A Amazónia arde e a culpa é nossa

A Amazónia arde e a culpa é nossa

Há climas onde a ocorrência de fogos é natural, mas não é por acaso que chamamos húmidas às florestas tropicais. No seu estado natural, estas florestas raramente ardem. Já tentaram acender a lareira com lenha molhada? Até aqui, não há espaço para discussão nem tentativa de normalização do absurdo. A pergunta que resta é simples: porque arde a Amazónia a este ritmo? A ignição somos invariavelmente nós — humanos.

O alto número de incêndios que se registam de momento na Amazónia brasileira não é normal, e muito menos se deve exclusivamente à “época de queimadas por lá”. O planeta atingiu o ponto em que é necessário atribuir culpas, lidar com consequências e parar de normalizar actos criminosos contra a natureza. A Amazónia arde porque as secas são mais frequentes e mais severas. A Amazónia arde porque a desflorestação aumenta, trazendo com ela mais fontes de ignição, um maior “arco de desflorestação” e uma alteração do clima regional. A Amazónia arde porque tudo isto está a acontecer ao mesmo tempo, “aqui” e agora. As alterações climáticas são culpa nossa, a desflorestação é culpa nossa, a mão criminosa é humana.

A redução das emissões de carbono e da desflorestação é uma componente vital no combate às alterações climáticas. Entretanto, os humanos cortam, fragmentam e degradam áreas incomensuráveis de floresta que, por mero acaso, representa um dos maiores reservatórios de carbono e fonte de oxigénio a nível planetário. Quando mais se fala de emissões de carbono e perda de biodiversidade, em falta de tempo para voltar atrás, são eleitos políticos ambientalmente ignorantes, irresponsáveis e incompetentes. Culpemo-nos, portanto, desta bola de neve que não derrete nem num cenário apocalíptico de aquecimento global.

É o Brasil que está a arder e o Brasil está muito longe. A Catedral de Notre-Dame também está longe e ficámos todos comovidos com a perda de tal património. Fiquemos também comovidos com a perda do património natural, com as mortes humanas e não humanas que por lá acontecem a cada minuto e das quais ninguém fala. O problema não é só deles que não respiram, ardem e morrem: é de todos nós.

Por cá, em ano de eleições e enquanto podemos fazer alguma coisa, julgo que o mais importante será eleger políticos ambientalmente conscientes e capazes. No cenário climático que vivemos, com o escasso tempo que temos, é crucial que a responsabilidade ambiental parta do governo e que este a devolva à população que o elegeu. É urgente começar a traçar o caminho para uma economia circular e, para isso, é urgente que sejamos representados por um maior número de pessoas com formação na área do ambiente e que estas se sentem com os economistas, gestores, juristas e engenheiros que por norma governam o nosso país.

Estes “Neros” do século XXI não estão a incendiar Roma — estão a roubar-nos o ar. A atmosfera não tem fronteiras e todos respirámos o mesmo ar. A estes “Neros” que são eleitos por todo o mundo, e a quem os elege, peço apenas 20% da vossa vida em silêncio, sem respirar, como homenagem à Amazónia que agora morre. Amazónia essa que nos dá, gratuitamente, 20% do oxigénio que respirámos.

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em Público.

Anterior Amazónia
Próximo Abutres marcados com GPS para estudar hábitos de alimentação no Vale do Côa

Artigos relacionados

Nacional

“De nada serve termos um modelo de prevenção e combate se a paisagem não mudar”

[Fonte: Público]
Nas suas mãos está a reestruturação do todo o sistema de prevenção e combate no país, […]

Sugeridas

Vencedores da primeira edição dos prémios “Mais Alqueva, Mais Valor”

Foram anunciados ontem, 14 de Março, os vencedores da primeira edição dos prémios “Mais Alqueva, Mais Valor”, […]

Nacional

Imigração para Portugal já cresceu 18% em 2019 (e ainda vai aumentar)

Até ao dia 31 de outubro foram concedidas 110.813 novas autorizações de residência (AR) a cidadãos estrangeiros em Portugal, quase mais 17 mil do que em todo o ano de 2018 (93.154), […]