Aumentamos o pastor ou investimos em guarda-sóis para ovelhas?

Aumentamos o pastor ou investimos em guarda-sóis para ovelhas?

Tudo é possível. A partir de agora tudo pode acontecer. E não estou a falar da cartola dos partidos de que vão saindo propostas, tão caras quanto originais, como se os recursos fossem inesgotáveis. Falo do Mundo e da sua mudança alucinante. Aquele de que nunca falamos, distraídos a procurar soluções para problemas “muito complicados” como a gestão da água que evapora nas barragens ou o salário mínimo dos pastores. A solução é reduzir? Ou será melhor cobrir? Devemos aumentá-los? Ou antes investir nos guarda-sóis das ovelhas?

Através do Banco Central Europeu, ficámos a saber que a crise económica está cada vez mais perto. Podemos apenas atrasar a sua chegada com uma política monetária de emergência. Taxas de juro ainda mais negativas e regresso à compra massiva, pelo Banco Central Europeu, de títulos da dívida de países da zona euro. Foi isso que Draghi, um homem que não se dobra facilmente, anunciou esta quinta-feira. Mas nada garante que a insistência na politica dos últimos anos assegure o sucesso.

Do outro lado do Atlântico, Trump respondeu com uma declaração de guerra ao seu Banco Central. A Reserva Federal é um dos poucos organismos onde ainda não conseguiu impor uma politica impulsiva e ziguezagueante. A FED, para o presidente dos Estados Unidos, continua “sentada, sentada, sentada…” sem nada fazer para antecipar e prevenir os efeitos da política europeia de encarecimento do dólar. Fica implícito um aviso aos europeus: quem se mete com os Estados Unidos, leva.

Ninguém consegue explicar-lhe que o problema do BCE é uma Europa que vê implodir o próprio poder de compra, ao mesmo tempo que Trump lhe declara uma guerra comercial de efeitos imprevisíveis. O reforço do valor do dólar vai mesmo permitir aos europeus vender “em saldo” para a América e torna mais caras as importações dos Estados Unidos, mas, bem vistas as coisas, esse é um mero “dano colateral” e a sobre reação de Trump torna os seus efeitos ainda mais imprevisíveis.

Como também são imprevisíveis os efeitos da outra guerra comercial em curso China-EUA ou os da ainda menos calculáveis da saída da Grã-Bretanha do Clube Europeu. Ontem, Santos Silva veio avisar que o plano de emergência do Brexit é para levar a sério: mais de 3,8 mil empresas portuguesas exportadoras e importadoras vão ser contactadas uma a uma e alertadas para as medidas a adoptar para reduzir prejuízos. Isto, a somar aos efeitos perversos sobre a vasta comunidade britânica em Portugal e a incerteza gerada junto da nossa comunidade emigrante no Reino Unido, só complicam o cenário.

Mas há mais: a bolha imobiliária ameaça voltar a fazer estragos, incluindo em Portugal. Um dos efeitos do agravamento e permanência das taxas de juro negativas no mercado interbancário são as baixas taxas de juro praticadas pela banca em empréstimos e depósitos. Estas só ajudam quem pede emprestado, ao mesmo tempo que sufocam os aforradores que veem na especulação imobiliária (por cá ligada sobretudo ao turismo e à recuperação urbana) um dos poucos nichos de aplicação rentável das poucas poupanças disponíveis. Uma das causas de uma taxa de poupança nacional historicamente baixa e pouco superior a 4% está aqui.

Sem poupança não haverá investimento privado. A obsessão pelas “contas certas” partilhada por todos os partidos com aspiração parlamentar (da esquerda radical à direita da direita) impede, além disso, qualquer veleidade de reforço do investimento público à custa de um maior défice. Draghi, na sua conferência de Imprensa, bem apelou a menos ortodoxia dos Estados membros, pedindo aos Governos para evitarem políticas orçamentais que impeçam o funcionamento dos chamados “estabilizadores automáticos”. Resumindo: adeus crescimento.

