CNA: Agricultores não podem mais suportar os custos elevados dos factores de produção

CNA: Agricultores não podem mais suportar os custos elevados dos factores de produção

A União dos Agricultores do Distrito de Leiria (UADL) e a Confederação Nacional da Agricultura (CNA) denunciam a situação insustentável dos Agricultores familiares que não podem mais suportar os elevados custos dos factores de produção ao mesmo tempo que enfrentam preços demasiado baixos na produção, a valores de há anos – ou décadas – atrás.

Os custos das rações dispararam com o aumento do preço dos cereais nos mercados da especulação bolsista e mantém-se elevadas as despesas com a electricidade, os combustíveis, os fertilizantes ou a sanidade animal… custos que nas pequenas e médias explorações têm uma expressão mais significativa.

Se usarmos o exemplo dos combustíveis veremos que, os últimos anos, eles tiveram um agravamento de 0,33€/l em 1985 para quase 1,5€/l em 2021 (dados da Pordata), num aumento de quase 450%. Ora o preço dos produtos ao Agricultor não tem esta evolução, com o leite, por exemplo, a ser tabelado na altura em 0,31€, enquanto hoje vale cerca de 0,50€, uma evolução de apenas 61%.

As dificuldades de escoamento agravaram-se durante a pandemia de COVID-19, com o encerramento da restauração, por exemplo, que absorvia muita produção agrícola familiar. Mas já antes era difícil, com as multinacionais da indústria alimentar e as grandes cadeias de distribuição a promoverem importações desnecessárias, esmagando os preços no produtor, pagando até aos agricultores abaixo dos custos de produção.

“Os nossos produtos, como o milho, o arroz ou o feijão, são vendidos muito baratos a preços praticamente iguais aos de há 20 anos e aquilo que compramos para utilizar na Agricultura está sempre a aumentar. Só não aumenta o preço a que vendemos as nossas culturas. É por isso que muitos Agricultores, mesmo jovens, deixam de produzir. O Governo tem de fazer alguma coisa”, desabafa José Martins, agricultor do Louriçal.

Nestas condições, ser Agricultor é um acto de resistência, mas se a situação se mantiver serão cada vez menos os que conseguem resistir. Muitos são forçados a abandonar a actividade (menos 15.500 explorações nos últimos dez anos, de acordo com os censos agrícolas promovidos pelo INE). E sem Agricultura Familiar não há gente no Mundo Rural, não há alimentos de qualidade e proximidade, não se garante a Soberania Alimentar do País.

“Os elevados custos dos factores de produção estão a causar grandes dificuldades. Os Agricultores são cada vez menos e cada vez estão mais pobres”, refere António Ferraria, dirigente da UADL, acrescentando que para além destes custos, dos preços baixos na produção ou da falta de escoamento, outro problema é a idade dos Agricultores, que estão envelhecidos. Os jovens não têm estímulos para começar e os apoios que existem são muito burucráticos e desajustados da realidade”.

Para o dirigente, “é preciso incentivar os jovens para que não acabe a Agricultura. Se acaba a Agricultura no distrito de Leiria ou no concelho de Pombal é uma desgraça, deixa de ser um concelho e passa a ser apenas uma cidade”.

Outro problema a afectar muito os Agricultores da região é a destruição de culturas por animais selvagens e até agora têm sido os próprios Agricultores a arcar com os prejuízos, quando o Governo se deveria responsabilizar por estes estragos, o que não está a acontecer.

“Para desenvolver a Agricultura Familiar, há que mudar as políticas, porque até agora os ministérios da Agricultura têm tido uma política agrária voltada para a grande produção e vão esquecendo a pequena e média agricultura, a Agricultura Familiar”, acrescenta.

Sem mais demoras, o Ministério da Agricultura e o Governo têm de mudar a política de favorecimento da agricultura industustrial e do agro-negócio e combater, de forma eficaz, a especulação com os preços dos combustíveis, das rações e de outros factores de produção; aumentar o benefício do gasóleo verde e colorido para os Agricultores familiares e repor a “electricidade verde” para o valor a incidir sobre a totalidade da factura (termo fixo e consumo).

A UADL e a CNA reclamam ainda a concretização de medidas – nomeadamente as previstas no âmbito do Estatuto da Agricultura Familiar – que criem condições mais favoráveis aos Agricultores familiares para continuarem a produzir. E para isso são necessárias outras e melhores políticas agro-rurais!

Acção de Protesto em Lisboa a 14 de Junho

Este é também um dos motivos que leva a UADL a juntar-se à CNA e Filiadas numa Acção de Protesto em Lisboa no dia 14 de Junho, por ocasião da reunião dos Ministros da Agricultura da União Europeia.

“Este protesto reveste-se de maior importância porque o caminho que está a ser seguido nas negociações da Política Agrícola Comum (PAC) é o caminho que tem sido seguido ao longo dos anos e que não é favorável à Agricultura Familiar, não melhora o rendimento dos Agricultores. E o Governo português tem aqui especial responsabilidade, até porque assume a presidência da União Europeia neste semestre em que deverão ser concluídas as negociações da PAC”, refere Pedro Santos, da Direcção da CNA.

“A PAC também tem de dar resposta a um problema enorme que existe em termos dos rendimentos dos Agricultores, muito provocado por uma política brutal de preços baixos à produção que, aliada a todos estes custos elevados dos factores de produção, leva a que o Agricultor não consiga sequer um rendimento para poder sobreviver e muitas vezes acaba por abandonar a actividade ou por reduzir a exploração ao mínimo”, acrescenta Pedro Santos.

Esta iniciativa de protesto visa contestar o rumo da PAC, que penaliza a Agricultura Familiar e o Mundo Rural, e tem como objectivo defender os interesses e os direitos dos pequenos e médios Agricultores, bem como apresentar propostas para a resolução dos seus problemas e defender a Soberania Alimentar do País!

As Direcções da UADL e da CNA

Comente este artigo
Anterior PDR2020: Instalação de Painéis Fotovoltaicos - Pequenos Investimentos na Exploração Agrícola
Próximo Bolsa do Porco - Semana 19/2021 - Subida de 0,030 euros

Artigos relacionados

Ofertas

Oferta de emprego – Técnico Comercial – Enólogo – Sul

Bárbara Sistelo & Filhos Lda, empresa dedicada à comercialização de produtos, equipamentos e serviços para Enologia, pretende contratar um técnico-comercial para reforço da sua posição nas regiões Tejo, Lisboa, Península de Setúbal, […]

Comunicados

Cães assilvestrados atacam rebanhos, e vespas atacam colmeias na zona da cordinha, concelho de Oliveira do Hospital.

Exmº Senhora Directora Regional de Agricultura da DRAPC
Exmº Senhor Presidente da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital
Exmº Senhor Comandante da GNR – […]

Últimas

Cereais sobem, açúcar e produtos lácteos baixam no mundo, diz FAO

[Fonte: Jornal Económico]
Os preços internacionais dos alimentos mantiveram-se estáveis em dezembro, segundo o índice da FAO – Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura. […]