentos a adotar para o cumprimento da legislação vigente, alertando para os benefícios das ações de gestão na proteção das edificações e para os perigos decorrentes de comportamentos menos adequados.

Explicarão, ainda, como agir para evitar situações que coloquem em causa a conservação dos espaços florestais, levando a população a participar ativamente na defesa e conservação da nossa floresta, bem como na proteção de vidas e do património edificado.

Severas multas aplicadas aos incumpridores

Para quem não sabe, até dia 15 de março, todos os proprietários, arrendatários, usufrutuários ou entidades que detenham terrenos à volta de edifícios inseridos no espaço rural são obrigados a proceder à gestão da vegetação, criando uma Faixa de Gestão de Combustíveis (FGC), baseada na eliminação de material inflamável.

Em caso de incumprimento, as contraordenações variam, nos termos legais, entre 280 e 10 mil euros para particulares e entre 1600 euros e 120 mil euros para pessoas coletivas.

Para mais informações, consulte o Decreto-Lei nº124/2006, de 28 de junho, na sua atual redação, ou contacte o Gabinete Técnico Florestal ou a Proteção Civil Municipal, através do número 262 690 100. ��c1��

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em Gazeta Rural.

Anterior Há 162 concursos para fundos do PT2020 este ano. Mais de metade abrem até março
Próximo Câmara de Anadia aprova plano municipal de defesa da floresta contra incêndios

Artigos relacionados

Sugeridas

CAP agradece a audiência concedida pelo presidente da república e apela à valorização da agricultura e do mundo rural

A CAP – Confederação dos Agricultores de Portugal agradece a audiência concedida esta quinta-feira pelo Senhor Presidente da República, a quem […]

Internacional

Fighting climate change with gene editing: Can we slash cows’ methane production?

[Fonte: GLP] What links belching cows and climate change with the modern genetic revolution and a ridiculously long nerve? […]

Últimas

Navigator cria modelo de gestão de combustíveis baseado na silvo pastorícia para prevenção de incêndios

A The Navigator Company e o Instituto de Ciências Agrárias e Ambientais Mediterrânicas (ICAAM)) da Universidade de Évora implementaram um modelo de gestão de combustíveis baseado na silvo pastorícia na propriedade de Vila de Rei, […]