Aquicultura está num “impasse” devido às licenças de exploração

Aquicultura está num “impasse” devido às licenças de exploração

A prorrogação, por apenas mais um ano, de mais de 1100 licenças de exploração em aquicultura na região do Algarve não responde aos interesses dos operadores económicos. A associação do sector fala em “bloqueio” ao investimento. As empresas falam de “pântano económico” e “sangria dolorosa” do MAR2020.

Decreto-Lei n.º 34-A/2021, que o Governo fez publicar a 14 de Maio e que regula a utilização privativa dos recursos hídricos para fins aquícolas em águas de transição, “não só não resolveu o licenciamento [em Título da Actividade Aquícola (TAA)] na Ria Formosa”, como ainda “penalizou esta região” algarvia, com o “impedimento da transmissão” das licenças de exploração até 30 de Junho de 2022, diz a Associação Portuguesa de Aquacultores (APA).

A prorrogação por mais um ano de mais de 1100 licenças colocou-se devido a uma norma prevista no artigo 46º do Decreto-Lei nº 40/2017, que fixava já um “regime transitório” para estes TAA e que não permitia revalidar, automaticamente, os actuais títulos. Como a sua validade terminava a 12 de Maio, era urgente uma solução legislativa, sob pena de as empresas instaladas passarem a operar ilegalmente.

O presidente da APA, entidade que tem defendido “a conversão automática” destes títulos para os operadores que cumprem os requisitos legais, garante ao PÚBLICO que o prolongamento dos TAA não resolve a situação. Esta solução, diz, “bloqueará por mais de um ano o desenvolvimento da aquicultura na Ria Formosa, impedindo o aumento da área aos operadores que querem crescer e obrigando a manter a área [de exploração aquícola] a quem quer abandonar a actividade”.

A Associação avisa que estão em causa centenas de operadores económicos na região, nacionais e estrangeiros, largos milhões de euros de investimento instalado, cerca de 3000 postos de trabalho directos, cerca de 70 milhões de euros em volume de negócios e unidades produtivas montadas para operar a médio/longo prazo, cuja rentabilidade não é compatível com licenças com validade de apenas um ano. Hugo Metelo Diogo, director-geral da Bluegrowth, empresa de consultoria, auditoria e engenharia especializada em assuntos marítimos, dá um exemplo: “Entre colocar a semente das ostras na água e estas estarem prontas a consumir leva sempre acima de um ano”.

“Mercado estagnado”

Rui Moreira, presidente da APA, fala de “outra face perversa” do decreto-lei de 14 de Maio, por “não retirar as licenças aos operadores que não cumprem as condições”, como a falta de pagamento da Taxa de Recursos Hídricos (TRH) ou de entrega dos inquéritos à produção. E adverte para o facto de, em Portugal continental, o critério do prazo de validade das licenças não ser “uniforme”. Rui Moreira diz que “tanto atribuem a um viveiro de bivalves [uma licença com] um prazo de 10 como de 25 anos”. Um dos exemplos é o licenciamento na Ria de Alvor, assim como em algumas zonas do estuário do Sado. Aí, “a Docapesca e a Administração dos Portos de Setúbal e Sesimbra, respectivamente, têm as suas próprias regras de renovação das licenças”.

Hugo Diogo, da Bluegrowth, que presta serviços a vários operadores do sector, nacionais e estrangeiros, não tem dúvidas: “Esta prorrogação da caducidade das licenças por apenas mais um ano não responde às necessidades dos milhares de pessoas que dependem da actividade, criando um verdadeiro pântano social e económico”. E volta a sublinhar: “Um ano não é suficiente para concluir um ciclo produtivo da maioria das espécies que produzimos em Portugal”, uma vez que “ninguém irá semear [bivalves] ao dia de hoje, pois não terá produto pronto para colher daqui a um ano”.

Em consequência, alerta o consultor, “o mercado ficará estagnado durante mais um ano de incerteza, com impactos também para

Continue a ler este artigo no Público.

Comente este artigo
Anterior Suíça pode ser primeiro país europeu a proibir pesticidas sintéticos
Próximo Live: Debates em Biotecnologia: da Agricultura à Bioeconomia

Artigos relacionados

Últimas

“Para se ter balanços carbónicos positivos, o Alentejo tem de assentar a descarbonização na componente produtiva tecnológica”, diz Dir. Reg. Agricultura (c/som)

Decorreu esta quarta feira, 11 de dezembro, o 12º Comité de Acompanhamento do Programa Operacional Regional do Alentejo 2014/2020, em Borba. […]

Comunicados

Água para reutilização na agricultura em Portugal – Workshop & 3ª Regional Working Group do projeto SUWANU EUROPE

Ontem, dia 3 de Fevereiro, a FENAREG e CONSULAI, realizaram um Workshop, seguido do 3º Regional Working Group, do projeto SUWANU EUROPE. Este tem como objetivo aumentar o […]

Dossiers

Incêndios: Monchique pede investimento no reordenamento do território – autarca

Em declarações à Renascença, o autarca ​Rui André fala em avanços tímidos, depois do grande incêndio de 2018, e defende que o reordenamento do território é fundamental para […]