Ausência de agricultura é a principal causa de incêndios

Ausência de agricultura é a principal causa de incêndios

[Fonte: Vida Rural]

“Só a agricultura poderá salvar a floresta”. A opinião é de Francisco Cordovil, ex-diretor do Gabinete de Planeamento e Políticas e um dos comentadores convidados do painel ‘A importância da Agricultura na Coesão territorial’, que decorreu ontem (13 de fevereiro) no Congresso Ibérico do Milho, em Lisboa.

Francisco Cordovil sustenta que a ausência de agricultura é a principal causa de incêndios em Portugal: “O papel da agricultura e silvo-pastorícia no corta-fogo é decisivo. O país agrícola não arde e por isso de nada vale fazer reflorestação em terras marginais, vão arder de certeza. É preciso agarrar o território rústico na sua complexidade”, defende.

Ainda neste painel, Juan Valero de Palma, secretário-geral da espanhola Fenacore, ressalvou que a sustentabilidade económica é importante e que é necessário que os produtores possam tirar rentabilidade da sua terra e território: “Temos de apostar na produção orientada para o mercado global, com distintas exigências sociais e ambientais”. Juan Valero insistiu ainda nas externalidades positivas do regadio, explicando que as terras de regadio são as que conseguem atrair uma população mais jovem e mais dinâmica.

O economista João Ferreira do Amaral colocou a tónica nos números: 20% das exportações portuguesas têm como origem o setor agrícola e agroflorestal: “Vejam a importância dos serviços do mundo rural”, e acrescenta: “Esta atividade, em especial a florestal, vai ter um papel essencial nas metas para a neutralidade carbónica”.

Ferreira do Amaral defendeu ainda a remuneração dos serviços dos serviços ambientais e das boas práticas aos agricultores e silvicultores.

O ex-ministro do equipamento Social, e mais recentemente empresário agroindustrial, Jorge Coelho também marcou presença neste debate. Defende que a luta contra a desertificação do interior só terá sucesso com a agricultura e questiona: “Portugal tem futuro se não tiver forte coesão social? Não!”, foi a resposta. Jorge Coelho apontou as graves desigualdades em termos de ocupação territorial e teme que se nada for feito o interior fique cada vez mais abandonado.

“Vejo com tristeza que não há coragem política para transformar medidas concretas contra a desertificação em bandeiras. Não se assume. A crise evidenciou a importância do investimento produtivo em detrimento do investimento especulativo”.

Jorge Coelho disse ainda que o seu recente investimento numa queijaria, em Mangualde, fê-lo perceber a importância da atividade agrícola na preservação ambiental, da paisagem e da identidade do território: “Já fiz muita coisa na minha vida, mas fazer queijo é o projeto de que mais me orgulho na minha vida”, rematou.

Comente este artigo

O artigo Ausência de agricultura é a principal causa de incêndios foi publicado originalmente em Vida Rural.

Anterior Alunos de Mangualde e da Guarda venceram “Volta a Portugal em Fruta”, do Centro de Frutologia Compal
Próximo António Ventura defende transporte de carga aérea entre os Açores, a Madeira e o Continente

Artigos relacionados

Nacional

Investigadores de Aveiro desenvolvem ‘eco-cimento’ com desperdícios de celuloses

[Fonte: Vida Rural]

O Departamento de Engenharia de Materiais e Cerâmica (DEMaC) da Universidade de Aveiro está a desenvolver “o cimento mais ecológico do mundo”, um eco-cimento que utiliza maioritariamente desperdícios das indústrias de celulose que de outra forma iriam para aterros. […]

Sugeridas

Atrasos na execução dos fundos aumentam risco sobre orçamento europeu, alerta Tribunal de Contas Europeu

[Fonte: ECO]
As autorizações orçamentais por liquidar, na União Europeia (UE), atingiram um novo recorde de 267,3 mil milhões de euros, em 2017. O Tribunal de Contas Europeu (TCE) alerta para o efeito que estas podem ter em execuções orçamentais futuras, […]

Sugeridas

Segurança alimentar: PE reforça controlos para prevenir casos como o da carne de cavalo

Os eurodeputados aprovaram hoje nova legislação europeia que reforça os controlos oficiais ao longo da cadeia agroalimentar, “do campo ao prato”. As novas regras, já acordadas entre o Parlamento Europeu e o Conselho da UE, têm por objetivo melhorar a rastreabilidade, combater a fraude alimentar e restaurar a confiança dos consumidores na sequência de escândalos como o da carne de cavalo. […]