ANEB repudia decisão do Reitor da Universidade de Coimbra

ANEB repudia decisão do Reitor da Universidade de Coimbra

A ANEB, Associação Nacional dos Engordadores de Bovinos, vem repudiar de forma veemente a decisão do Reitor da Universidade de Coimbra, Amílcar Falcão, de eliminar o consumo de carne bovina das cantinas da instituição de ensino que rege.

Posição assumida de forma pouco ponderada perante centenas de alunos e amplamente difundida pela comunicação social, não pelo valor intrínseco da medida, mas pelo insólito que a mesma provocou nos mais diversos quadrantes da nossa sociedade.

De onde deveríamos esperar rigor, objetividade, conhecimento e evidência científica surge uma tomada de posição que a ANEB qualifica como populista, panfletária e carecente de fundamentação técnica.

Acresce que a medida é parcial, limitativa da liberdade de escolha e apenas se impõe sobre todos os que na comunidade académica de Coimbra não têm alternativa a fazer as suas refeições fora das cantinas da universidade.

Há, pelo contrário, evidências científicas que sustentam um impacto reduzido, quanto ao efeito de estufa, resultante da produção agropecuária em extensivo, a qual representa cerca de 50% da produção bovina em Portugal.

Tal medida, assumida pelo Reitor de Coimbra, esquece ainda o papel do agropecuário nacional na sustentabilidade ambiental e na garantia de biodiversidade, na afirmação e desenvolvimento do mundo rural, no ordenamento do território e na fixação de populações no interior do país. Negligenciando todo o papel socioeconómico que este setor tem para vastas regiões do nosso país e para a economia nacional.

Conscientes da crescente premência em debater as alterações climáticas e do importante papel que a discussão terá para as gerações vindouras, a ANEB defende que este debate seja feito de forma construtiva, sustentado em pressupostos técnicos e científicos devidamente estabelecidos e que seja executado de forma abrangente, considerando todos os impactos ambientais, sociais e económicos que as decisões responsáveis têm de assumir.

Porque entendemos que o agropecuário representa um papel importante na estrutura económica do país, reivindicamos que uma discussão tão vital como esta evite a todo o custo os caminhos do populismo ou de agendas políticas específicas e parciais. Não se pode estruturar o futuro sustentando decisões em modas.

Por isso, considera a ANEB imprudentes quaisquer ações como a do Reitor da Universidade de Coimbra, mas especialmente esta, tendo em conta o papel fundamental que o reitor e a universidade desempenham na educação dos jovens de hoje e das gerações futuras. Não se tratou de promover uma opção, mas sim de fazer uma imposição, numa instituição secular com um impacto inegável no desenvolvimento da sociedade portuguesa e que devia, por isso, ser mais preservada.

A ANEB tem representatividade em todo o território continental e Açores, assumindo maior expressão nas regiões da Estremadura, Ribatejo e Alentejo, e encontra-se disponível para debater e fornecer todas as informações que possam promover medidas sustentadas e equilibradas.

A Direção da ANEB

Comente este artigo
Anterior 2ª Edição do Mondego Agrícola 2019 Feira das Culturas
Próximo Reembolso da Disciplina Financeira - Campanha 2017

Artigos relacionados

Nacional

Alteração do prazo limite das candidaturas do Prémio Empreendedorismo e Inovação do Crédito Agrícola 2017

Nos termos do ponto 8. do Regulamento do concurso denominado por “Prémio Empreendedorismo e Inovação Crédito Agrícola 2017”, o Crédito Agrícola e a INOVISA deliberaram alargar o prazo para a entrega de candidaturas, […]

Nacional

Vinhos do Tejo levou a maior comitiva de sempre à ProWein


A Comissão Vitivinícola Regional do Tejo (CVR Tejo) levou, pelo quinto ano consecutivo, os Vinhos do Tejo à ProWein, […]

Sugeridas

Seca e alteações climáticas. Mentalidade dos mais novos “está a mudar”

O comentador da Renascença João Taborda da Gama acredita que as gerações mais novas podem ser as primeiras a ter “imbuída desde sempre uma mensagem ecológica” que leve a uma “alteração de consumos e padrões”. […]