“As cabras sapadoras são um show off político”

“As cabras sapadoras são um show off político”

O Governo anunciou, no ano passado, rebanhos dedicados à gestão do combustível florestal.

Há agricultores e pastores que se queixam da libertação sem controlo de cabras selvagens, no distrito de Coimbra. O Governo avançou no ano passado com o projeto-piloto das “cabras sapadoras” com rebanhos destinados à gestão de combustível florestal, mas no terreno há quem diga que a medida não passou de “show off político”.

O pastor Paulo Rogério, 46 anos, de Oliveira do Hospital, e presidente da assembleia da Associação Nacional de Criadores de Ovinos da Serra da Estrela (Ancose), afirma que a ideia afinal não foi tão boa ideia.

“Aqui em Oliveira não tenho conhecimento da existência desses rebanhos, mas em Arganil, tenho ouvido queixas. A cabra sapadora não resulta, insiste o pastor que dá outra sugestão. “A limpeza tem que ser feita à mão, pelo povo, pelos contribuintes e por aqueles que vivem do que os contribuintes descontam”.

Mas porque não funciona a ideia do Governo? “Não resulta porque para a cabra desbastar o mato tem que andar com a fome. Se nós tivermos um bom prato de comida vamos ao melhor prato, ou seja, elas vão às culturas. Para ser rentável não podem andar de qualquer maneira. Para mim é mais um ‘show off’ político desses senhores que estão lá sentados nas cadeiras. Venham primeiro ao terreno falar com quem sabe”, lança em tom de desafio.

As vedações, diz o pastor, não são suficientes e nas zonas de minifúndio em terreno inclinado, há quem perca de vista as cabras. “Ou é muita gente para tomar conta delas ou perdem-se. É preciso ter cuidado para as controlar, algumas nunca aparecem, morrem por lá. Não regressam ao ovil”, acautela Paulo Rogério, deixando um alerta: “As árvores queimadas não foram cortadas, e serão material lenhoso para futuros incêndios, e não é com cabras sapadoras que se resolve”.

Este agricultor perdeu nos incêndios de 2017 mais de uma centena de cabeças de gado. Atualmente, tem 280 ovelhas e há poucos dias recebeu 12 borregas do Ministério da Agricultura. “Esta é uma ajuda tardia para refazer a vida… nem daqui a quatro anos. Se nos isentassem do pagamento da Segurança Social, já era uma ajuda”, conclui.

Outras duas opiniões contra as “cabras sapadoras” erguem-se em Arganil. “Esse é outro problema, comem tudo, aqui as videiras comeram-nas todas”; disse à Renascença Luís Lopes, 62 anos.

Também Rui Manuel, 57 anos, torce o nariz à ideia. “Elas andam a assapar as terras, são cabras do mato, mas o governo chama-as de sapadoras”, critica.

O artigo foi publicado originalmente em Rádio Renascença.

Comente este artigo
Anterior Índice de preços dos meios de produção na agricultura aumenta 1,6% em Março
Próximo Rio quer “arrumar” Administração Pública e acusa Governo de “sacudir água do capote” nos incêndios

Artigos relacionados

Nacional

Kiwis de Portugal são mais apreciados do que os kiwis importados

Um estudo sobre as qualidades sensoriais do kiwi português da variedade Hayward conclui que esta e outras variedades nacionais são mais apreciadas do que kiwis importados. […]

Dossiers

Estudo quer perceber linguagem corporal dos animais de produção

A Waitrose, cadeia de supermercados do Reino Unido, associou-se ao Scotland’s Rural College (SRUC) para realizar um estudo com o objetivo de compreender, […]

Nacional

Estão abertas as inscrições para o Portugal Exportador

As inscrições para as diferentes acções do Portugal Exportador já estão abertas no site oficial do evento (aqui). […]