Reparem que nem é preciso falar do outro lado, mais político, da moeda: das eleições de Israel e do acentuar da crise do médio oriente, da instabilidade das Coreias e do reforço da ameaça nuclear, a somar aos custos de prevenção e combate às alterações climáticas que mostram um mundo literalmente a rebentar pelas costuras e que teimam em nos desinstalar entre incêndios de Verão, chuvas torrenciais e tufões que arrasam países em meia dúzia de horas.

Mas o que se passou esta quinta-feira que piorou tudo? Repito: o Banco Central Europeu e os seus peritos reviram de novo em baixa o crescimento e a inflação. Décimas apenas. Vimos o mesmo senhor de azul a debitar números face aos mesmos jornalistas que seguem os telexs da Reuters e da Bloomberg. Uma cena comum. O problema é que isso inverteu tudo o que se esperava depois do discurso de julho e o crescimento revisto já só varia entre 1,1 previstos para este ano e 1,4 para 2021. Quanto à inflação, a nova previsão ficou, para o mesmo intervalo de três anos, entre 1,2 e 1,5.

Ou seja: temos praticamente uma economia estagnada, enquanto países tão grandes como a Itália e tão importantes como a Alemanha estão já à beira de sentirem a economia entrar em recessão. Isto é, a riqueza ameaça reduzir-se em vez de crescer. Só faltam os números do próximo trimestre para o confirmar.

Mal tirámos o nariz da água e já estamos outra vez a afundar. Um, dois, pelo menos mais três longos anos, a somar à década pedida.

E a inflação ainda mais baixa não é uma boa notícia? Não. É mesmo uma notícia péssima. Como alertava, já há muitos anos o Dr. Miguel Cadilhe, a inflação pode ser vista como “sal do crescimento”. A Europa com medo da tensão alta, e ultraortodoxa, resolveu dizer ao BCE que a sua função é zelar por uma inflação em torno dos 2%. Nem mais, nem menos. Mas sem deixar a inflação “empatar” o crescimento.

Como o BCE está atado com muitas outras restrições, apesar da rebeldia de Draghi, pouco pode fazer. O quê agora? A opção foi confundir os analistas e repor o programa suspenso em final do ano passado, voltar já a lançar de novo dinheiro na economia a partir de novembro (ao ritmo mensal de 20 mil milhões ao mês, o que é o mínimo indispensável e está longe dos 50 mil milhões já antes praticados). Por outro lado, desce a taxa cobrada aos bancos centrais pelos próprios depósitos de menos 0,4 para menos 0,5. É só uma décima, mas as taxas cada vez mais negativas são já uma inovação que dura há tempo demais. Além disso, a dúvida é se mesmo em conjunto as duas medidas terão algum efeito significativo a curto prazo, se não forem acompanhadas de uma nova politica, menos conservadora, em matéria orçamental.

O estranho é que nesta pré-campanha ainda não ouvimos falar de nada disto! Pelo contrário, a única coisa que ouvimos é: as minhas contas são mais certas do que as tuas. Certas porquê? Em quê? E à custa de quê?

O artigo foi publicado originalmente em Rádio Renascença.

Comente este artigo
Anterior Incêndios: Proteção Civil declara alerta vermelho em 10 distritos
Próximo Chuvas torrenciais em Espanha causam dois mortos e deixam dezenas de pessoas desalojadas

Artigos relacionados

Últimas

Seca: Produção de algumas espécies de plantas pode estar em causa

“A seca afeta fundamentalmente as culturas em regime de sequeiro. No entanto, as culturas de regadio não saem incólumes deste acidente climático”, […]

Eventos

Ponte de Lima organiza 1.ª Conferência Internacional sobre Sidras e Bebidas do Pomar – 29 de novembro

O município de Ponte de Lima vai promover a Sidra Talks – 1.ª Conferência Internacional sobre Sidras e Bebidas do Pomar, […]

Nacional

Há um Concurso para jovens talentos agro-rurais

Escolas Profissionais Agrícolas de Portugal recebem Ciclo de Workshops informativos e um Concurso Nacional que vai premiar as melhores ideias de negócio
Num plano de desenvolvimento dinâmico, […]