Avante com a agricultura intensiva! – João Cepeda

Avante com a agricultura intensiva! – João Cepeda

É que graças a esse contraditório ficámos a conhecer os cuidados ambientais dos maiores produtores de olival intensivo, os níveis de qualidade dos seus produtos e a pouca expressão geográfica que este modelo ainda representa no Alentejo e no país.

A agricultura intensiva está a destruir o ambiente. A agricultura intensiva não contribui para a economia do país. Logo… Este é o silogismo que o país foi convidado a responder nas últimas semanas e ao qual se atirou com pedras na mão. Nas redes sociais, o inevitável termómetro social, milhares de pessoas insurgiram-se contra as culturas ditas invasivas, acusando-as de destruir o que temos de mais precioso: a natureza, o ambiente, a comida e até os direitos humanos. As televisões apoiaram a revolução e apresentaram cenários de horror ambiental e social. E os agricultores, no fim da linha, levaram a lição que mereciam: quem quer inovar e crescer… apanha. Salazar não faria melhor.

A minha ligação à agricultura começa (e acaba) numa reportagem que fiz em 2003, para o Diário de Notícias, em que assisti ao início do que estamos a ver. Era sobre a súbita compra de terras alentejanas por empresários espanhóis, que levou dois terços da freguesia de Baleizão, a mítica terra de Catarina Eufémia, a passar para mãos estrangeiras. Razão: a União Europeia queria assegurar a liderança na produção de azeite, pelo que decidiu subsidiar fortemente a plantação de olival.

Ora, enquanto os agricultores portugueses, habituados à trigo-dependência ou à subsídio-dependência, resistiram ao apelo, os espanhóis, que já não encontravam um palmo de terra barato perto de casa, caçaram a oportunidade. E com a ajuda da Europa, sem risco financeiro, portanto, fizeram o que nós desprezámos.

Nos anos seguintes assistimos a uma mudança estratosférica. A primeira geração de agricultores pós-Estado Novo regressa da universidade com vontade de fazer coisas, e muitas, mas sem

João Cepeda – Presidente e diretor criativo do Time Out Market

Continue a ler este artigo no Jornal de Negócios.

Comente este artigo
Anterior Odemira enquanto espelho da dualidade territorial, social e conceptual - João Gabriel Caia
Próximo Incêndios: Parlamento aprova Sistema de Gestão de Fogos Rurais, mas com críticas da oposição

Artigos relacionados

Nacional

Borrego Leonor & Irmão celebra 50 anos ao serviço da agricultura

Borrego Leonor & Irmão celebra 50 anos ao serviço da agricultura A Borrego Leonor & Irmão S.A. comemorou o 50º aniversário num almoço convívio que reuniu cerca de 800 convidados no CNEMA, […]

Comunicados

Declaração de existências de suínos

[Fonte: IFAP]
Irá estar disponível no Portal do IFAP, a partir do dia 1 de agosto, […]

Internacional

Publication of the evaluation study on the CAP’s impact on knowledge exchange and advisory activities

Common agricultural policy (CAP) measures are generally effective, efficient, relevant, coherent and add value with regard to knowledge exchange and fostering advisory activities and innovation in the […]