À boleia da greve estudantil, Governo lança campanha nas escolas sobre a floresta

À boleia da greve estudantil, Governo lança campanha nas escolas sobre a floresta

[Fonte: Público]

O Governo vai promover debates numa centena de escolas, de Norte a Sul do país, para sensibilizar e informar os alunos sobre os assuntos da floresta. A Greve Climática Estudantil, realizada na sexta-feira, deu uma boleia à campanha institucional a favor do ambiente que arrancou nesta terça-feira. “A escola é o sítio onde nós procuramos a provocação, e aquilo que encontrámos aqui [Loulé] foi a provocação”, disse o secretário de Estado das Florestas e Desenvolvimento Rural, Miguel Freitas, perante vários jovens da Escola Secundária de Loulé.

A partir de um filme produzido pelo Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), os estudantes são desafiados a discutir a floresta e os valores que nela residem. Num primeiro momento estarão envolvidas directamente uma centena de escolas, com participação de “embaixadores” do ICNF, mas a ideia é fazer multiplicar os debates pelos restantes 800 estabelecimentos e agrupamentos.

As imagens do vídeo que servirá de base às sessões correm em ritmo acelerado, em sintonia com os “nativos digitais”, os mesmos que saíram para a rua a protestar contra as alterações climáticas, pedindo a descarbonização e exigindo medidas ao Governo. Há quatro protagonistas – um mocho, uma cabra ibérica, um lince e uma águia. Os estudantes são convidados a entrarem num jogo interactivo, onde os animais são associados a qualidades dos humanos: sabedoria, determinação, garra e confiança. No final, em função das respostas, o estudante tanto se pode sentir identificado, com o mocho, com águia ou com outro dos animais.

Na apresentação do projecto esteve, além de Miguel Freitas, o secretário de Estado da Educação, João Costa. O debate teve algumas surpresas. “O Governo não está a fazer o que poderia fazer, acho que ainda há espaço para fazer muito mais coisas e para corrigir erros do passado”, afirmou Pedro de Sá, um estudante que relatou a sua experiência nos fogos do Verão passado. “Na altura, vivia perto da área de Monchique, e ninguém sabia onde estava incêndio – a página online da Protecção Civil não informava”, criticou.

O governante anunciou que serão abertos mais 4200 quilómetros de caminhos na serra, para facilitar o acesso dos meios de combate aos fogos e criar barreiras à progressão das chamas. A iniciativa foi contestada por um estudante do 11.º ano: “Promove-se a desflorestação e estamos a destruir os habitats dos animais, o que vai causar grandes desequilíbrios.”

Matilde Alvim, uma das estudantes que protagoniza, em Portugal, o movimento global de jovens para lutar contra as alterações climáticas, foi a convidada de honra para apresentação deste do filme. “Temos de pôr as mãos na massa”, afirmou a aluna da Escola Secundária de Palmela, pedindo aos colegas de Loulé para que participem nas várias iniciativas que se vão seguir, tendo como bandeira as questões ambientais. “Desenganem-se os que que pensam que os jovens estão adormecidos”, desafiou.

Pedro de Sá elogiou a iniciativa governamental, com sentido crítico. “Acho que é importante para nós nos questionarmos sobre as coisas, e não engolirmos o que nos dizem sem responder”, afirmou aos jornalistas à margem do encontro.

Por fim, Miguel Freitas anunciou que está previsto, para o próximo mês de Maio, em Albergaria-a-Velha, uma “expo-floresta” e um acampamento, constituindo o arranque da grande campanha nacional de vigilância das matas. O secretário de Estado da Educação rematou: “Dizer que queremos proteger a floresta todos dizemos.” O que falta é “participar no debate público informadamente, esse é outro nível de discussão” e é o que se pretende para os jovens.

Comente este artigo

O artigo À boleia da greve estudantil, Governo lança campanha nas escolas sobre a floresta foi publicado originalmente em Público.

Anterior Incêndio florestal faz um morto em Oliveira de Azeméis. PJ investiga
Próximo El Gobierno garantiza los pagos de la PAC sin interrupción aunque se retrase la reforma hasta 2022 ó 2023

Artigos relacionados

Últimas

SEF apanhou 773 patrões a usar imigrantes ilegais nas suas empresas

[Fonte: ECO]

O Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) identificou 773 patrões a usar imigrantes ilegais, […]

Nacional

Incêndios: Mais de 60 militares vão reforçar vigilância em nove distritos a partir de sexta-feira

[Fonte: SAPO 24]

“A subida das temperaturas para os próximos dias leva ao terreno, a partir de amanhã […]

Nacional

Detido bombeiro suspeito de atear fogo em Alfândega da Fé

[Fonte: SAPO 24]

Em comunicado, a PJ diz que, através da Unidade Local de Investigação Criminal de Vila Real, […]