Açores defendem manutenção do valor da taxa da disciplina financeira dos pagamentos directos do POSEI

Açores defendem manutenção do valor da taxa da disciplina financeira dos pagamentos directos do POSEI

O secretário Regional da Agricultura e Florestas afirmou que o Governo dos Açores defende a manutenção, este ano, do valor da taxa da disciplina financeira dos pagamentos directos do POSEI aplicado em 2019, que reverte para a constituição de uma reserva de crise agrícola, por considerar que o aumento proposto pela Comissão Europeia é elevado e lesivo dos interesses dos agricultores dos Açores.

“De acordo com a proposta apresentada pela Comissão Europeia, todos os agricultores beneficiários do POSEI, com pagamentos de ajudas superiores a 2.000 euros, verão ser aplicada uma retenção de 4,23% sobre os seus pagamentos directos”, referiu João Ponte, acrescentando que em 2019 a taxa aplicada foi de 1,4%.

O Governo dos Açores já manifestou a sua posição sobre esta matéria ao Governo da República, considerando que o valor da taxa proposto irá reduzir a liquidez das explorações agrícolas açorianas, atendendo à fase de pandemia que atravessamos, tendo proposto que a taxa seja mantida para as Regiões Ultra-periféricas.

Proposta da Comissão Europeia é “desproporcional e incompreensível”

João Ponte considerou que a proposta da Comissão Europeia é “desproporcional e incompreensível”, tanto mais que os fundamentos utilizados para este aumento não se consubstanciam na pandemia que estamos a viver, mas sim na constituição de uma reserva de crise, que poderá ser utilizada para fazer face a uma possível sub-orçamentação do futuro quadro financeiro e pelo facto da não contribuição do Reino Unido.

Desde a reforma da Política Agrícola Comum (PAC) de 2013 tem sido deduzido anualmente um montante aos pagamentos directos, no sentido de constituir uma reserva de crise no sector agrícola que afecte a produção ou a distribuição.

No caso de não ser utilizada até ao final do ano, o dinheiro é devolvido aos agricultores pelos Estados-Membros.

João Ponte salientou, como exemplo, que, em Setembro de 2019, foram devolvidos aos agricultores açorianos, através do Instituto de Financiamento da Agricultura e Pescas (IFAP), cerca 800 mil euros de verbas não utilizadas pelo fundo de reserva para crises no sector agrícola nesse ano.

Agricultura e Mar Actual

O artigo foi publicado originalmente em Agricultura e Mar.

Comente este artigo
Anterior Cotações – Suínos – Informação Semanal – 18 a 24 Maio 2020
Próximo As propostas do Governo para a Agricultura serão as que o País precisam? - 27 de maio

Artigos relacionados

Últimas

UE atribui 3,5 M€ a projeto que quer reduzir o impacto da utilização de pesticidas

A União Europeia atribuiu cerca de 3,5 milhões de euros a um consórcio de cientistas, empresários, produtores e associações de agricultores de seis países – […]

Últimas

Cotações – Suínos – Informação Semanal – 5 a 11 Outubro 2020

Na semana em análise as cotações médias nacionais do porco classe E, do porco classe S e dos leitões de 19-25 kg, mantiveram-se estáveis em relação à semana anterior; ligeiro acréscimo dos […]

Últimas

Infeções por helmintes custam cerca de 25 milhões de euros por ano em Portugal

Os custos das infeções por helmintes, em Portugal, foram estimados em cerca de 25 milhões de euros por ano, com as maiores perdas a serem registadas nos caprinos e bovinos de leite. […]