Amazónia. Emmanuel Macron apela a “mobilização de todas as potências” para ajudar Brasil

Amazónia. Emmanuel Macron apela a “mobilização de todas as potências” para ajudar Brasil

[Fonte: SAPO 24]

“Devemos responder ao apelo da floresta (…) da Amazónia, nosso bem comum (…) e por isso vamos agir”, declarou Emmanuel Macron dirigindo-se aos franceses antes do início da cimeira das grandes potências industriais (G7), que decorre no fim de semana em Biarritz (sudoeste de França).
Os fogos florestais que estão a devastar a Amazónia impuseram-se à última hora na agenda da cimeira, com Macron a evocar uma “crise internacional”.
A sugestão foi de imediato criticada pelo Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, que acusou Macron de “mentalidade colonialista” ao “instrumentalizar” o assunto propondo que “assuntos amazónicos sejam discutidos […] sem a participação dos países da região”, o que deu origem a escalada de tensão que levou o chefe de Estado francês a acusar o brasileiro de “mentir” quando afirmou que iria respeitar os compromissos ambientais e a anunciar que, nestas condições, França opõe-se ao acordo de comércio livre UE-Mercosul.

O presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, secundou hoje o chefe de Estado francês ao advertir ser pouco provável uma ratificação do acordo comercial entre a União Europeia e o bloco regional do Mercado Comum do Sul (Mercosul – Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai) se a Amazónia continuar a arder.

“Claro que apoiamos o acordo UE/Mercosul (…), mas é difícil imaginar um processo de ratificação enquanto o governo brasileiro permitir a destruição da Amazónia”, disse Tusk numa conferência de imprensa antes de começar a cimeira.

Na declaração transmitida pela televisão, Macron disse ainda esperar “convencer (os) parceiros de que as tensões comerciais são prejudiciais para todo o mundo”.

Além da guerra comercial entre os Estados Unidos e a China, o presidente norte-americano, Donald Trump, ameaçou com um conflito com a França e a Europa ao evocar uma possível taxação dos vinhos franceses em represália pela imposição de impostos aos gigantes digitais norte-americanos pela UE.

O presidente francês fez ainda um apelo “à calma e à concórdia” dirigido aos militantes anti-G7 que se manifestam no País Basco, afirmando que os grandes desafios, como o do clima, devem ser enfrentados “em conjunto”.

“Temos desacordos (…) Mas penso que os nossos grandes desafios, o clima, a biodiversidade, a transformação tecnológica, as preocupações na nossa sociedade, a luta contra as desigualdades, esta insegurança em todo o mundo, poderão ser resolvidos agindo em conjunto”, disse.

Milhares de pessoas iniciaram às 11:30 locais (10:30 em Lisboa), horas antes do início da cimeira do G7 uma manifestação autorizada no porto de Hendaia, com fim previsto em Irún, no País Basco, no lado espanhol da fronteira.

O protesto, convocado pela plataforma G7 Ez e a francesa Alternatives G, levava à frente uma faixa com o lema “Não ao G7, construindo outro mundo a partir do País Basco”, escrito em castelhano, francês e euskera (língua basca). No final da marcha, um manifesto será tornado público.

Comente este artigo

O artigo Amazónia. Emmanuel Macron apela a "mobilização de todas as potências" para ajudar Brasil foi publicado originalmente em SAPO 24.

Anterior Chanceler alemã diz que do G7 deve sair "mensagem clara" sobre os incêndios na Amazóna
Próximo Quer moldar a Estratégia e a Agenda da Economia Circular da UE? Participe

Artigos relacionados

Sugeridas

Área contaminada com Xylella alastra

[Fonte: Vida Rural]
Foram identificadas mais plantas com a bactéria Xylella fastidiosa durante uma nova prospeção efetuada pelos serviços da Direção Regional de Agricultura e Pescas do Norte (DRAPN) no jardim do Zoo de Santo Inácio, […]

Nacional

Fruta Feia celebra 5.º aniversário e evita mais de 1.300 toneladas de desperdício

[Fonte: Anipla – fitotema]

São já 187 os produtores/agricultores de todo o género de fruta e legumes que fornecem a Fruta Feia, […]

Nacional

CDS questiona Governo sobre atrasos na libertação das garantias bancárias do VITIS

[Fonte: Agricultura e Mar]
O deputado do CDS-PP Hélder Amaral questionou hoje, 9 de Agosto, o Governo sobre o atraso de mais de dois anos na libertação das garantias bancárias do Regime de Apoio à […]