A influência da Qualidade da Pulverização numa eficaz Protecção das Culturas. – António Cannas

A influência da Qualidade da Pulverização numa eficaz Protecção das Culturas. – António Cannas

Nas últimas décadas, muito se tem evoluído nas aplicações de produtos fitofarmacêuticos e muitos têm sido os meios colocados ao serviço da lavoura no sentido de se fazerem aplicações com melhor eficácia e menor impacto para o meio ambiente.

Destaque para moléculas cada vez mais “vectoriais” quanto aos alvos de destino e em muitos dos casos sem quaisquer danos sobre flora ou fauna estranha ao tratamento, equipamentos mais evoluídos com bicos de pulverização cada vez mais adequados ao fim a que se destinam e auxiliares da pulverização designados por adjuvantes.

Numa aplicação existem, em maior ou menor proporção, perdas que se podem classificar da seguinte forma:

1.Perdas entre o bico de pulverização e o alvo:
a.Deriva;
b.Evaporação.

2.Perdas devidas a uma má retenção sobre o alvo:
a.Salpico originado pelo impacto da gota com o alvo;
b.Escorrimento provocado pelo excessivo tamanho da gota ou volume de calda excessivo;
c.Lixiviação provocada pela acção mecânica da chuva ou da rega por aspersão.

3.Perdas devidas a uma má penetração da substância activa:
a.Propriedades físicas da superfície do limbo e da cutícula cerosa existente sobre o mesmo;
b.Condições atmosféricas verificadas no momento da aplicação (temperatura e humidade).

4.Perdas devidas a uma má translocação:
a.Incapacidade da molécula de substância activa se translocar uma vez no interior da folha.

Quais os factores aos quais devemos dar atenção no momento de fazermos uma aplicação?

Molhabilidade: molhar, significa expandir em maior ou menor medida a gota que impacta no alvo, por efeito tensioactivo;

Aderência: é importante que a gota que impacta o alvo se mantenha sobre o mesmo sem escorrimento;

Salpicos: a inércia com que a gota é projectada sobre o alvo leva à necessidade de absorver o impacto da mesma impedindo que se produzam salpicos e perda de calda para o solo;

Resistência à lavagem: para que se mantenha eficaz sobre o alvo, a calda deve resistir à lavagem mesmo após quedas de precipitação ou regas por aspersão;

Acidez da calda: devido à hidrólise alcalina, muitas matérias activas acabam por perder eficácia. É importante acidificar a calda sobretudo quando em presença de águas que tenham reacção alcalina;

Deriva: a deriva está associada a condições meteorológicas desfavoráveis, mas também à existência de gotas de calibre muito fino (inferior a 100 microns);

Escorrimento: o escorrimento está associado à formação de gotas com diâmetro muito elevado (superior a 400 microns).

Que factores devemos ter em conta quando pretendemos efectuar um tratamento?

1. Estado do equipamento: devemos certificar-nos de que o manómetro e o regulador de pressão se encontram em bom estado de funcionamento bem como as pontas de pulverização, sem entupimentos nem desgaste.

2. Condições meteorológicas: não se devem efectuar tratamentos em dias de vento, sendo este um factor de muito peso na ocorrência de deriva. Por outro lado, é importante assegurar que a humidade atmosférica não é demasiado baixa nem a temperatura demasiado alta.

3. Fitofármaco: finalidade a que se destina, homologação e dose recomendada.

4. Volume de calda: independentemente da cultura a que se destina, o sucesso de uma aplicação não está associado a um determinado volume de calda a aplicar, mas sim a um determinado número de impactos que varia de acordo com o tipo de tratamento a efectuar.

5. Tamanho da gota: as gotas verdadeiramente eficazes numa aplicação têm um diâmetro que se situa entre os 100 e os 400 microns. Abaixo ou acima destes valores, as perdas por deriva/evaporação e por escorrimento comprometem o resultado da aplicação.

6. Tipo de formulação: a própria natureza do fitofármaco a utilizar influencia o tamanho das gotas à saída da ponta de pulverização. Assim sendo, as formulações solúveis em água originam gotas mais finas que as formulações solúveis em óleo.

7. Bicos ajustados à aplicação: desenvolvidos para aplicação de herbicidas ou para tratamentos com fungicidas e insecticidas em fruteiras, olival e vinha.

É importante que no momento da aplicação, seja feita uma avaliação dos diversos factores que podem condicionar a mesma, sejam eles meteorológicos, mecânicos, biológicos ou químicos e intervir pelos mais diversos meios de forma a limitar as perdas no processo. Para uma aplicação eficaz, temos muitas vezes de intervir no processo eliminando ao máximo os factores que condicionam o êxito de uma aplicação e para tal, existem no mercado adjuvantes com diversas funcionalidades que, sem alterar a eficácia do produto, auxiliam no controle desses mesmos factores limitantes, reduzindo a deriva, acidificando a água que serve de base à composição da calda, melhorando a aderência sobre o alvo, limitando o escorrimento, expandindo a gota e impedindo a lixiviação da calda depositada por acção mecânica da chuva ou de regas por aspersão.

António Cannas

Chefe Produto Qualidade da Pulverização – Desenvolvimento Lusosem, S.A.

Comente este artigo
Anterior Nuno Melo: “Nenhum voto no CDS validará um Governo de Costa”
Próximo Marques Mendes antecipa mini remodelação no Governo. Pedro Nuno Santos e Nelson de Souza sobem a ministro

Artigos relacionados

Opinião

Apoio aos Pequenos Investimentos na Exploração Agrícola no PDR 2020. Novos condicionantes – António Bonito

O setor primário, desde há alguns anos a esta parte, que tem vindo a ter um destaque no panorama da economia nacional, nomeadamente devido ao aumento das exportações, bem como do contrariar dos índices de desemprego quando em comparação com outros setores económicos. Resultado de um enorme esforço que os agricultores têm feito ao nível do investimento produtivo. […]

Opinião

O ano agrícola vai terminar!…..Porque não fazer contas? – Mário Antunes

Por norma, por tradição ou resultado dos ciclos culturais, os “anos agrícolas” terminam normalmente a partir de Setembro de cada ano civil.
Este é o momento em que muitas culturas vão terminar o seu ciclo e se inicia a preparação de uma nova campanha.
Porque não fazer, […]

Opinião

Será que a floresta portuguesa precisa de reforma? – António Gonçalves Ferreira

Devíamos primeiro tentar saber o que é preciso para que a floresta portuguesa se torne mais forte, e sobre isso há muitas vozes concordantes:

Melhorar a defesa da floresta, à escala da paisagem e não à escala da unidade de exploração. As ZIF (Zonas de Intervenção Florestal) são o exemplo óptimo deste tipo de acção, […]