Bündchen respondeu à ministra da Agricultura brasileira

Bündchen respondeu à ministra da Agricultura brasileira

A modelo brasileira Gisele Bündchen decidiu responder às críticas da ministra da Agricultura, Tereza Cristina Dias, argumentando que, apesar da existência de áreas preservadas, a desflorestação na floresta amazónica está a aumentar.

Numa carta, a que a Reuters teve acesso, nesta quinta-feira, Bündchen desafia Dias a mostrar qual tem sido o progresso rumo à sustentabilidade, dizendo: “Terei muito prazer em anunciar acções positivas que sejam tomadas nesse sentido.”

Na segunda-feira, Dias criticou a modelo, num programa de rádio, por “dizer coisas más sobre o Brasil sem conhecer os factos”. A ministra de Bolsonaro defendeu que Bündchen, em vez de criticar, deveria sublinhar o trabalho que está a ser feito na área da preservação.

Dois dias depois, a modelo respondeu no Twitter, sem se referir directamente à a Dias ou ao seu Ministério da Agricultura, respondendo que, desde 2006, que está envolvida em causas ambientais, sempre procurando ter mais conhecimento através da “leitura e contacto com cientistas, investigadores, agricultores, cooperativas e organizações ambientais”, escreveu.

Na carta, a que a Reuters teve acesso, Bündchen contraria o argumento de Dias de que o Brasil preservou dois terços de sua vegetação nativa, citando dados do Governo que revelam que a desflorestação da Amazónia está em alta – subiu 13,7% nos 12 meses até Julho de 2018, para o ponto mais alto numa década.

A ministra disse que as pessoas que, no exterior, divulgam uma imagem falsa do Brasil são “más brasileiras”, mas Bündchen responde que os maus brasileiros são aqueles que contribuem para a desflorestação ilegal. 

Os ativistas estão preocupados que Bolsonaro, o novo Presidente que assumiu funções este mês, favoreça os interesses de empresas e fazendas sobre as protecções ambientais existentes. Recorde-se que o governante já pôs em cima da mesa a possibilidade de o país abandonar o Acordo de Paris, sobre mudanças climáticas.

A Amazónia, a maior floresta tropical do mundo, absorve grandes quantidades de gás de efeito estufa e a sua preservação é vista como vital para a luta contra as alterações climáticas. “Eu vejo a preservação da natureza não apenas como um dever ambiental legal, mas também como uma maneira de assegurar a água, a biodiversidade e as condições climáticas essenciais para a produção agrícola”, refere Bündchen.

Continue a ler este artigo no Público.

Comente este artigo
Anterior Portugal pode ter de devolver dinheiro à UE por não ter aplicado ajudas à agricultura
Próximo BE/Açores quer negociações entre executivo e quadros da Rede de Apoio ao Cidadão

Artigos relacionados

Últimas

Artigos de opinião mais lidos no Agroportal em 2020

Estes foram os artigos de opinião mais lidos pelos leitores do Agroportal em 2020. Saiba quais foram os artigos mais lidos e releia o nosso top 7. […]

Últimas

ACOS revela trabalho do sector agrícola em defesa do Planeta

A ACOS – Associação de Agricultores do Sul solidariza-se com todas as acções em defesa de um planeta mais limpo e sustentável, […]

Últimas

Morreram 31 pessoas em dez meses em acidentes de trabalho com tratores

Nos primeiros dez meses de 2019, morreram 41 pessoas em resultado de sinistralidade com tratores, das quais 31 em acidentes de trabalho […]