Antigo polícia suspeito de atear fogo florestal fica em prisão preventiva

Antigo polícia suspeito de atear fogo florestal fica em prisão preventiva

Um antigo polícia, com cerca de 50 anos, foi detido na sequência de um incêndio florestal ocorrido perto de Abrantes, Santarém, pelas 20h da passada sexta-feira. É suspeito de ter ateado o incêndio. Aguardará em prisão preventiva enquanto prosseguir a investigação da Polícia Judiciária.

Em comunicado, a Procuradoria da Comarca de Santarém afirma que a medida de coação, a mais gravosa, foi aplicada na tarde de terça-feira, após o primeiro interrogatório do detido, dados os “perigos de continuação da actividade criminosa e de alteração da ordem e tranquilidade públicas”.

A procuradoria refere, também, antecedentes de alcoolismo “não resolvidos mesmo após tratamentos de desintoxicação e afectações comportamentais que tinham contribuído para a respectiva aposentação por incapacidade para o serviço público policial”.

O inquérito corre na secção especializada em criminalidade violenta do Departamento de Investigação e Acção Penal de Santarém.

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em Público.

Anterior CNA: Foi uma “precipitação do Reitor”. Interdição da carne de vaca nas cantinas da Universidade de Coimbra é “posição demagógica e errada”
Próximo Coragem ou demagogia? - Francisco Avillez

Artigos relacionados

Últimas

Newsletter GPP | + Flash nº 37 – novembro 2019

Encontra-se disponível a Newslletter do GPP + Flash – n.º 37 de novembro 2019 
Aceda aqui 

Comente este artigo
#wpdevar_comment_4 span,#wpdevar_comment_4 iframe{width:100% !important;}O artigo foi publicado originalmente em GPP. […]

Comunicados

Posto Apícola será Laboratório Nacional de Referência da Qualidade do Mel

A Federação Nacional dos Apicultores de Portugal (FNAP) e o Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária (INIAV) unem esforços para divulgar as Boas Práticas junto dos apicultores portugueses e pretendem criar um Laboratório Nacional de Referência da Qualidade do Mel. […]

Nacional

Vítimas de incêndios de Outubro põem Estado em tribunal

O movimento de apoio às vítimas deu entrada de uma acção popular contra o Estado com uma acusação de “negligência”. Querem uma reparação por danos a “milhares de pessoas” e empresas. […]