Brasil lança duas novas cultivares de uvas

Brasil lança duas novas cultivares de uvas

A Embrapa Uva e Vinho, através do seu o Programa de Melhoramento Genético “Uvas do Brasil”, acabou de lançar duas novas cultivares. Com resistência a doenças, adaptação às condições de clima temperado e a fruteiras com alta produtividade, a BRS Melodia é indicada para consumo direto à mesa, enquanto a BRS Bibiana é vocacionada para a produção de vinho.

De acordo com Patrícia Ritschel e João Dimas Garcia Maia, coordenadores do Programa, o diferencial da cultivar BRS Melodia é o sabor especial de mix de frutas vermelhas. O objetivo é conquistar consumidores que buscam um sabor diferenciado, afirma Maia, um dos investigadores responsáveis pelo desenvolvimento da variedade. Segundo ele, essa cultivar rosada sem sementes é uma alternativa para quem não consegue produzir a cultivar importada Crimson Seedless.

A BRS Melodia foi desenvolvida para ser cultivada com o uso de cobertura plástica, raleio e o desponte dos cachos – que são menores do que a média das cultivares do Grupo Itália, por exemplo. Segundo os melhoradores, com o manejo correto é possível obter uma produtividade de 25 toneladas por hectare.

Maia afirma que a utilização da fito-hormona de crescimento vegetal giberelina (à base de fungo Gibberella fujikuroi) é fundamental para garantir o tamanho das bagas adequado às uvas de mesa. “Caso o viticultor queira uma cor rosada intensa, deve-se aplicar ácido abscísico no início da maturação”, recomenda.

Já a BRS Bibiana é a mais nova cultivar que, ao lado da linhagem Moscato Embrapa, compõem a linha de resistentes a doenças. A variedade apresenta reação intermediária ao míldio e ao oídio. É resistente, ainda, à podridão ácida e à podridão cinzenta, causada por Botrytis. Os vinhos remetem aos produtos elaborados com uvas europeias, mas com um custo de produção reduzido por exigir menos tratos culturais.

A ‘BRS Bibiana’ apresenta cachos soltos, o que evita as podridões. Outro grande diferencial da nova cultivar é o potencial de atingir um elevado conteúdo de açúcares, mesmo em anos com condições adversas de clima. “Para essa cultivar não existe mau tempo. A colheita vai ser sempre boa, permitindo a elaboração de vinhos com qualidade”, conclui Patrícia Ritschel.

O artigo foi publicado originalmente em Vida Rural.

Comente este artigo
Anterior Alterações Climáticas e Viticultura trazem especialistas europeus à UTAD
Próximo Uruguai usa vespas no controle biológico de lagartas na soja e girassol

Artigos relacionados

Nacional

Centro de Inovação e Competências da Floresta lembra que medidas de adaptação “são a única forma de fazer face às alterações climáticas”

Para marcar o Dia Internacional das Florestas, que se celebra a 21 de março, o SerQ – Centro de Inovação e Competências da Floresta quer chamar à atenção da sociedade civil para a necessidade de “defender e promover a gestão sustentável das florestas através da implementação de medidas de adaptação às alterações climáticas.”
De acordo com o SerQ, […]

Nacional

Oleiros: Atelier do Azeite encerra iniciativa Dez Freguesias, Dez Experiências

O décimo atelier temático de cultura e gastronomia da iniciativa Dez Freguesias Dez experiências realizou-se no passado sábado, dia 7 de Dezembro, […]

Nacional

BASF apoia viticultores portugueses

Aconteceu no dia 14 de Novembro de 2019, no Montebelo Aguieira, em Mortágua, o Viticultor 365 DOC, um evento promovido pela BASF– […]