Autoeuropa negoceia criação de um Clube de Fornecedores

Autoeuropa negoceia criação de um Clube de Fornecedores

A Bosch foi a multinacional que deu o tiro de partida do Clube de Fornecedores. Uma iniciativa que visa gerar novas parcerias com pequenas e médias empresas nacionais, abrindo caminho à criação de novos postos de trabalho. A Autoeuropa prepara-se para ser a próxima, apurou o ECO, passando à frente da Embraer.

A Aicep está a negociar com a Autoeuropa a constituição de um Clube de Fornecedores”, confirmou ao ECO o secretário de Estado da Internacionalização, Eurico Brilhante Dias. “Está a fazer com a Autoeuropa o mesmo que fez com a Bosch”, acrescentou o responsável.

O Governo estava em negociações com quatro empresas. O ex-ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, em abril do ano passado, dava conta de que dessas quatro empresas, duas estavam numa fase mais avançada, embora o Executivo estivesse confiante de que chegaria a bom porto com todas elas.

Tudo parece estar perfilado para que a Autoeuropa seja a próxima empresa a concluir mais um Clube de Fornecedores, que pretende “promover a integração e participação de empresas portuguesas, sobretudo as PME, em cadeias de valor internacionais”, indo à boleia de empresas que já desempenham um papel relevante nessas mesmas cadeias, garantindo-lhes assim “melhores condições de acesso a mercados, tecnologias e competências”.

“Com centralidade em empresas ‘nucleares’, pretende-se ganhar escala em atividades que tenham procura internacional dinâmica, empreguem recursos humanos qualificados e permitam a Portugal posicionar-se nas respetivas cadeias de valor de modo a poder ascender gradualmente nas mesmas”, explica o Governo na nota de apresentação deste Clube de Fornecedores.

A Embraer — a quem o Governo tinha lançado o desafio de criar um Clube de Fornecedores, de modo a dinamizar o cluster aeronáutico — ainda está a estudar qual o melhor momento para apresentar a sua candidatura. “Queremos ajustar o momento da candidatura ao que queremos fazer”, explicou ao ECO fonte oficial da empresa aeronáutica, numa referência ao concurso aberto a 28 de agosto do ano passado, no âmbito do Portugal 2020. Um concurso que abre, numa segunda fase, as portas a apoios comunitários dirigidos às necessidades específicas das empresas fornecedoras do Clube.

“Creio que apresentaremos a candidatura pelo verão ou a seguir”, avançou ainda a mesma fonte oficial da Embraer, esclarecendo que a demora na apresentação da candidatura se prende “com questões de trabalho” da empresa. “Tem a ver com a nossa estratégia de fazer algumas compras e desenvolver alguns fornecedores, mas também como o primeiro semestre se vai desenvolver“, especificou o mesmo responsável.

Creio que apresentaremos a candidatura pelo Verão ou a seguir.

Fonte oficial da Embraer

O ECO sabe que a Embraer está mais limitada na sua gestão porque está dependente de pareceres obrigatórios da Autoridade da Concorrência e de um conjunto de reguladores (brasileiros, europeus, japoneses). Mas fonte oficial garante que o Clube de Fornecedores é uma iniciativa que querem continuar a acompanhar e estar envolvidos, recusando a ideia de que desistiram da iniciativa.

O Clube de Fornecedores é um dos pilares do Programa Interface. As empresas nucleares — a Bosch, a Autoeuropa, a Embraer e outras — têm de cumprir, cumulativamente, uma série de requisitos, como trabalhar em setores com “procuras dinâmicas e inseridas em cadeias internacionais”; ter um volume de negócios anual de 75 milhões de euros (aferido na média dos últimos três anos) e um volume de compras a fornecedores de componentes, materiais e matéria-prima não inferior a 30 milhões de euros; apresentar uma intensidade exportadora superior a 50%. Além disso, as regras exigem a apresentação de uma estratégia de desenvolvimento que dê particular importância à integração de fornecedores nacionais de componentes e matéria-prima e ainda de um programa de parceria com os fornecedores.

Depois de identificadas as empresas nucleares, um número representativo de empresas fornecedoras, assim como as entidades de interface que integram a rede, definidos os objetivos estratégicos e feita uma estimativa dos valores envolvidos, passa-se à fase seguinte. Ou seja, são abertos concursos no âmbito do Sistema de Incentivos do Portugal 2020 para apoiar investimentos a realizar nas empresas fornecedoras.

O primeiro Clube de Fornecedores da Bosch, por exemplo, prevê um investimento de cem milhões de euros até 2020 e a criação de 300 novos postos de trabalho.

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em ECO - fundos comunitários.

Anterior Póvoa de Lanhoso: Entidades locais sensibilizam e informam a respeito de prevenção de incêndios florestais
Próximo El Parlamento Europeo viste de violeta la PAC con medidas para acabar con la discriminación de la mujer rural

Artigos relacionados

Nacional

Reforma da floresta ignora associações de proprietários florestais

[Fonte: Público]
Críticas feitas por vários representantes destas associações que participaram no Conselho Florestal Nacional.
A reforma da floresta ignora o papel das associações de proprietários florestais. […]

Comunicados

Comendador Santos Gomes reeleito Presidente da CONFAGRI

No ato eleitoral hoje realizado na Sede da Confederação, Palácio de Benagazil, em Lisboa, o Comendador Santos Gomes foi reeleito Presidente da Confederação, […]

Nacional

PSD/Açores teme centralização de fundos comunitários a nível nacional

O vice-presidente do PSD/Açores, António Ventura, acusou esta segunda-feira o Governo Regional, socialista, de estar em “silêncio” sobre o próximo quadro comunitário de apoio, […]