Ausência de agricultura é a principal causa de incêndios

Ausência de agricultura é a principal causa de incêndios

[Fonte: Vida Rural]

“Só a agricultura poderá salvar a floresta”. A opinião é de Francisco Cordovil, ex-diretor do Gabinete de Planeamento e Políticas e um dos comentadores convidados do painel ‘A importância da Agricultura na Coesão territorial’, que decorreu ontem (13 de fevereiro) no Congresso Ibérico do Milho, em Lisboa.

Francisco Cordovil sustenta que a ausência de agricultura é a principal causa de incêndios em Portugal: “O papel da agricultura e silvo-pastorícia no corta-fogo é decisivo. O país agrícola não arde e por isso de nada vale fazer reflorestação em terras marginais, vão arder de certeza. É preciso agarrar o território rústico na sua complexidade”, defende.

Ainda neste painel, Juan Valero de Palma, secretário-geral da espanhola Fenacore, ressalvou que a sustentabilidade económica é importante e que é necessário que os produtores possam tirar rentabilidade da sua terra e território: “Temos de apostar na produção orientada para o mercado global, com distintas exigências sociais e ambientais”. Juan Valero insistiu ainda nas externalidades positivas do regadio, explicando que as terras de regadio são as que conseguem atrair uma população mais jovem e mais dinâmica.

O economista João Ferreira do Amaral colocou a tónica nos números: 20% das exportações portuguesas têm como origem o setor agrícola e agroflorestal: “Vejam a importância dos serviços do mundo rural”, e acrescenta: “Esta atividade, em especial a florestal, vai ter um papel essencial nas metas para a neutralidade carbónica”.

Ferreira do Amaral defendeu ainda a remuneração dos serviços dos serviços ambientais e das boas práticas aos agricultores e silvicultores.

O ex-ministro do equipamento Social, e mais recentemente empresário agroindustrial, Jorge Coelho também marcou presença neste debate. Defende que a luta contra a desertificação do interior só terá sucesso com a agricultura e questiona: “Portugal tem futuro se não tiver forte coesão social? Não!”, foi a resposta. Jorge Coelho apontou as graves desigualdades em termos de ocupação territorial e teme que se nada for feito o interior fique cada vez mais abandonado.

“Vejo com tristeza que não há coragem política para transformar medidas concretas contra a desertificação em bandeiras. Não se assume. A crise evidenciou a importância do investimento produtivo em detrimento do investimento especulativo”.

Jorge Coelho disse ainda que o seu recente investimento numa queijaria, em Mangualde, fê-lo perceber a importância da atividade agrícola na preservação ambiental, da paisagem e da identidade do território: “Já fiz muita coisa na minha vida, mas fazer queijo é o projeto de que mais me orgulho na minha vida”, rematou.

Comente este artigo

O artigo Ausência de agricultura é a principal causa de incêndios foi publicado originalmente em Vida Rural

Anterior Alunos de Mangualde e da Guarda venceram “Volta a Portugal em Fruta”, do Centro de Frutologia Compal
Próximo António Ventura defende transporte de carga aérea entre os Açores, a Madeira e o Continente

Artigos relacionados

Nacional

Feira Lusoflora 2018 – 23 e 24 de Fevereiro 2018 – Santarém

A Associação Portuguesa de Produtores de Plantas e Flores Naturais tem o prazer de comunicar a realização da 31ª edição da Lusoflora, a 23 e 24 de fevereiro de 2018, no CNEMA, em Santarém.
Assente nos valores que sempre caracterizaram esta feira, este ano assume um papel ainda mais preponderante na produção nacional, […]

Nacional

Rangel alerta para “preocupações enormes” com época dos incêndios

[Fonte: Expresso] Depois de sobrevoar a área ardida em 2017, de Pedrógão a Oliveira do Hospital, o candidato do PSD disse não querer ser “pessimista” mas deixou uma série de avisos. Tudo secundado pelo perito em incêndios Xavier Viegas: “Não podemos estar descansados”

Passavam uns minutos das onze horas quando Paulo Rangel aterrou no aeródromo da Lousã. […]

Últimas

Governo lança nova linha de 1.600 milhões para capitalizar empresas

O Governo prevê lançar, em fevereiro, uma nova linha de crédito capitalizar, operacionalizada através da PME Investimentos. Em causa está novamente uma dotação de 1.600 milhões de euros, mas os custos da linha vão mudar. As empresas mais arriscadas vão ter custos mais elevados.
O ministro da Economia, […]