Agricultores querem garantia de combustíveis para a época alta das colheitas

Agricultores querem garantia de combustíveis para a época alta das colheitas

A Confederação dos Agricultores de Portugal quer que o Governo reveja a lista de postos de abastecimento prioritários, pois “não pode haver portugueses de primeira e de segunda, urbanos e rurais. Todos contam”

Os agricultores apelam ao Governo para que reveja a Rede de Emergência de Postos de Abastecimento, “por forma a acautelar que a atividade agrícola seja salvaguardada e que o trabalho de meses de dezenas de milhares de pessoas não seja simplesmente destruído porque não existe combustível para as máquinas poderem operar”.

Em comunicado divulgado esta segunda-feira, a CAP – Confederação dos Agricultores de Portugal, apela ao Governo para que atue de forma determinada no que à greve dos motoristas de matérias perigosas diz respeito, por forma a assegurar a normalidade operacional do setor agrícola.

É que, a greve anunciada para 12 de agosto, coincide com um período agrícola particularmente intenso, em plena época de colheitas, como a pera-rocha, o tomate para a indústria, pimento, milho, batata, uva, entre outras, de vital importância para milhares de agricultores e suas organizações em todo o país, o que pode comprometer, segundo a CAP, as exportações e a viabilidade de todo um ano de trabalho. Aquela confederação sublinha ainda que “as colheitas não esperam, simplesmente perdem-se”.

Na análise que a CAP fez à Rede de Emergência de Postos de Abastecimento divulgada pela Entidade Nacional para o Setor Energético fica claro, segundo o organismo que representa os agricultores, que se “atenta apenas à realidade demográfica, ignorando por completo a realidade económica e agrícola do País. Nos distritos onde a Agricultura tem um peso preponderante está estipulado um número muito reduzido de postos de abastecimento que não serão suficientes para que os agricultores possam operar as suas máquinas, os seus tratores e as suas alfaias agrícolas, fazerem as suas colheitas ou escoarem os seus produtos”.

A CAP sublinha ainda que não pode haver portugueses de primeira ou de segunda, portugueses da cidade ou portugueses do campo, portugueses urbanos ou portugueses rurais. “Todos são importantes, todos contam. Os agricultores apelam ao Governo para que reveja a Rede de Emergência de Postos de Abastecimento, por forma a acautelar que a atividade agrícola seja salvaguardada e que o trabalho de meses de dezenas de milhares de pessoas não seja simplesmente destruído porque não existe combustível para as máquinas poderem operar. Será a ruina de parte significativa do sector e a falência de centenas de agricultores”.

FOTO BARTEK SADOWSKI/BLOOMBERG VIA GETTY IMAGES

Continue a ler este artigo no Expresso.

Comente este artigo
Anterior Oferta de emprego - Project Officer: Comunicação e Ciência do Consumidor - Vila Real
Próximo Oferta de emprego - Engenheiro Agrónomo / Agrícola - Especialista em Fisiologia Vegetal

Artigos relacionados

Últimas

Fruticultores das Caldas preparam-se para apanha da fruta com “rigorosas medidas sanitárias”

A Protecção Civil Municipal das Caldas da Rainha, a Autoridade de Saúde local e Juntas de Freguesia vão realizar seis acções de sensibilização em […]

Notícias inovação

Webinar: Recursos Genéticos Vegetais para a Segurança Alimentar – 23 de setembro

Realiza-se no dia 23 de setembro, às 16:00, mais uma série de diálogos ao vivo sobre horticultura promovida pelo International Society for Horticultural Science (ISHS) […]

Nacional

Juventude Popular defende aposta no Mundo Rural

“A defesa do Mundo Rural e a sua importância estratégica na sustentabilidade económica e social do nosso território” foi defendida pelo Presidente da Juventude Popular (JP), […]