Antiga aluna da UA lidera estudo que pode poupar milhões à fileira da batata-doce

Antiga aluna da UA lidera estudo que pode poupar milhões à fileira da batata-doce

Ana Rita Simões, antiga aluna de Biologia na Universidade de Aveiro (UA), agora a trabalhar nos Jardins de Kew, Reino Unido, lidera estudo de 40 autores, de 17 nacionalidades, publicado no prestigiado periódico científico Taxon que defende a conservação do nome científico da batata-doce cultivada: “Ipomoea batatas L.”. A mudança de nome causaria grandes transtornos e despesas ao sector agroalimentar.

Em causa estaria a eventual mudança de género (grupo taxonómico) desta espécie, o que obrigaria a outra nomenclatura científica. A batata doce cultivada, mais conhecida e consumida, de nome científico Ipomoea batatas, pertence ao género Ipomoea, onde se incluem 900 espécies de plantas, sendo uma delas a conhecida planta ornamental bons-dias, invasora em Portugal. Ora, verificou-se, recentemente, que a espécie tipo que era usada para caracterizar o género Ipomoea é muito afastada da batata doce, o que colocaria em causa a continuação da espécie neste género.

Assim, no estudo agora publicado, os 40 investigadores propõem escolher outra espécie-tipo para a definição do género Ipomoea, nomeadamente Ipomoea triloba L., uma espécie que é parente próximo da batata doce, assegurando o mesmo nome científico para a espécie cultivada e permitindo a mudança de nome/género de alguns grupos de espécies mais afastados que estão agora incluídas no género Ipomoea.

Sem esta proposta de mudança de espécie-tipo de Ipomoea, a mudança de nome científico da batata doce poderia ocorrer brevemente, o que resultaria em inúmeras alterações e atualizações administrativas, na legislação e nas orientações de segurança e saúde, em alterações no empacotamento e marketing que comercializam esta espécie ou os seus sub-produtos.

A antiga aluna da UA, que fez o doutoramento no Museu de História Natural em Londres e agora trabalha nos Jardins Botânicos Reais de Kew, espera que o estudo também contribua para a mudança de nome científico das espécies selvagens que são parentes mais afastados da batata doce (por exemplo do género Argyreia, que recentemente foi transferido para o grupo da batata doce por outros autores) e que de momento são associadas a esta espécie cultivada por compartilharem o nome do seu género – Ipomoea.

Os autores esperam conseguir também, além da proteção e estabilidade do nome científico da batata doce, uma maior atenção da comunidade científica e do público em geral para a conservação destas espécies que, por serem ainda associadas à batata doce, tornaram-se menos prioritárias em termos de conservação das espécies.

Mestrado resulta em descoberta de nova espécie

Uma destas espécies é Argyreia paivae A. R. Simões & P. Silveira, endémica de Timor, e descoberta em 2011 pela antiga aluna da UA e pelos orientadores, Paulo Silveira e Helena Silva (professores do Departamento de Biologia), durante o Mestrado em Ecologia, Biodiversidade e Gestão de Ecosistemas na Universidade de Aveiro (https://www.ua.pt/pt/noticias/9/9550). Esta espécie tem propriedades medicinais e foi apontada como possivelmente ameaçada, pela sua raridade.

O seu nome havia sido, também, recentemente mudado para Ipomoea paivae (A. R. Simões & P. Silveira) J.R.I.Wood & Scotland. A mudança da espécie-tipo de Ipomoea permitirá, assim, também, recuperar o nome original desta espécie ameaçada e contribuir para uma comunicação mais eficiente da sua necessidade de conservação. Nos Jardins Botânicos Reais de Kew está também a trabalhar outra antiga aluna da UA, Sara Bárrios (https://www.ua.pt/pt/noticias/12/45007).

Comente este artigo
Anterior EU agri-food trade maintains stable growth during January-October 2020
Próximo Nota n.º 01/2021 - VITIS | Campanha 2021-2022

Artigos relacionados

Nacional

Mais de 200 bombeiros e nove meios aéreos combatem fogo em Abrantes

Um incêndio está a consumir uma zona de floresta em Abrantes, no distrito de Santarém, avança a Autoridade Nacional de Proteção Civil. […]

Dossiers

El pollo en origen se paga un 2,30% por debajo del año pasado

Los precios han oscilando entre 80 y 85 céntimos de euro por kilo/vivo en las distintas lonjas y mercados nacionales. Si bien, las cotizaciones se mantienen un -2,30% por debajo de las registradas en la misma semana de 2019.
 […]

Últimas

Incêndios. Portugal é o país que mais arde na zona do Mediterrâneo

Portugal é o país que mais arde na zona do Mediterrâneo, tendo na última década quase o dobro dos incêndios e a maior área ardida entre seis países desta região, […]