ANIPLA: Estudo destaca elevada segurança na proteção das plantas

ANIPLA: Estudo destaca elevada segurança na proteção das plantas

[Fonte: ANIPLA]

Desde 1960 à atualidade.

Estudo que avaliou o sector desde os anos 1960 até à atualidade destaca como o continuado investimento em I&D conduziu a avanços significativos na eficiência e na segurança dos produtos fitofarmacêuticos, permitindo disponibilizar novas e importantes ferramentas aos produtores agrícolas.

Lisboa — 10 de Dezembro de 2018 | O elevado nível de investimento da Indústria da Proteção das Plantas em investigação e desenvolvimento de novas soluções, conduziu a uma melhoria contínua tanto na eficiência, como no perfil de segurança dos produtos fitofarmacêuticos (PF), de acordo como um relatório.

O trabalho, intitulado “The Evolution of the Crop Protection Industry Since 1960” e levado a cabo pela empresa analista de mercado Phillips McDougall, refere como os avanços tecnológicos ajudaram a Indústria da Proteção das Plantas a ir ao encontro das expectativas dos consumidores por produtos mais seguros e, ao mesmo tempo, a cumprir a sua missão de ajudar os agricultores a produzirem mais e melhores alimentos.

O relatório mostra que, desde 1950, a dose média de PF aplicada por hectare reduziu em 95%, o que significa que, atualmente, os agricultores precisam de utilizar muito menos quantidade de produto para obterem os mesmos níveis de eficácia. Já a quantidade de alimentos produzida por cada quilo de substância ativa aplicada aumentou mais de 10%, desde a década de 80.

Ao mesmo tempo, o perfil de segurança dos produtos também melhorou significativamente. A Organização Mundial de Saúde (OMS) classifica os PF em quatro categorias, que vão desde a Classe I (extremamente tóxico) à Classe U (pouco provável de ser perigoso). A investigação da Phillips McDougall veio provar uma redução média de 40% na toxicidade aguda das substâncias introduzidas no mercado desde os anos 60 e indica ainda que metade das que foram introduzidas desde 2000 pertencem à Classe U e nenhuma à Classe I.

Para o diretor executivo da Associação Nacional da Indústria para a Proteção das Plantas (ANIPLA), António Lopes Dias “Os avanços da Indústria da Proteção das Plantas são verdadeiramente notáveis e a atividade agrícola é cada vez mais segura, eficiente e sustentável, muito graças ao investimento em tecnologia e inovação levado a cabo nos últimos anos. Portugal é um exemplo dos dados apresentados no estudo e os nossos agricultores estão cada vez mais dotados de ferramentas e técnicas inovadoras, o que explica porque é que os nossos alimentos são dos mais seguros da zona Euro, como apontou o último relatório da EFSA. No entanto, há ainda um longo caminho a percorrer no que diz respeito ao esclarecimento dos consumidores para os verdadeiros benefícios dos PF na qualidade, segurança e preços acessíveis dos alimentos que chegam às suas mesas, diariamente.”

Contudo, é importante notar que a capacidade por parte dos sistemas regulatórios dos países em vias de desenvolvimento de proteger a informação confidencial e a propriedade intelectual relacionadas com um novo produto, é normalmente débil, prejudicando o investimento da indústria, sufocando a inovação e, muitas vezes, deixando os agricultores sem acesso às novas tecnologias tão necessárias para a sua atividade.

Para Howard Minigh, Presidente da CropLife International e representante da indústria da ciência das culturas, os dados deste relatório vieram comprovar o progresso de uma focalização por parte da indústria em fazer cada vez melhor.

“O nosso compromisso é assegurar que os nossos produtos são seguros para as pessoas e para o ambiente. Ao mesmo tempo, precisamos de fornecer soluções que vão ao encontro das expectativas e necessidades dos produtores agrícolas, para que possam proteger as suas culturas de danos. Como inovadores que somos, não vamos ficar por aqui: a indústria vai continuar a ultrapassar todos os limites e barreiras para termos produtos fitofarmacêuticos ainda mais seguros; para ajudar os agricultores a enfrentar grandes desafios como as alterações climáticas, alimentar uma população em acelerado crescimento e proteger a biodiversidade e os recursos naturais.”, refere.

Comente este artigo
Anterior ASAJA, COAG, UPA y Cooperativas consideran “un paso atrás inaceptable” la nueva normativa sobre “venta a pérdidas”
Próximo Potencial da floresta portuguesa debatido em Live Lab com a academia

Artigos relacionados

Internacional

Glyphosate : une nouvelle autorisation fait déjà réagir

Selon les eurodéputés socialistes français Eric Andrieu et belge Marc Tarabella, la Commission européenne s’apprêterait à proposer au mois de juin un renouvellement d’autorisation du principe actif controversé du Roundup.
La Commission européenne devrait proposer au mois de juin un renouvellement de 10 ans de l’autorisation du glyphosate, […]

Comunicados

191 milhões de euros para promoção dos produtos agroalimentares europeus, na UE e no estrangeiro

[Fonte: Comissão Europeira]
A Comissão Europeia acaba de adotar, com data de 14 de novembro, o programa de trabalho para 2019 no âmbito da política de promoção, o qual inclui uma dotação de 191,6 milhões de euros para programas selecionados para cofinanciamento da UE – […]

Sugeridas

Agora já pode consultar projetos do PT2020 no telemóvel. IAPMEI tem uma nova app

[Fonte: ECO]
Quer saber em que ponto está o seu projeto? Quer mandar uma mensagem rápida ao seu gestor de projeto? Quer ter informações sobre os pagamentos dos incentivos comunitários? Receber alertas? Estas são algumas das novas funcionalidades que passam a estar disponíveis no telemóvel para todos os empresários que tenham projetos financiados pelo Portugal 2020 sob a responsabilidade do IAPMEI. […]