Asfertglobal testa soluções para melhorar a coloração da Fuji

Asfertglobal testa soluções para melhorar a coloração da Fuji

Sendo a fruticultura uma atividade de grande relevância a nível nacional, não poderia deixar de o ser também para a Asfertglobal, uma empresa de capital 100% português, focada em desenvolver soluções inovadoras a nível da biotecnologia aplicada à fruticultura nacional e até internacional, uma vez que já está a trabalhar com 16 países.

Apologista de ensaiar as soluções nas diferentes condições onde vão ser utilizadas, é estratégia da empresa realizar parcerias com entidades de reconhecido mérito e experiência que possam testá-las, como é o caso da Estação Nacional de Fruticultura Vieira de Natividade (INIAV).
O trabalho comum entre as duas entidades iniciou-se na campanha passada, tendo sido implantado um pomar de macieiras especificamente com objetivo de testar as soluções biofertilizantes (Mycoshell, Kiplant iNmass e Kiplant All-Grip) da Asfertglobal, baseadas em microrganismos, avança-nos a marketing manager Manuela Cordeiro.
Os primeiros resultados obtidos foram apresentados ao público em fevereiro deste ano e os técnicos e produtores presentes mostraram interesse em ir acompanhando de perto as diversas fases do ciclo vegetativo do pomar. Assim, e com esse mesmo objetivo, as duas entidades avançaram com as II Jornadas Técnicas de Fruticultura INIAV / Asfertglobal, onde foram apresentados alguns resultados do ensaio de avaliação dos efeitos da aplicação de soluções nutricionais no incremento da coloração de maçãs “Fuji”.
Miguel Leão, o investigador do INIAV responsável por este ensaio, explica-nos que esta linha de investigação específica está alinhada com os objetivos da Estação e com as necessidades da produção e da indústria. No fundo, aquilo que se pretende é tentar encontrar soluções que permitam chegar à colheita e aumentar a coloração dos frutos, no sentido de se conseguir um retorno económico mais elevado.
O ensaio desenvolvido com a proposta da Asfertglobal passou pela aplicação de uma solução à base de nutrientes, com duas formulações diferentes, no sentido de se perceber se por esta via é possível ou não incrementar a coloração dos frutos e neste caso em concreto, “numa variedade que apresenta graves problemas de coloração – “Fuji” – especialmente nos anos mais adiantados da plantação. O primeiro ano de ensaios demonstrou que a aplicação destas soluções melhorou a coloração dos frutos, sem adulterar negativamente os parâmetros de qualidade”. Em resumo, há um alinhamento com a produção e a solução Kiplant Blush (entretanto disponibilizada no mercado) veio para ajudar os fruticultores, mas com a devida ressalva por parte do investigador: “ensaios desta natureza necessitam de alguns anos de recolha de dados. A expectativa é que no próximo ano já seja possível apresentar resultados mais sustentados e consistentes da sua aplicação na fruticultura”.

Para ler na íntegra na Voz do Campo n.º 228 (julho 2019) 

O artigo foi publicado originalmente em Voz do Campo.

Comente este artigo
Anterior Especialistas debatem importância de dietas ricas em leguminosas
Próximo Uma forma de fazer a diferença num mundo global

Artigos relacionados

Nacional

O admirável mundo novo do amendoal

Investimentos de milhões, hectares a perder a vista, ensaios, novidades e dúvidas. Será que vai ser sempre uma cultura rentável em Portugal? […]

Dossiers

Green Deal & CAP: FE analysis of ComAgri report

1st December 2020
The Common Agricultural Policy (CAP) and the Green Deal (GD) are two of the main flagship European policies that define the current state of play of the institutions. […]

Nacional

DGAV aumenta lista de fitofarmacêuticos autorizados para quem não tem cartão de aplicador

A Direção-Geral de Alimentação e Veterinária (DGAV) acaba de atualizar a lista de fitofarmacêuticos de uso não profissional que podem ser adquiridos pelos agricultores que não possuem cartão de aplicador. […]