A Fileira do Pinho em 2018

A Fileira do Pinho em 2018

O Centro PINUS acaba de lançar a sua edição digital anual com os principais indicadores da Fileira do Pinho.

Alguns dos destaques desta edição para os indicadores florestais são:

  • Aumento de 34% no número de plantas certificadas e plantação potencial de 1 278 ha na época 2017/2018;
  • Perda de 32% do volume em pé entre 1995 e 2015.

Para os indicadores industriais, esta edição é a primeira que inclui dados do setor da resina, tornando-se assim mais rica e completa a caraterização da Fileira. Outra novidade face a edições anteriores é que ao número de consumidores de madeira de pinho foi adicionada a sua localização geográfica.

0 consumo de madeira de pinho em 2018 foi de 4,2 M m3 s/c, o que representou um aumento de 10% face a 2017.

Tendo em conta os indicadores florestais e industriais, o Centro PINUS estima que o défice anual de madeira representou 58% do consumo de madeira. Este défice de madeira coloca uma grande pressão na componente industrial da Fileira, que assegurou:

  • 55 826 postos de trabalho (+ 3%);
  • 8 437 empresas (- 0,3%)
  • 1133 Milhões euros de VAB (+ 7%)
  • 1830 Milhões euros de exportações (+ 5%)

→ Documento na íntegra ←

Comente este artigo
Anterior Jornadas de Saúde e Bem-Estar Animal - 4 de outubro - Elvas
Próximo Eduardo Oliveira e Sousa “Não sou nem periquito nem tubo de ensaio” para não comer carne de vaca

Artigos relacionados

Eventos

Sessão de divulgação de Medida PDR 2020 – 19 de dezembro – Beja

No seguimento da Abertura de Candidatura da MEDIDA 10 LEADER – 10.2.1.1 Pequenos Investimentos na Exploração Agrícola, o […]

Últimas

UE renova a aprovação da substância activa tolclofos-metilo usada em fungicidas

A Comissão Europeia renovou a aprovação da substância activa tolclofos-metilo, utilizada em fungicidas, mas apenas para as culturas da batata e flores ornamentais. […]

Opinião

Um novo paradigma para a agricultura portuguesa – José Martino

O montante global das ajudas comunitárias para a agricultura vai ser inferior neste Quadro Comunitário de Apoio em relação ao anterior. Não […]