Agricultores do Mondego exigem conclusão da obra hidroagrícola em cinco anos

Agricultores do Mondego exigem conclusão da obra hidroagrícola em cinco anos

A Associação Distrital dos Agricultores de Coimbra (Adaco) exigiu, hoje, a conclusão no prazo de cinco anos da obra hidroagrícola do Baixo Mondego, que envolve uma área de 4 000 hectares e cerca de 2 000 agricultores.

A Adaco argumenta que “as instâncias do Governo fazem promessas que não cumprem e ao fim de 30 anos o emparcelamento agrícola no Baixo Mondego continua a marcar passo”.

A associação liderada por Isménio Oliveira considera que os investimentos de cerca de 12 milhões de euros – o projecto ‘Mondego Mais Seguro’ – anunciados pela Agência Portuguesa do Ambiente (APA), para obras de intervenção e regularização no Baixo Mondego na sequência das cheias de 2019, “são paliativos que não resolvem os problemas de fundo”.

“Estes apoios são manifestamente insuficientes para as necessidades dos agricultores e da região. Para além desta intervenção, é urgentíssimo avançar com o emparcelamento agrícola onde ainda não foi realizado, e que envolve uma área de mais de 4. 000 hectares e cerca de 2 000 agricultores”, assinala Isménio Oliveira.

A área onde o emparcelamento e a obra hidroagrícola continuam por fazer situa-se nos vales dos afluentes da margem esquerda do Mondego – rios Arunca, Ega e Pranto – mas também na margem direita, numa zona de 173 hectares, nos campos de São Facundo e Vale de Ançã, entre Montemor-o-Velho e Coimbra.

“Desde há mais de 30 anos que os agricultores desta região travam uma justíssima luta pela conclusão da obra hidroagrícola com vista à implementação do emparcelamento agrícola. Esta área de 173 hectares, designada de bloco 17-A, como obra a emparcelar pelo ministério da Agricultura, tem tido adiamentos consecutivos por parte dos sucessivos Governos, o que muito tem prejudicado os agricultores e a agricultura desta zona”, lamenta a Adaco.

“É o único bloco de emparcelamento agrícola entre Coimbra e Montemor-o-Velho que ficou para trás. E, pelo que vemos, até 2023 não há nada programado, e, possivelmente, nem nos anos seguintes”, adianta.

A associação agrícola diz ainda já ter solicitado “por duas vezes em 2020” um pedido de audiência à delegação regional da APA “para esclarecimento do assunto”, sem que tenha obtido até ao momento “qualquer resposta” à solicitação de reunião.

O artigo foi publicado originalmente em Campeão das Províncias.

Comente este artigo
Anterior Regadio da Camba reabilitado garante água já no Verão em Alfândega da Fé
Próximo Santo Tirso. Declarações de António Costa motivam demissão do líder da Direção Geral de Alimentação e Veterinária

Artigos relacionados

Dossiers

Cooperação transfronteiriça fomenta partilha de conhecimento sobre fogos e origina novas infra-estruturas

O Centro Ibérico de Investigação e Combate aos Incêndios Rurais, fundado em 2018, tem como objectivos primários a normalização de procedimentos e a partilha de conhecimentos. Com um […]

Sugeridas

ADP fertilizantes participa em dia de campo em Coimbra

No dia 11 de setembro, a ADP Fertilizantes voltou a participar nos campos demonstrativos de milho grão em parceria com a Lusiterra, […]

Últimas

Coronavírus acelera aposta no digital no setor dos vinhos

Como forma de responder aos desafios da pandemia de COVID-19, o setor dos vinhos tem vindo a desenvolver novas ideias e a apostar nos meios digitais para manter a comunicação ativa e se poder adaptar a esta nova realidade. […]