Arrancou a campanha da azeitona e a previsão é de que o consumo de azeite aumente 7% em 2020/2021

Arrancou a campanha da azeitona e a previsão é de que o consumo de azeite aumente 7% em 2020/2021

Portugal é o primeiro país em produção de azeite virgem extra no mercado mundial. Em 2020 prevê-se um aumento do consumo de azeite 7% acima do valor da produção. A Olivum verticalizou-se e passou a representar 40.000 ha, 100 associados, 300 explorações e 10 novos lagares

Arrancou esta semana a campanha da azeitona, num ano em que se estima uma produção de 100 mil toneladas de azeite. As previsões antecipam ainda um aumento do consumo de azeite 7% acima do valor previsto para a produção, o que se traduz numa inversão da tendência dos últimos anos, segundo a Olivum – Associação de Olivicultores do Sul.

O Olival moderno (Alentejo e Ribatejo) é responsável por 70% da produção nacional de azeite, com Portugal a posicionar-se atualmente como o 8.º maior produtor mundial de azeite, com produtividades recorde no Alentejo que podem chegar às 18 toneladas de azeitona por hectare. Portugal é proporcionalmente o primeiro país no mundo em produção de qualidade, produzindo 95% de azeite virgem e virgem extra. Espanha e Itália ocupam o segundo lugar, ao atingirem apenas 70%.

A Olivum verticalizou a sua operação e passou a ser a maior associação de Olivicultores e lagares do país, com 40 mil hectares de exploração agrícola, 100 associados, 300 explorações e 10 novos lagares.

“Sendo o setor do olival um dos mais dinâmicos e modernos em Portugal, quer-se uma associação de última geração que acompanhe o perfil empreendedor dos seus associados”, defende Pedro Lopes, Presidente da Olivum. “O setor é jovem e empreendedor e desde o início tem apostado no investimento tecnológico e inovação. Hoje a sustentabilidade ambiental e a compatibilização entre agricultura e proteção da natureza são uma das prioridades da Olivum” sublinha.

Portugal garante desde 2014 a sua autossuficiência em azeite e hoje exporta 500 milhões euros de azeite para o mercado internacional, contribuindo para a economia portuguesa com 620 milhões de euros. O investimento no setor permitiu passar de 80 mil toneladas em 2014 para 140 mil toneladas de azeite produzido em 2019. As empresas a atuar são maioritariamente portuguesas e o setor conseguiu atrair investimento estrangeiro de países como Espanha, Inglaterra, Chile, Arábia Saudita, Suíça e Dinamarca.

Comente este artigo
Anterior Live-stream: Innovation Talk - O papel dos CoLABs no reequilíbrio das assimetrias territoriais
Próximo Webinar: Biomassa e gestão florestal conjunta para diminuir incêndios? Sabugal debate inovação e futuro energético - 23 de outubro

Artigos relacionados

Últimas

Governo e Federação Agrícola integram comissão para acompanhar futura PAC

O Governo dos Açores e a Federação Agrícola da região vão integrar uma comissão regional para acompanhar a implementação da próxima Política Agrícola Comum (PAC), […]

Comunicados

Candidaturas abertas aos prémios “Mais Alqueva, Mais Valor”

[Fonte: Mais Alqueva, Mais Valor]
+ PRODUÇÃO | + TRANSFORMAÇÃO | + INOVAÇÃO | + UTILIZAÇÃO | + VALOR
Estão abertas as candidaturas para os Prémios “Mais Alqueva, […]

Notícias inovação

Governo apresenta rede de inovação para enfrentar no futuro os desafios da agricultura

A ministra da Agricultura apresentou hoje em Nelas a rede de inovação para o setor, projeto que vai atentar aos desafios do futuro, como alterações climáticas ou desigualdades sociais e territoriais. […]