Portugal contra reintrodução na UE castas de vinho de baixa qualidade

Portugal contra reintrodução na UE castas de vinho de baixa qualidade

[Fonte: Anipla - fitonotícias]

Fotografia de Nuno Fox/Lusa

Para o ministro a introdução de castas que produzem vinho de baixa qualidade pelo motivo de serem mais resistentes a doenças, o que reduz o uso de pesticidas, seria “uma decisão muito arriscada”.

O ministro da Agricultura, Capoulas Santos, opôs-se esta segunda-feira a uma proposta da Comissão Europeia de permitir que voltem a ser plantadas na União Europeia (UE) castas de vinho de baixa qualidade, mas mais resistentes.

“Depois de tanto investimento na restruturação da vinha, nos últimos 20 anos, e que permitiu chegar a padrões de qualidade, abrir a possibilidade de haver outras castas completamente diferentes das nossas tradicionais poderia pôr em causa esse enorme esforço que colocou os vinhos portugueses e os europeus no ‘top’ mundial”, disse Luís Capoulas Santos.

Para o ministro, a introdução de castas que produzem vinho de baixa qualidade pelo motivo de serem mais resistentes a doenças, o que reduz o uso de pesticidas, seria “uma decisão muito arriscada e desadequada”, tendo manifestado a oposição portuguesa.

“Do nosso ponto de vista, as propostas da comissão não estão suficientemente fundamentadas”, adiantou aos jornalistas portugueses o ministro, à margem de uma reunião com os seus homólogos da UE.

A proposta da Comissão Europeia é contestada por Portugal e outros 11 Estados-membros que no seu conjunto representam 90% da produção europeia de vinho e defendem a manutenção do ‘status quo’.

A proposta do executivo comunitário, que não disponibilizou aos ministros os estudos que fundamentam a mesma, prevê a possibilidade de os Estados-membros e setor vinícola de usarem variedades de uvas que pertencem às espécies Vitis Labrusca e castas Noah, Othello Isabelle, Jacquez, Clinton e Herbemont, que estiveram durante anos banidas por razões que Bruxelas já não considera válidas.

Para além de Portugal, a proposta é contestada por países grandes produtores de vinho de qualidade, como a França, Espanha, Itália e Grécia, que concordam que esta põe em causa a reputação dos vinhos europeus.

In Observador, créditos integrais, 28 de Janeiro de 2019

Comente este artigo

O artigo Portugal contra reintrodução na UE castas de vinho de baixa qualidade foi publicado originalmente em Anipla - fitonotícias

Anterior Mostra Silves Capital da Laranja é este fim de semana
Próximo Governo vai investir 9 M€ em material de limpeza das florestas

Artigos relacionados

Últimas

Plano municipal de defesa da floresta contra incêndios de Anadia em consulta pública

[Fonte: Gazeta Rural]

O Plano Municipal de Defesa da Floresta Contra Incêndios (PMDFCI) encontra-se em consulta pública, pelo prazo de 15 dias, até ao dia 8 de fevereiro.
O PMDFCI tem como objetivos aumentar a resiliência do território aos incêndios rurais; […]

Sugeridas

Incêndios no Algarve – CONFAGRI monta estrutura de apoio aos agricultores atingidos

A CONFAGRI – Confederação Nacional das Cooperativas Agrícolas de Portugal e as suas Organizações associadas reúnem-se, amanhã, pelas 14H30, em Monchique, nas instalações do Balcão do Crédito Agrícola (Largo da Igreja, Monchique), para definirem uma estratégia de apoio à elaboração de Candidaturas das zonas afetadas pelos incêndios nos concelhos de Monchique, […]

Últimas

100 European geographical indications set to be protected in China

The EU and China agreed today to formally publish a list of two hundred European and Chinese geographical indications -100 from each side- that will be considered for protection through a bilateral agreement to be concluded in 2017.
This publication opens the process for protecting the listed products against imitations and usurpations and is expected to result in reciprocal trade benefits and increased consumers’ […]