Cadaval volta a sensibilizar para a limpeza de terrenos em meio rural

Cadaval volta a sensibilizar para a limpeza de terrenos em meio rural

DCIM100MEDIADJI_0103.JPG

De 25 fevereiro a 1 de março, o Município irá promover, em todas as freguesias do Concelho do Cadaval, em parceria com a APAS Floresta e a GNR, um conjunto de 10 ações de sensibilização sobre a limpeza de terrenos em espaços rurais. A operação, que acontece pelo segundo ano consecutivo, decorre da obrigatoriedade de efetuar a mencionada limpeza, estabelecida até dia 15 de março. Participe, esclareça-se, previna-se!

As ações acontecem dia 25 de fevereiro, pelas 19h00, no Peral, e pelas 20h30, em Alguber. Dia 26, é a vez do Painho, pelas 19h00, seguindo-se Figueiros, pelas 20h30. Dia 27, pelas 19h00, segue-se o Cercal e, pelas 20h30, Chão de Sapo. Dia 28, pelas 19h00, cabe ao Cadaval receber a iniciativa, e pelas 20h30, a Vermelha. Por fim, dia 1 de março, pelas 19h00, decorre em Pero Moniz e, pelas 20h30, no Vilar.

Todas as ações terão lugar nas instalações das Juntas de Freguesia, ora nas sedes ora nas delegações, consoante o local, à exceção do Peral, em que decorrerão nas instalações da Associação de Apoio Cultural e Recreativa do Peral.

As mesmas abordarão os procedimentos a adotar para o cumprimento da legislação vigente, alertando para os benefícios das ações de gestão na proteção das edificações e para os perigos decorrentes de comportamentos menos adequados.

Explicarão, ainda, como agir para evitar situações que coloquem em causa a conservação dos espaços florestais, levando a população a participar ativamente na defesa e conservação da nossa floresta, bem como na proteção de vidas e do património edificado.

Severas multas aplicadas aos incumpridores

Para quem não sabe, até dia 15 de março, todos os proprietários, arrendatários, usufrutuários ou entidades que detenham terrenos à volta de edifícios inseridos no espaço rural são obrigados a proceder à gestão da vegetação, criando uma Faixa de Gestão de Combustíveis (FGC), baseada na eliminação de material inflamável.

Em caso de incumprimento, as contraordenações variam, nos termos legais, entre 280 e 10 mil euros para particulares e entre 1600 euros e 120 mil euros para pessoas coletivas.

Para mais informações, consulte o Decreto-Lei nº124/2006, de 28 de junho, na sua atual redação, ou contacte o Gabinete Técnico Florestal ou a Proteção Civil Municipal, através do número 262 690 100. ��c1��

O artigo foi publicado originalmente em Gazeta Rural.

Comente este artigo
Anterior Há 162 concursos para fundos do PT2020 este ano. Mais de metade abrem até março
Próximo Câmara de Anadia aprova plano municipal de defesa da floresta contra incêndios

Artigos relacionados

Últimas

Eurobarómetro: Expetativas dos europeus sobre Alimentação Sustentável

A União Europeia publicou um Eurobarómetro especial para avaliar o conhecimento dos cidadãos sobre o sistema alimentar. O estudo de opinião aborda os hábitos de compra e consumo alimentar dos consumidores europeus e o que para eles significa “sustentabilidade”, […]

Dossiers

Pecuária de precisão contribui para desenvolvimento de sistemas de produção sustentáveis e eficientes

O uso de tecnologias de pecuária de precisão pode auxiliar no desenvolvimento de sistemas de produção sustentáveis e de uma pecuária […]

Nacional

Área de eucalipto vai diminuir em Portugal, garante secretário de Estado das Florestas

Governante deixou promessa no Parlamento, numa audição para a Comissão de Agricultura e Mar. Na semana passada, os ambientalistas da Quercus denunciaram que os novos programas regionais de Ordenamento Florestal privilegiam a plantação de eucaliptos
A área de eucalipto vai diminuir em Portugal, […]