Algarorange. Um marco histórico para a fileira

Algarorange. Um marco histórico para a fileira

Há muito que a necessidade de organização no setor citrícola algarvio é tema presente na fileira e as intenções materializam-se agora na AlgarOrange – Associação de Operadores de Citrinos do Algarve – que se assume de cariz profissional referente apenas a este segmento.

Formada em agosto passado está a dar os primeiros passos mas os objetivos estão bem definidos: promover os citrinos do Algarve sobretudo a nível internacional. Para já estão programadas várias participações em eventos como a III Mostra da Laranja em Silves e a Feira Nacional de Agricultura, em Santarém, entre outras iniciativas ligadas aos citrinos.
Formada por nove operadores – Cacial, Frusoal, Frutalgoz, Frutas Martinho, Frutas Tereso, Frutas Machorro e Filhos, Frutas Lurdes e Filhas, Frutas Matinhos e Parafrutas – está aberta à adesão de outros operadores com a esperança de que venha a tornar-se um marco para a citricultura do Algarve, confidencia José Oliveira, presidente da direção daAssociação constituída pela CACIAL, Frutalgoz e Frutas Tereso.
Nesta fase, o objetivo principal da Associação é a promoção, divulgação e valorização dos citrinos do Algarve, fundamentalmente virada para o exterior. E apesar de a expectativa ser a melhor também não há ilusão de que venha a ser um trabalho fácil, “uma vez que na história do setor citrícola do Algarve os seus intervenientes têm trabalhado de forma muito individualizada”. Acredita-se que agora estejam reunidas as condições para criar uma dinâmica de união de esforços. “Já se faz exportação mas o sentimento é que há condições para fazer muito mais. Se há empresas que já fazem esse trabalho individualmente, em conjunto será muito mais fácil”, assegura o presidente, ao mesmo tempo que assume também a qualidade dos citrinos do Algarve como um dado consensual. Ora, se têm características que podem diferenciar-se é isso que a AlgarOrange quer dar a conhecer “até porque enquanto região produtora não tem possibilidade de competir com outros produtores em termos de quantidade, nomeadamente Espanha, sendo a localização periférica um fator que imediatamente encarece o transporte do produto. Logo, resta-lhe batalhar pela qualidade e centrado em mercados específicos, pela diferenciação e valorizando a IGP que já existe”.
Olhando mais para a produção José Oliveira diz ser notório que tem havido investimento e algum apoio à instalação. Mas, da experiência que tem, a atual campanha não começou bem, desde logo porque iniciou-se mais tarde do que o habitual, devido às condições climáticas (falta de chuva, falta de frio …) e a primeira fruta que foi para o mercado não estaria ainda nas condições ideais de consumo, levando a um refreamento da compra. A comercialização da fruta no ponto ideal atrasou-se e agora (meados de janeiro) há muita fruta para comercializar sem que o mercado reaja positivamente.

Publicado na Voz do Campo n.º 223 (fevereiro 2019)

O artigo foi publicado originalmente em Voz do Campo.

Comente este artigo
Anterior Ideias eco-inovadoras? Há um concurso que as premeia
Próximo Em Silves há espaço e vontade para crescer num setor histórico para o município

Artigos relacionados

Sugeridas
Últimas

Agricultores dizem que se não chover vai falta água no Mondego no verão

A Confederação de Agricultores de Portugal (CAP) avisou hoje que, se não chover, vai faltar água no Mondego no verão para a agricultura, […]

Internacional

CAP increases ambition of Member States on the protection of biodiversity, and raises awareness on water issues

Common agricultural policy (CAP) instruments and measures, particularly under rural development, contribute to a higher level of ambition in terms of biodiversity at national level. […]