Adoção de novas tecnologias pela comunidade agrícola – Bryan Ogden

Adoção de novas tecnologias pela comunidade agrícola – Bryan Ogden

Na Austrália, os agricultores chamam-nos de “shiney backsides” porque andamos sentados em cadeiras todos os dias. O que é que nós “sentadores de cadeiras” temos para vos dizer? Se uma prática agrícola funciona, se funcionou para o seu pai e para o seu avô, então porque é que nos deviam dar ouvidos?

A verdade é esta e há séculos que continua a ser assim. Até hoje. Hoje, é como se todos os séculos se tivessem condensado e fossem projetados como uma bola. Hoje, a agricultura está pressionada para se projetar para o futuro. As vossas explorações e as dos vossos vizinhos foram puxadas para este futuro e agora parece que todos têm, entre vós, apenas um trabalho. Isto deve-se a um aumento dos métodos de produção, à consolidação agrícola e à internacionalização do mercado. Os vossos antepassados não tiveram de lidar com este “futuro” tanto quanto vocês.

Em Portugal, só no ano passado os custos diários de explorações suínas tornaram-se insuportáveis. A maioria das pessoas diz que isto deve-se a um drama político complexo. O embargo russo contra os produtos da União Europeia foi a resposta às sanções da UE resultantes da situação entre a Rússia e a Ucrânia.

O que é que esta complexa situação política tem a ver com os suinicultores portugueses? Porquê é que vocês estão a ser o alvo? Como é que eles podem fazer isto convosco? Porquê é que ninguém vos ajuda? Os vossos avós não tiveram este problema.

Precisamos de subsídios – poderão vocês dizer. “Se a UE causou este problema, então precisa de nos ajudar!” E vocês têm razão. O subsídio direto pode ajudar. Mas vocês estão a sofrer agora e precisam que vos ajudem agora.

E aqui está o segredo. Já foram facultados milhões de euros em investigação para inovações que vos facilitariam a vida. Muitos cientistas já examinaram e testaram novas práticas para potenciar a rentabilidade e, consequentemente aumentar os rendimentos. No entanto, o investimento acabou por ser em vocês, os produtores.

Esta investigação é como um lindo porco grande e gordo. E ninguém consegue levar este porco ao mercado a não ser o produtor.

Gastar mais dinheiro numa nova máquina quando o produtor já tem demasiados pagamentos não faz muito sentido. Então, vamos fazer um acordo justo.

Exija que, se você for o primeiro a tentar algo novo, seja fácil para si. Exija que se use o dinheiro que você já está gastando para pagar novos equipamentos. Exija que o dinheiro vá além e reduza os seus pagamentos totais. Exija aumentar o dinheiro que tem poupado.

Um amigo meu português, Miguel Matos da Farmcloud, que apoia agricultores na adoção de novas tecnologias refere: “A tecnologia abre novas oportunidades na gestão de qualquer exploração agropecuária, através da monitorização em tempo-real. A questão prende-se com uma gestão mais eficiente do trabalho, do ambiente, na saúde e da nutrição. Esta questão leva a uma melhoria do bem-estar animal, à redução da taxa de mortalidade e ao aumento da produtividade global. Os nossos resultados geram uma melhoria da taxa de conversão entre quantidade de ração consumida (em quilograma) e a quantidade de proteína produzida (também em quilograma).”

As típicas explorações pecuárias em Portugal, trazem o desafio do uso racional e sustentado do solo. São normalmente pequenas explorações, em que o solo deve ser potenciado ao máximo para o cultivo de alimento. A utilização de processos de lagunagem para o tratamento das águas residuais, é de utilização extensiva do território. São necessárias grandes áreas de lagoas para otimizar os processos de tratamento. Assim, no que ao uso do solo diz respeito, a utilização de lagoas torna-se muito pouco eficiente. Para disso, a eficiência de tratamento num processo de lagunagem é muito dependente de fatores externos, tais como fatores climáticos e estabilidade das características físico-químicas das águas residuais.

A utilização de tecnologias mais compactas tal como os bioreatores trazem inúmeras vantagens relativamente a processos lagunares. As reações são mais controladas, podendo potenciar o fator volume/eficiência, e desta forma reduzir significativamente área de solo utilizada. Para além disso, são mais resistentes a variações das características físico-químicas das águas residuais, apresentando uma elevada capacidade de absorção de picos de contaminação, bem como se bem dimensionadas são capazes de manter constantemente uma elevada eficiência na sua capacidade de tratamento (acima dos 95%).

Vamos fazer da adoção precoce de novas competências e tecnologia uma parte duradoura da agricultura tradicional. Apenas comece a usar novas tecnologias ou um serviço que esteja em linha com este pensamento. A política compensa muito para a sua linha de fundo, especialmente se você for um dos primeiros a experimentar. Essa é a ajuda que você pode obter agora.

Por vezes, as mudanças que trazem mais benefícios não necessitam de custar mais. O meu parceiro de negócio que é biólogo sugere uma mudança pequena na forma como o estrume é armazenado, requerendo apenas umas placas cortadas de uma dada forma e uma pequena laje. Esta pequena alteração poderá literalmente economizar milhões comparando com lagoas que não têm este processo.

Esta é a ajuda que você poderá ter neste momento.

 

Bryan Ogden

MA, MS, MSc Wastewaterscience.com

 

A Tecnologia ao serviço da Agricultura – André Rodrigues

Comente este artigo
Anterior Una oferta más corta provoca nuevas subidas en porcino de capa blanca
Próximo SIAL Paris, 2018

Artigos relacionados

Opinião

Uma Politica Alimentar Comum no menu da próxima PAC? Porquê? – Alfredo Cunhal Sendim

Uma Politica Alimentar Comum no menu da próxima PAC? Porquê?
1.Agroecologia
Acho que foi a Agricultura que me levou a gostar tanto da frase “somos mais independentes na medida em que percebemos e reconhecemos a nossa dependência”. A propósito, parece-me que a designação/conceito de “Produção” Agropecuária é distorcido porque na verdade nós produzimos aqui pouco ou nada, […]

Opinião

“Carta” e “Estatuto” da Agricultura Familiar Portuguesa – João Dinis

Na actualidade, há um debate já alargado acerca do que (ainda) é Agricultura Familiar e da sua importância, bem como dos “Direitos dos Camponeses”, neste caso no âmbito da própria ONU.
Ao longo das últimas décadas, é incontestável, muita da terra agrícola deixou de cumprir a sua função social de alimentar as Populações e foi apropriada, […]

Opinião

Reforma da PAC – Pós 2020 – João Dinis

Uma nova-velha «estória» afinal cheia de velhas «estórias»…
Desde que nos recordamos – a partir de 1991/92 – já ocorreram para aí umas sete ou oito Reformas da PAC…  Pois, no início do debate institucional, e ultimamente também debate «público»,  sempre a Comissão Europeia (CE)  veio com uma «conversa» prévia, […]