Associação exige “apoio imediato” para evitar falências na agricultura

Associação exige “apoio imediato” para evitar falências na agricultura

A ACOS – Associação de Agricultores do Sul exigiu hoje “medidas de apoio imediato” para evitar a falência de empresas e o aumento do desemprego no setor agrícola, na sequência da pandemia de covid-19.

“Os agricultores estão a trabalhar, mas há produtos que não estão a ser escoados, os preços ao produtor estão a baixar, a economia das explorações está a ser afetada“, e, por isso, são “necessárias medidas de apoio imediato para evitar a falência das empresas e o aumento do desemprego”, defende a ACOS.

Em comunicado enviado à agência Lusa, a associação frisa que, “apesar de dificuldades impostas pelos efeitos da covid-19, a agricultura não pode parar e a procura de soluções para a nova realidade também não” e os “efeitos globais” provocados pela pandemia “impõem novas abordagens”.

“Apesar de a agricultura não parar, em consequência da atual pandemia que está a afetar a saúde humana e a economia do país em geral e a da agricultura em particular, estão a sentir-se algumas ondas de choque com reflexos negativos no setor” agrícola, alerta a ACOS, a organizadora da feira agropecuária Ovibeja.

A associação refere estar “consciente” de que “impõe-se agora mais do que nunca” e “é a resposta em tempos de crise” o “mote” “Agricultura Con(s)ciência” que tinha sido escolhido para “reflexão e partilha de saber” na edição deste ano da Ovibeja, que devia ter decorrido entre os dias 29 de abril e 03 de maio, mas foi cancelada devido à pandemia.

“De ‘mãos dadas com a ciência’ importa salvaguardar a produção de qualidade e estimular a saúde e a vitalidade das empresas do setor primário nas zonas de interior, como é o caso do Alentejo”, defende a ACOS, frisando que “a partilha de informação, de experiências e de conhecimento é agora mais importante do que nunca”.

Segundo a associação, “a ciência impõe-se como resposta objetiva e de salvaguarda da qualidade” e o “reforço do trabalho conjunto”, incluindo a articulação entre a produção e o escoamento de produtos, “é outro dos indicadores que importa trabalhar”.

Por outro lado, “com perturbações a curto ou médio prazo nos canais de comercialização, ganham maior expressão os circuitos de proximidade”, sublinha, referindo que “o fator confiança aliado à qualidade, a preservação do ambiente, o desenvolvimento dos territórios rurais, a garantia da produção mínima que salvaguarde a soberania alimentar e a coesão territorial são alguns dos tópicos da nova realidade, que importa debater com seriedade”.

A ACOS afirma que “quer fazer parte da solução na defesa dos interesses dos seus associados distribuídos por todo o sul do Tejo” e frisa que “a voz de quem está no terreno é fundamental para o traçado de novas políticas que se impõem, tanto nacionais, como na nova PAC” (Politica Agrícola Comum).

Portugal contabiliza 1.043 mortos associados à covid-19 em 25.282 casos confirmados de infeção, segundo o boletim diário da Direção-Geral da Saúde (DGS) sobre a pandemia.

O artigo foi publicado originalmente em Notícias ao Minuto.

Comente este artigo
Anterior “Agricultura não pode parar”. Agricultores do Sul apontam ciência como resposta
Próximo PME agrícolas podem ser compensadas com apoio até 50 mil euros

Artigos relacionados

Últimas

PM pede aos políticos humildade para ouvir cientistas e determinação para agir

“Só há uma coisa a fazer que é ter a humildade de ouvir a ciência e ter a determinação de exercer o poder que temos para agir”, […]

Nacional

Nova tecnologia pretende conservar espécies e reduzir galinhas produzidas para investigação

Os cientistas da Universidade de Edimburgo, no Reino Unido, estão a desenvolver novas tecnologias por forma a limitar o número de galinhas utilizadas em investigação. […]

Últimas

Alltech divulga Relatório de Sustentabilidade 2020 e reafirma o seu compromisso em trabalhar para um Planeta de Abundância

Um ano depois de ter assumido o compromisso com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU, com o Pacto Global da ONU e a […]