Bluegrowth no Foodlab para desenvolver produção sustentável de alimentos

A Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT) aprova o Foodlab, promovido pelo Governo português na sequência dos problemas que Portugal e a Europa enfrentaram com as alterações climáticas, com graves consequências e impacto ao nível da cadeia de valor produtivo e processamento de alimentos.

Os trabalhos do Foodlab iniciar-se-ão já a partir de Setembro, contanto com uma agenda de eventos e workshops que procuram sensibilizar a sociedade civil para a problemática dos impactos da actividade da produção de alimento.

Este laboratório contará com a experiência e as tecnologias desenvolvidas pela Bluegrowth, quer no contexto da optimização produtiva das produções aquícolas quer na gestão autónoma dos bio-processos das designadas biotecnologias azuis.

Liderado pela BGI Accelerator – Building Global Innovator o Foodlab ficará localizado em Idanha-a-Nova, onde potenciará um contexto de promoção da economia circular em simbiose industrial, visando o desenvolvimento de modelos sustentáveis de produção de alimento e valorização de recursos endógenos.

18 empresas no projecto

Dezoito instituições integram este desafio: as empresas Vera Cruz Group, Seeds Vivas, Silvapor, Iberponics, BlueGrowth, Hortas de Idanha e Sensefinity; as instituições de ensino superior: UBI, IBS, IPCB, IPG and IPV; as associações empresariais Cluster Agroalimentar de Castelo Branco, Coopagrol, AEBB, BioRaia, APABI e Montes da Raia.

Estas instituições irão cooperar sob a liderança da BGI Accelerator para desenvolver, aperfeiçoar e testar tecnologias emergentes que visem optimizar e desenvolver modelos de produção, mitigando impactos sociais e ambientas do processo de produção de alimento.

Do mar à terra

Este laboratório contará com a experiência e as tecnologias desenvolvidas pela Bluegrowth, quer no contexto da optimização produtiva das produções aquícolas quer na gestão autónoma dos bio-processos das designadas biotecnologias azuis.

Trata-se tecnologias desenvolvidas em contexto da economia azul que serão colocadas à prova nos paradigmas que emergem da economia verde.

Custódia Rebocho, presidente da Bluegrowth, refere que a integração neste laboratório colaborativo representa um marco na filosofia de responsabilidade social e ambiental que estão subjacentes ao modelo de negócio da Bluegrowth. “Temos investido muito em desenvolver conhecimento e tecnologia que contribua para a gestão inteligente da água e a mitigação de impactos ambientais das actividades antropogénicas”,diz.

Agricultura e Mar Actual

O artigo foi publicado originalmente em Agricultura e Mar.

Comente este artigo
Anterior Cinco eurodeputados portugueses em vice-presidências de Comissões do Parlamento Europeu
Próximo Idanha recebe Fórum Internacional Territórios Relevantes para Sistemas Alimentares Sustentáveis

Artigos relacionados

Notícias apoios

Chuva e Granizo de maio: Pedidos de apoio entre 1 e 31 de julho

Entra hoje em vigor, o Despacho nº 6-A/2020 que define o apoio financeiro destinado a minimizar os prejuízos provocados pelas chuvas e queda de […]

Últimas

DGAV: Trioza erytreae – atualização da zona demarcada – Psila Africana dos Citrinos

A DGAV procedeu à publicação do Despacho n.º 16/G/2020, de 14 de abril, relativo à atualização da Zona Demarcada para Trioza erytreae e medidas a […]

Últimas

Desempenho climático. “Portugal tem políticas avulsas, em vez de uma intervenção estruturada”

Portugal caiu no índice do desempenho climático, soube-se esta terça-feira. O país desceu oito lugares, passando a ocupar a 25ª posição

Na base da descida no ranking está o aumento das emissões de gases de efeito de estufa em 2015 e 2017, […]