Angola quer aprender com o Chade a melhorar produção agrícola em áreas desérticas

Angola quer aprender com o Chade a melhorar produção agrícola em áreas desérticas

O Presidente de Angola, João Lourenço, que recebeu esta quinta-feira o seu homólogo do Chade, Idriss Déby Itno, apelou à partilha de experiências entre os dois países, designadamente no que respeita à agricultura praticada em áreas desérticas.

O Chade por ser em grande parte constituído por um deserto e sofrer com a falta de recursos hídricos, problemas agravados pelas alterações climáticas, desenvolveu técnicas para aprimorar a agricultura em áreas desérticas e para o tratamento de doenças raras”, destacou o chefe de Estado angolano.

Para João Lourenço, a partilha desta experiência seria “extremamente útil para debelar situações” como as que se vivem atualmente no sul de Angola, afetado pela seca.

O Presidente angolano, que falava no final de um encontro oficial como Idriss Déby Itno, no Palácio Presidencial, salientou o empenho do Governo em reforçar a cooperação bilateral para aproveitar as “enormes potencialidades em termos de recursos naturais e humanos”.

 

Continue a ler este artigo no Observador.

Comente este artigo
Anterior As Fake News que não ardem e prosperam
Próximo Trovoadas localmente intensas.

Artigos relacionados

Últimas

Ligeira queda na produção de pêra e maçã no Hemisfério Sul

A Associação Mundial de Maçã e Pêra (WAPA) divulgou as previsões de produção e exportação de maçã e de pêra em 2020 no Hemisfério Sul, […]

Comunicados

PSD exige manutenção da taxa reduzida de IVA para os fatores de produção agrícola

O Partido Social Democrata vê com enorme preocupação a eventual subida da taxa do IVA dos consumos intermédios utilizados na produção agrícola nacional e exige que o Governo rejeite […]

Últimas

Dia de Campo sobre Boas Práticas na Aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos – 27 de maio – Alcobaça

No seguimento da realização dos werbinares sobre boas práticas na aplicação de produtos fitofarmacêuticos, com o especialista Dr.º Marcelo Ferreira do NEDTA – Núcleo de Estudo […]