Bolsa do Porco – Semana 19/2021 – Subida de 0,030 euros

Bolsa do Porco – Semana 19/2021 – Subida de 0,030 euros

A notícia positiva da semana foi a subida de 4 cêntimos na Alemanha, ainda para mais numa semana que teve menos um dia de abate (dia 13 de maio é feriado na maioria dos países do centro e norte da Europa) e sem bom tempo.

É certo que as temperaturas subiram ligeiramente e os primeiros churrascos já começam a fumegar, mas esse efeito ainda não é sentido no mercado da carne que continua bastante pressionado.

O bom tempo das próximas semanas será benéfico para toda a Europa porque aumentando o consumo na Alemanha, esbater-se-á o grande diferencial que existe entre Espanha e Alemanha, que tem fomentado a importação de carne alemã para todo o espaço europeu, impedido os mercados de maiores subidas.

Vejamos então o que nos indicam as diversas Bolsas europeias para esta semana:

Nota:

  1. Analisando estes valores, segundo equivalências teóricas, teremos em euros/kg peso vivo para a semana 20/2021 (17/05 a 21/05): Espanha 1,49; França 1,36; Alemanha 1,14; Holanda 1,13; Bélgica 1,19; Dinamarca 1,34.
  2. Estes valores podem ser também consultados no portal da FPAS, tanto no menú “Bolsas e Cotações” como na faixa superior da página de abertura onde as cotações são atualizadas em permanência.
  3. Recordamos ainda que, tornando-se amigo da nossa página no facebook “Suinicultura” será informado “em cima da hora” sobre o resultado das diversas Bolsas europeias.

Tendência Geral:

No seu relatório trimestral sobre o mercado mundial de carne suína, a Rabobank indica que os preços são muito mais altos na maioria dos países onde a indústria se tem de esforçar para encontrar os porcos necessários à sua operação. As maiores quebras de efetivo por razões sanitárias nas principais regiões produtoras, juntamente com o impacto dos abates atrasados durante a pandemia, limitaram disponibilidades.

A Rabobank espera uma recuperação gradual do efetivo, embora os custos mais altos de ração e a incerteza sobre a procura vão moderar a taxa de crescimento. As expetativas de uma menor produção deixaram o mercado sem carne suficiente, mesmo quando a procura começa a reafirmar-se.

O desequilíbrio está a subir os preços de forma considerável ​​em muitos mercados, estando esta subida a ser transmitida vagarosamente para os consumidores, contribuindo para a tendência inflacionária geral

Comente este artigo
Anterior CNA: Agricultores não podem mais suportar os custos elevados dos factores de produção
Próximo Novos corpos sociais da FPAS

Artigos relacionados

Últimas

Mato de terreno público por limpar há 12 anos “invade” quintal em Viana do Castelo

Um quintal particular em Mazarefes, Viana do Castelo, está “invadido” pela vegetação de um terreno público por limpar há 12 anos, quando foi construída uma passagem superior à Linha […]

Últimas

Desmatamento na Amazónia brasileira aumentou 88% em junho

A Amazónia Legal corresponde à área delimitada na Amazónia brasileira em que são permitidas algumas atividades de exploração humana.
O balanço parcial dos primeiros 28 dias de junho mostrava um desmatamento de 769 quilómetros quadrados, […]

Dossiers

Exportações do setor Agroalimentar fecham o ano de 2020 a crescer

Apesar dos efeitos provocados pela pandemia COVID-19, as exportações do setor agroalimentar tiveram um comportamento positivo ao longo de 2020. Segundo dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), o complexo […]