Ana Abrunhosa diz que “não vale a pena imputar culpas” sobre despovoamento dos municípios

Ana Abrunhosa diz que “não vale a pena imputar culpas” sobre despovoamento dos municípios

A ministra da Coesão Territorial disse hoje que “não vale a pena imputar culpas” sobre o despovoamento dos municípios e defendeu a necessidade da regionalização para deslocalizar serviços e organismos públicos de Lisboa para outros pontos do país.

“O problema das deslocalizações ou não deslocalizações [só] se resolve com uma coisa: regionalização”, afirmou a governante Ana Abrunhosa, em resposta a questões do deputado do PSD Jorge Paulo Oliveira sobre o porquê de ser difícil deslocalizar serviços públicos, no âmbito de uma audição regimental na comissão parlamentar de Economia, Inovação, Obras Públicas e Habitação, na Assembleia da República, em Lisboa.

Em relação ao problema do despovoamento, o tema foi abordado pelo deputado do PSD Jorge Mendes, que perguntou se a ministra está preparada para o ‘day after’ da divulgação dos resultados preliminares dos Censos de 2021.

“Porque vamos descobrir uma hecatombe brutal […] que muitos concelhos perderam 30% da população nos últimos 10 anos, e o que é que vamos fazer a seguir?”, questionou o social-democrata.

Para a ministra da Coesão Territorial, o despovoamento “não é um problema de hoje, não é um problema de ontem, nem dantes de ontem”.

“Portanto, naturalmente que não me poderá ser imputado”, reforçou a governante, acrescentando que “nem é um problema só de Portugal”, dando como exemplo o caso do país ‘vizinho’, onde um estudo do Banco de Espanha “conclui que 45% dos municípios vão perder população de forma grave”.

Reforçando que o problema não é apenas uma realidade portuguesa, Ana Abrunhosa considerou que “é uma responsabilidade de todos e a solução terá de ser uma solução também coletiva”.

“Agora há uma coisa que é clara: ninguém obriga as pessoas por decreto a viver onde elas não querem”, declarou a titular da pasta da Coesão Territorial, acrescentando que a tendência europeia e internacional é as pessoas concentrarem-se nos centros urbanos.

Na perspetiva da governante, despovoamento não deve significar desertificação, pelo que é preciso garantir que se continua a ter atividade económica nestes territórios.

“Só o conseguimos fazer na agricultura e nas florestas, com pessoas qualificadas, com tecnologia, com ciência, portanto, de forma realista: não vamos voltar a ter população que tínhamos nesses territórios, nem no país, nem na Área Metropolitana do Porto, que provavelmente também vai perder população”, apontou.

Neste âmbito, a ministra frisou que “não vale a pena imputar culpas” sobre o problema do despovoamento.

“Somos todos responsáveis, primeiro porque houve um movimento de litoralização, com perda da importância das atividades da agricultura e da floresta e, depois, porque passámos a fazer menos filhos. Somos todos responsáveis, portanto, é um problema coletivo, que exige uma solução coletiva”, sustentou Ana Abrunhosa.

Relativamente ao ‘day after’ dos resultados preliminares dos Censos de 2021, a ministra assegurou que “está tão preparada como hoje”, procurando com os municípios, porque são sempre o primeiro nível de política pública, e com os outros membros do Governo, trabalhar em soluções para o despovoamento.

“Na certeza de que há coisas que dificilmente conseguimos contrariar e há outras que vão demorar muito tempo a contrariar”, ressalvou a titular da pasta da Coesão Territorial.

Na quinta-feira, também no parlamento, a ministra da Coesão Territorial disse que “infelizmente” não está no Programa do Governo fazer a regionalização, mas existe o objetivo de aumentar a descentralização para os municípios e reforçar o poder e a autonomia das regiões.

Comente este artigo
Anterior Vagos: “Agricultura atrai jovens e é a área com maior empregabilidade”
Próximo Incêndios: Segunda equipa de intervenção permanente a operar em junho em Arcos de Valdevez

Artigos relacionados

Últimas

Conversas em torno do mirtilo

Decorreu no final do mês de junho em Sever do Vouga, mais uma edição da Feira Nacional do Mirtilo
A iniciativa contou este ano com cerca de 100 expositores relacionados com este pequeno fruto cada vez mais conhecido e marcante na economia daquele concelho que se apelida de “Capital do Mirtilo” […]

Últimas

PAN quer corredores e abrigos para abelhas em Lisboa

O Grupo Municipal do PAN, Pessoas-Animais-Natureza apresenta hoje, 12 de Novembro, na Assembleia Municipal de Lisboa, uma recomendação para a criação de corredores e abrigos para abelhas e outros insectos polinizadores. […]

Últimas

Previsão período alargado – 05 out. a 01 nov. 2020

Precipitação total semanal e temperatura média semanal com valores abaixo do normal […]