Agricultura e ambiente, que futuro? – José Palha

Agricultura e ambiente, que futuro? – José Palha

Hoje, vivemos uma situação para a qual ninguém estava preparado, nem sequer se punha a hipótese de algo semelhante acontecer, vivíamos as nossas vidas mais ou menos tranquilamente, as nossas rotinas, e dávamos quase tudo por garantido.

Vem um vírus da China, e tudo muda, a forma como nos relacionamos, o teletrabalho, o afastamento social, o confinamento, a quarentena, enfim…, a nossa vida mudou, e mudou para sempre!

Nada será como antes, a economia vai levar muito tempo a voltar aos níveis que tínhamos, e com ela tudo sofre.

A agricultura não é excepção, apesar do açambarcamento a que todos assistimos no inicio da pandemia, em que os supermercados tinham dificuldades em repor os produtos, isso agora já não se verifica, as vendas no retalho caíram para 50%, em quase todos os produtos, as pessoas em casa consomem de maneira diferente, e isso colocou mais um desafio á agricultura e aos produtores. Temos assistido um pouco por todo o país, organizações de produtores, e produtores individuais a entregar os produtos em casa, a Srª Ministra e o ministério conceberam uma campanha para o consumo de produto Português, enfim na medida do possível, quase todos os sectores se estão a esforçar para minimizar o impacto negativo do Covid 19.

E como será o futuro?

Numa altura em que se discutia a nova PAC, com uma nova comissão Europeia, com uma Presidente que se apresentou e apresentou o seu mandato como “verde”, o “European Green Deal” e mais recentemente a estratégia “farm to fork” e agora? Tudo vai acontecer como previsto? As questões ambientais a sobreporem-se a tudo o resto? Á economia rural, á soberania alimentar? Os ambientalistas com enorme poder (muitas vezes pela utopia e demagogia) a direcionarem as políticas? As questões científicas a serem colocadas de lado, defendendo antes o “princípio da precaução”?

Não sabemos, mas sabemos que esta crise, vai obrigar a mudar a perspectiva da sociedade, vai valorizar a agricultura e os agricultores (#agriculturanaopara), vai fazer com que os ambientalistas mudem o discurso, afinal as vacas são as mesmas, e a poluição baixou brutalmente!

Esta é sem dúvida uma oportunidade para, quando as coisas voltarem ao normal, quando a questão sanitária esteja resolvida, e quando possamos voltar às nossas rotinas, valorizar a nossa posição na sociedade, valorizar a nossa produção, a nossa qualidade, a nossa eficiência e a nossa sustentabilidade. Os maiores ambientalistas são os agricultores, e temos de ser capazes de passar essa mensagem, toda a agricultura Nacional, dos pequenos frutos ao azeite, do vinho aos cereais, da carne ao leite …, temos um caminho difícil a percorrer, mas temos todos de o fazer, juntos!

O nosso sector está habituado a desafios, este é só mais um!

Não baixemos os braços nem desanimemos, melhores dias virão, e nós continuaremos cá! Para colocar diariamente comida na mesa dos Portugueses, com a máxima qualidade e o menor impacto ambiental!

José Palha

Presidente da direção da ANPOC – Associação Nacional de Produtores de Proteaginosas, Oleaginosas e Cereais

Subscreva as nossas newsletters aqui.

Comente este artigo
Anterior Precios a la baja en los animales cebados del porcino de capa blanca
Próximo Luis Planas: “Los hechos han demostrado que el sector agrario estaba legitimado en sus protestas”

Artigos relacionados

Nacional

Arcebispo de Évora receia “dimensão catastrófica do interior”

O arcebispo de Évora pediu esta quarta-feira um “tratamento específico positivo” para o interior que não quer ser “considerado como um peso, […]

Últimas

Ministra da Agricultura em entrevista: Redução do efectivo bovino pode não acontecer. “Vamos estudar essa possibilidade”

O jornalista fundador do site agriculturaemar.com, Carlos Caldeira, entrevistou a nova ministra da Agricultura, Maria do Céu Albuquerque, para o Jornal Económico. […]

Últimas

Grandes reacendimentos no incêndio em Vila de Rei. Situação complicou-se na última hora

Três grandes reacendimentos estão nesta altura a preocupar os bombeiros que combatem os incêndios de Sertã, Vila de Rei e Mação, […]