Agricultores concordam com limites na divisão de terras nas heranças

Agricultores concordam com limites na divisão de terras nas heranças

[Fonte: Rádio Renascença]

A Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP) considera que o Governo tomou uma boa decisão ao limitar a divisão de terras nas heranças.

Para Eduardo Oliveira e Sousa, presidente da CAP, este é o caminho, apesar de admitir que, no início, possa existir alguma a apreensão dos proprietários. “Se for feito com pés e cabeça creio que será um bom instrumento para voltar a introduzir viabilidade económica na exploração dos terrenos agrícolas e florestais”, diz, em entrevista à Renascença.

O presidente da CAP explica que as pessoas não serão prejudicadas, mas ficam condicionadas ao “direito de, ao dividirem o seu património, não criarem um problema que pode acarretar prejuízos para a região ou para a sociedade”.

Com a introdução da unidade mínima de cultura que limita a partilha de terras, que não pode ser inferior a quatro hectares no norte do país e 11 hectares no Alentejo, o Governo quer evitar a todo o custo, o fracionamento da terra, disse o secretário de Estado das Florestas, em entrevista à Renascença e ao Público.

“Temos que evitar a todo o custo o fraccionamento das terras. Não deve haver terras de ninguém em Portugal”

Eduardo Oliveira e Sousa pede que os proprietários olhem para a medida como “algo que pode aumentar o valor do seu património e do seu rendimento”. “As pessoas têm direito a ter o seu pedaço de terra, mas têm perceber que ele não é um bibelô que se tem no armário, é um pedaço do território que tem uma função social e económica”, acrescenta.

Apesar de se manter o direito do proprietário, a Confederação dos Agricultores defende que tem de haver medidas de compensação para os restantes herdeiros, para que nenhum fique prejudicado. O presidente da CAP dá alguns exemplos: “o património poderá não poder ser dividido, mas continuar a ser dos herdeiros e haver, entre os herdeiros, um que assume a gestão. Ou a gestão ser feita por uma entidade estranha, por contrato ou por arrendamento. Em último caso há a figura das tornas, há um que herda e os outros terão que ser ressarcidos por valor semelhante, por forma a não ficarem prejudicados”.

Comente este artigo

O artigo Agricultores concordam com limites na divisão de terras nas heranças foi publicado originalmente em Rádio Renascença

Anterior Des centaines de fleurs sauvages menacées de disparaître en France
Próximo Governo e CAP concordam com limites na divisão de terras nas heranças

About author

Artigos relacionados

Comunicados

 PAC 2020: En tiempos de creciente incertidumbre y cambio climático, es imprescindible un cambio profundo de la Política Agrícola Común

Ante la reunión esta semana del Consejo de Ministros de la UE, donde la Comisión Europea presentará su comunicación sobre la reforma de la Política Agrícola Común (PAC) para 2020, ECVC recuerda que las soluciones planteadas en dicho documento continúan esquivando la raíz de la crisis . […]

Nacional

Incêndio quase dominado em Barcelos

[Fonte: Rádio Renascença]

O incêndio que lavra nos lugares de Tamel e Vilar do Monte, no concelho de Barcelos, está 80% dominado, avança a Proteção Civil à Renascença. Há apenas uma frente ativa.
No combate às chamas estão 115 bombeiros, apoiados por 36 viaturas. […]

Nacional

III Congresso Portugal Fresh – 28 Novembro 2017 – Lisboa

Em Fevereiro de 2015, quando Portugal foi o país parceiro da maior feira de frutas e legumes do Mundo, a Fruit Logistica em Berlim, a Portugal Fresh assumiu publicamente o compromisso de atingir 2.000 milhões de euros de exportações no setor hortofrutícola em 2020.
Importa recordar que partimos de 780 milhões de euros de exportações em 2010, […]