BEI financia 1,9 mil milhões de euros de projetos portugueses no Plano Juncker

BEI financia 1,9 mil milhões de euros de projetos portugueses no Plano Juncker

Até novembro já foram aprovados financiamentos no valor de 1,9 mil milhões de euros, referentes a 27 operações, que, no total, deverão alavancar um investimento de 5,5 mil milhões dos privados.

O Banco Europeu de Investimento vai financiar 1,9 mil milhões de euros em projetos portugueses ao abrigo do Plano Juncker, o que coloca Portugal entre os principais beneficiários deste instrumento que visa fomentar o crescimento na Europa.

De acordo com os últimos valores divulgados pelo Banco Europeu de Investimento (BEI) — a instituição que financia o Plano Juncker com garantias do orçamento comunitário — até novembro já foram aprovados financiamentos no valor de 1,9 mil milhões de euros, referentes a 27 operações, que, no total, deverão alavancar um investimento de 5,5 mil milhões de euros dos privados.

Até ao final do ano, a expectativa da equipa do BEI em Lisboa é conseguir assinar operações de financiamento no valor de 200 milhões de euros. Ou seja, dos 1,9 mil milhões de operações aprovadas, 200 milhões passem para a fase seguinte que permitirá a chegada efetivado dinheiro à economia real.

Um exemplo é o Alqueva. O Governo pretende aumentar em 50 mil hectares o regadio do Alqueva através de um empréstimo de 260 milhões de euros. Na sua intervenção inicial na discussão na especialidade do Orçamento do Estado para 2018, no Parlamento, a 14 de novembro, o ministro da Agricultura disse que este mês ainda será oficializado este empréstimo. “Depois de muitos meses, mais de um ano, de negociação com o BEI vai ainda este mês concretizar-se a assinatura do empréstimo de 260 milhões de euros”, anunciou Luís Capoulas Santos. O empréstimo “ainda deixará uma folga financeira de outros cinquenta milhões, para além do PDR [Programa de Desenvolvimento Rural], a investir noutras áreas do país”, acrescentou.

A nível europeu, Portugal é apontado como um caso de sucesso na implementação do Plano Juncker, não só em termos absolutos — está em sétimo ou oitavo lugar — mas também em termos relativos. Apenas em Portugal, o BEI financia diretamente um município (a Câmara Municipal de Lisboa) ou um projeto tão pequeno, como o campus da Nova School of Business em Carcavelos (16 milhões de euros) — normalmente o BEI só financia diretamente projetos superiores a 50 milhões de euros.

Com “dezenas de projetos a serem analisados”, a equipa do BEI em Lisboa espera, no próximo ano, acrescentar mais mil milhões de euros em aprovações no âmbito do Plano Juncker.

Comente este artigo
Anterior ANIL alerta para campanhas difamatórias do leite sem fundamentação científica
Próximo Comunicação da CE para a PAC pós 2020

Artigos relacionados

Nacional

Praias da Costa da Caparica vão fechar no verão. A culpa é do Tribunal de Contas

É uma das zonas mais procuradas pelos residentes e turistas da Grande Lisboa, que este verão terão mais dificuldades para encontrar lugar para estender a toalha. […]

Nacional

Parlamento vai discutir “redução drástica” e proibição de venda do glifosato

O partido Pessoas-Animais-Natureza (PAN) apresentou esta terça-feira três iniciativas legislativas que pretendem uma “redução drástica” da exposição dos portugueses ao glifosato e que proíba a venda deste herbicida para usos não profissionais. […]

Nacional

Veracruz investe 50 M€ em amendoal na Beira Baixa. Objectivo: 5 mil hectares

O grupo luso-brasileiro Veracruz está a instalar-se em 2 mil hectares no Fundão e em Idanha-a-Nova. Mas, o objectivo é chegar aos 5 mil hectares de amendoeiras e exportar 70% da produção. […]