A chegada da Mercadona na Vida Económica – Suplemento Agrovida

A chegada da Mercadona na Vida Económica – Suplemento Agrovida

Editorial Sã concorrência no retalho

A retalhista espanhola Mercadona definiu um plano de internacionalização que prevê a abertura, em 2019, de quatro supermercados no Grande Porto. O primeiro contrato foi assinado esta semana com a Câmara de Gaia, concelho que, com mais de 302 mil habitantes, vai acolher a primeira superfície comercial do grupo.

Foquemo-nos nos números da demografia, dos salários e do retalho em Portugal.

A população caiu para 10.341,3 milhões em 2016, os habitantes com 65 anos ou mais representam um quinto (21%) e as crianças até 14 anos 14%.

O estudo de dezembro de 2009 “Relações Comerciais entre a Grande Distribuição Agroalimentar e os seus Fornecedores” da AdC revela que há nove grupos de grande distribuição Portugal: Aldi, Auchan (insígnias Pão de Açúcar e Jumbo), Carrefour (rede de lojas Dia%/Minipreço), E. Leclerc, El Corte Inglés (lojas El Corte Inglés e Supercor), ITMI ou “Os Mosqueteiros” (insígnias Intermarché e Ecomarché), Jerónimo Martins (insígnias Pingo Doce e Feira Nova e a grossista Recheio), Modelo Continente (insígnias Modelo, Continente e as lojas M24 nalguns postos Galp) e Lidl.

O salário médio líquido em Portugal está em 838 euros/mês e o SMN em 557. Já o poder de compra manteve-se em 2015 nos 76,8% da média da EU (22º lugar). Em termos nominais, o PIB ‘per capita’ em 2015 cresceu 4,2%, por força do crescimento nominal do PIB (3,7%) e da diminuição da população (-0,4%), segundo o INE.

Também segundo o INE, as vendas a retalho em 2016 aumentaram 2,9% (+1,1 pp face a 2015), tendo as dos produtos alimentares subido 4,3%. Ainda assim, as vendas com promoção nos hipermercados passaram de 39,7% no primeiro semestre de 2015 para 44,8% no primeiro semestre de 2016, segundo a APED. E é expectável que a atividade promocional continue a crescer.

Posto isto, há pelo menos três perguntas óbvias: 1 – Sendo a concorrência salutar, estimulante e geradora de transparência e competitividade nos preços, há espaço e capacidade financeira para absorver um novo retalhista em Portugal? 2 – A disputa do mercado por parte da Mercadona vai fazer reduzir margens e baixar o volume de negócios dos restantes operadores? 3 – A crescente concorrência entre operadores fará baixar os preços?

Ficam as perguntas para vossa reflexão.

→Descarregue aqui o suplemento Agrovida de Fevereiro 2017←

 

Comente este artigo
Anterior Especialistas nacionais e espanhóis falam sobre laranjas e citricultura em Silves
Próximo ACRAL apresenta projeto que quer «aumentar a visibilidade internacional do Algarve»

Artigos relacionados

Últimas

InovCluster faz parceria com e-marketplace MercaChefe.pt

INOVCLUSTER e MERCACHEFE estabeleceram uma parceria nos termos da qual a INOVCLUTER passa a ter condições especiais para os seus associados que pretendam […]a

Cotações ES

El mercado del aceite de oliva recupera actividad

Aumenta la actividad en el mercado del aceite de oliva después de varias semanas de escasa operatividad, coincidiendo con la reapertura de buen número de empresas tras el periodo vacacional. […]

Últimas

Cabo Verde prevê falta de chuvas e anuncia medidas de apoio às populações

O Governo cabo-verdiano anunciou hoje um conjunto de medidas para proteger a campanha agrícola, reforçar a resiliência das populações e adaptar o setor aos efeitos das mudanças […]