Brasil usa óleo de manjericão para controlar lagartas

Brasil usa óleo de manjericão para controlar lagartas

Um velho conhecido no mundo das especiarias pode tornar-se bastante útil para os agricultores na hora de controlar as lagartas de forma mais sustentável, diminuindo o uso de pesticidas químicos. Trata-se do manjericão-de-folha-larga (Ocimum basilicum L.), cujo óleo essencial pode tornar-se a base de um produto natural para o controlo de importantes pragas.

A descoberta foi feita por cientistas brasileiros do setor do meio ambiente da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). Ao aplicar o óleo essencial desta planta sobre folhas de feijão, eles registaram a morte de cerca de metade das lagartas da espécie Helicoverpa armigera e um índice de letalidade de 30% para a Anticarsia gemmatalis. A primeira foi introduzida no Brasil em 2013 e é conhecida pela grande voracidade e a A. gemmatalis é chamada de lagarta-da-soja por ser a principal praga da leguminosa, sendo que ambas atacam diversas culturas e, por isso, são consideradas importantes pragas agrícolas.

Conhecido também como basilicão ou alfavaca, o manjericão tem como principal característica a sua baixa, ou mesmo nenhuma, toxicidade para o ambiente e para as culturas agrícolas. Os cientistas realizaram avaliações biológicas e comportamentais dos insetos e identificaram os principais compostos presentes nos óleos.

Redução de agroquímicos é a meta

Um fator importante citado pelos investigadores é a possibilidade de reduzir o uso de agroquímicos, o que pode ser feito por substituição ou utilização de técnicas de Proteção Integrada.

A redução do uso de inseticidas químicos também auxilia na redução da resistência dos insetos a esses defensivos, um problema que vem crescendo nas lavouras. “Estes óleos também podem tornar-se mais uma ferramenta de controlo de insetos na agricultura orgânica, na qual estes compostos são permitidos, ampliando o leque de possibilidades no controlo das pragas”, diz a investigadora da Embrapa Jeanne Marinho Prado.

Segundo a cientista, a utilização de inseticidas pode promover a resistência de populações de insetos-praga. Além disso, é possível dizer que a falta de novas moléculas inseticidas e a repetida utilização de produtos com modo de ação semelhante numa mesma colheita podem favorecer a resistência da população dos insetos, reduzindo a eficácia das aplicações.

“A investigadora relata que os óleos essenciais de basilicão e tomilho foram os que apresentaram maior bioatividade sobre lagartas e pupas de A. gemmatalis, em aspectos biológicos e comportamentais. Na fase adulta, A. gemmatalis foi mais afetada pelos óleos essenciais de laranja doce, melaleuca e orégãos, acompanhados dos óleos essenciais de citronela e gengibre, sendo estes últimos responsáveis pela inviabilização de todos os ovos depositados. Os óleos essenciais de tomilho e menta não foram avaliados sobre a fase reprodutiva. Nos ensaios sobre lagartas de H. armigera destacaram-se os tratamentos com óleos essenciais de basilicão, canela e melaleuca, mas nenhum tratamento alterou o consumo foliar das lagartas”, completa a Embrapa.

Resultados promissores

Nos primeiros ensaios sobre lagartas H. armigera, o tratamento à base de óleo essencial de manjericão, canela e malaleuca conseguiu eliminar metade das lagartas avaliadas, sem comprometer a sua alimentação. Entre os tratamentos avaliados sobre a espécie A. gemmatalis, os óleos essenciais de basilicão e tomilho causaram a maior mortalidade observada em lagartas e pupas.

Os restantes provocaram mortalidades inferiores a 14%, sendo que os óleos de melaleuca e gengibre igualaram-se ao tratamento-controlo, com nenhum caso de mortalidade entre os insetos avaliados. Os cientistas agora avaliam a letalidade de cada um dos óleos essenciais utilizados na investigação para definir em quais se deve continuar a investir para a procura de moléculas inseticidas visando a formulação de produtos fitossanitários que possam contribuir para o integrado de pragas.

O artigo foi publicado originalmente em Vida Rural.

Comente este artigo
Anterior Açores. PAN diz ter “bastantes reservas” quanto ao novo secretário da Agricultura
Próximo Abertas candidaturas ao reconhecimento de entidades para a execução de tarefas do GPP no âmbito da RICA

Artigos relacionados

Sugeridas

Como nos alimentaremos em 2050 – António Lopes Dias

A dicotomia forçada entre a chamada agricultura “biológica” e “convencional” levam o consumidor a acreditar que existe uma agricultura boa e uma menos boa, […]

Últimas

Produção de tomate deverá ser das melhores de sempre

O INE estima que a produção de tomate em Portugal tenha atingido números recorde de 1,4 milhões de toneladas. Nas vindimas houve um decréscimo na produção de várias regiões, […]

Últimas

Von der Leyen exclui cortes na coesão. “É bom investir nas empresas saudáveis em Portugal”

Em entrevista à SIC, a presidente da Comissão Europeia explicou que Bruxelas poderá emitir dívida nos mercados para financiar investimento na […]