Alemanha encomenda três milhões de euros de canábis à Tilray Portugal

Alemanha encomenda três milhões de euros de canábis à Tilray Portugal

[Fonte: JN] A Tilray Portugal anunciou, esta quarta-feira, uma encomenda de canábis medicinal, no valor de três milhões de euros, de uma empresa alemã. Os produtos vão ser exportados no outono.

A empresa, que inaugurou este ano a sua fábrica de produção de canábis medicinal em Cantanhede, no distrito de Coimbra, e arrendou recentemente 20 hectares de terras para produção em Reguengos de Monsaraz (Évora), assinou um contrato de fornecimento inicial de 3,3 milhões de dólares (cerca de três milhões de euros) com a Cannamedical Pharma para aumentar a distribuição de produtos de canábis medicinal para pacientes alemães.

A operação de exportação deve ser realizada no outono, sendo a “primeira do género que a Tilray irá realizar do seu campus em Portugal para o fornecimento de pacientes na Alemanha”, explica a empresa.

Comente este artigo
Anterior Feira de Agosto em Grândola destaca produção de arroz e azeite - 26 de agosto
Próximo “Temos de viver com a água que temos” enquanto não é reforçada a ligação da Vigia ao Alqueva, diz Ministro da Agricultura (c/som)

Artigos relacionados

Nacional

Exposição Internacional: “SITEVI” – 26 a 28 de novembro – Montpellier, França

[Fonte: Voz do Campo]
A Feira “SITEVI” Exposição Internacional de Equipamentos e Especialização para Profissionais de Vinho da Vinha, Azeitona e Frutas e Vegetais ocorre em Montpellier, França.
Os principais setores expositivos da feira SITEVI são: Enologia, viticultura, […]

Últimas

VIII Jornadas de Alimentação Animal

[Fonte: Voz do Campo]
No ano em que a IACA celebra o seu 50º Aniversário, a SPMA comemora os 25 anos de existência, pelo que as VIII Jornadas de Alimentação Animal, que já são um evento de referência no mercado em Portugal, […]

Nacional

Governo rejeitou projetos de proteção florestal por falta de verbas

Duas operações específicas de defesa da floresta que foram feitas no âmbito do PDR 2020 foram rejeitadas devido à falta de verbas.

Vários projetos de proteção florestal viram as suas candidaturas a fundos comunitários rejeitadas devido à falta de verbas para tal. Em causa estão candidaturas relativas a duas operações específicas de defesa da floresta que foram feitas no âmbito do PDR 2020. […]