A importância do boro e do zinco no amendoal

A importância do boro e do zinco no amendoal

[Fonte: Voz do Campo]

Introdução
A aplicação de determinados nutrientes no amendoal de forma correcta e equilibrada, melhora a produção quantitativa e qualitativa da amêndoa e além disso confere às plantas uma maior resistência às doenças, pragas e acidentes climáticos.
Entre os diferentes nutrientes, com as funções citadas anteriormente, vamos destacar dois, que têm uma grande influência no desenvolvimento vegetativo e na produção do amendoal, que são o Zinco e especialmente o Boro.
Relativamente ao Zinco, verifica-se que a falta deste, pode causar diminuição da produção e redução dos crescimentos vegetativos, contribuindo nos casos mais graves a desfoliações precoces e à obtenção de frutos mais pequenos.
A carência de Zinco é frequente no amendoal, em especial nos solos com pH muito elevado, onde este elemento está pouco disponível e em solos sujeitos a adubações muito elevadas em fósforo, por antagonismo iónico. A sintomatologia manifesta-se por entrenós mais curtos e folhas pequenas em roseta.
No que se refere ao Boro, a importância deste microelemento é decisivo para a produção do amendoal, cuja falta provoca grandes disturbios nas plantas, desde anomalias florais, má germinação do pólen e fraco crescimento do tubo polínico.
Nos amendoais da Região Norte, a carência de boro observa-se com alguma frequência. Ela tem efeitos muito notórios nos mesmos, como abortos florais e falta de vingamentos.
Assim vamos descrever o papel destes nutrientes para a planta, sintomatologia, causas das carências e tratamento das mesmas.

ZINCO
Quais as funções?
. É um elemento de grande necessidade entre a rebentação
e a floração
. Intervém na síntese da clorofila
. É um micronutriente que falta muitas vezes no solo
e é importante para os jovens amendoais

Quais os sintomas, quando em falta?
A carência de zinco causa desordens hormonais que perturbam o crescimento, e que se fazem sentir principalmente nas Primaveras frias e nos solos com excesso de fósforo; esta manifesta-se com folhas pequenas, alongadas e agrupadas em roseta (fig. 1), entrenós mais curtos (fig.2) e diminuição de produção.

Em que situações podem surgir estas carências?
. Em solos ácidos, arenosos e pobres em zinco
. Em solos de pH elevado
. Em solos ricos em Fósforo
. Nas Primaveras frias

QUADRO 1 – Extracções dos nutrientes pela Amendoeira por kg /ha
de amêndoa de casca (*)

Quais as soluções?
. As aplicações foliares são preferíveis às aplicações ao solo, por se tornarem mais eficazes
. Via foliar: antes da floração, através do sulfato de zinco

Nota 1: como boa medida preventiva aplicar o zinco após a colheita e antes da queda das folhas, ou no Inverno, na dose de 0,2% – 0,4% (conforme a intensidade da desfoliação).

BORO
Quais as funções?
. É indispensável no crescimento vegetativo, na evolução dos botões florais, na floração e no vingamento
. Ele intervém na germinação do pólen e no crescimento do tubo polínico
. É um elemento pouco móvel na planta, cuja carência no amendoal tem efeitos muito negativos na produção

Quando em carência, quais os sintomas?
Nos orgãos vegetativos: folhas mais pequenas do que o normal e dispostas em roseta na base das ramificações; morte de gomos florais do terço superior das lançamentos; ramos pouco revestidos, especialmente nas pontas das árvores (fig. 3); ruptura de tecidos (fig. 4); casca rugosa, com tendência a fendilhar (fig. 5).

Nos orgãos reprodutores: deformação e dessecamento precoce das pétalas, fraca rebentação; mau vingamento dos frutos; exudações de gomose nos frutos (fig. 6).

Em que situações podem surgir estas carências?
. Em solos de pH elevado ou muito ácidos
. Em solos com calcário activo abundante
. Em solos arenosos lixiviados
. Em situações de secura prolongada
. Em solos com baixos teores de matéria orgânica

Quais as soluções?
As aplicações foliares de boro nos seguintes estados vegetativos:

Nota 2: como boa medida preventiva aplicar o boro após a colheita ou sobre a madeira, na dose de 0,5 a 1 kg por 100 litros de água (conforme a intensidade da carência). Esta aplicação no Verão melhora a floração e a frutificação do ano seguinte ( melhoria na germinação do pólen, no crescimento do tubo polínico e na divisão celular).

Valores de referência do Boro e Zinco para interpretação dos resultados da análise foliar:

Bibliografia Consultada
CTIFL, Centre Technique Interprofessionnel de fruits et legumes – Le Amandier, 1997
GUERRA, António Pedro Tavares Guerra – Algumas considerações sobre a Fertilização das culturas arbóreas, D.R.A.E.D.M., 1986
LOUÉ, André – Los Microelementos en agricultura, 1988
TROCME, S. GRAS, R – Suelo y Fertilizacion en Fruticultura, 2ª édition, 1979

António Pedro Tavares Guerra
Engenheiro Técnico Agrário
Licenciado em Engenharia Agro-Pecuária
Formador e Consultor Técnico em Nutrição Vegetal
*Escrito ao abrigo do anterior Acordo Ortográfico

Publicado na Voz do Campo n.º 221 (dezembro 2018)

Comente este artigo

O artigo A importância do boro e do zinco no amendoal foi publicado originalmente em Voz do Campo.

Anterior Castilla y León y ASAJA apuestan por un Plan Estratégico “a la medida” de España para negociar la PAC
Próximo Reino Unido vai eliminar tarifas nas importações para limitar efeitos de um não acordo

Artigos relacionados

Nacional

Particularidades das Vinhas de Altitude em nova edição da VINAL

[Fonte: Voz do Campo]

Raúl Pérez, um dos mais conceituados enólogos do mundo, é o cabeça de cartaz da 3ª edição da VINAL – Vinhas de Altitude, iniciativa que vai decorrer em Gouveia e Vila Nova de Tazem, no sopé da Serra da Estrela, […]

Sugeridas

Governo prevê para este ano 160 milhões de euros para prevenção

[Fonte: Açoriano Oriental]
O ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural disse, esta quinta-feira, no parlamento que estão previstos para este ano 160 milhões de euros para a prevenção dos incêndios florestais.

“Temos um conjunto de metas ambiciosíssimas e o esforço financeiro é enorme. […]

Últimas

Desflorestação e alterações climáticas aumentam riscos de extinção nas zonas tropicais

[Fonte: SAPO 24]

Menos de dois quintos das florestas da América Latina, da Ásia e de África permitem hoje aos animais e plantas escapar aos aumentos de temperatura potencialmente intoleráveis, sublinham investigadores numa publicação na revista Nature Climate Change.
“O desaparecimento de florestas tropicais entre 2000 e 2012 levou à […]