“A água também se planta”

“A água também se planta”

[Fonte: Vida Rural]

Com as alterações climáticas a agricultura sintrópica praticada por Ernst Götsch parece fazer cada vez mais sentido. O suíço, radicado no Brasil, esteve em novembro em Mértola numa conferência onde explicou que o sistema de agrofloresta é o ideal para enfrentar estes desafios porque a consociação de culturas agrícolas e de floresta, de forma estruturada e adaptada ao local, alimenta o solo e dá-lhe a humidade necessária para as plantas crescerem sem necessidade de rega: “A água também se planta”, assegurou.

Ernst Götsch, criador do conceito de Agricultura Sintrópica, defendeu que a agricultura do futuro, ou o futuro da agricultura, passa por “desenvolver formas mais próximas à mãe-terra, através de agroecossistemas parecidos aos ecossistemas naturais e originais de cada local, que no caso do Mediterrâneo é a Floresta de Quercus”. Para isso, “não podemos continuar a encarar a agricultura como uma ‘exploração’ da terra, o que temos de fazer é criar uma agricultura de processos, seguir um caminho, onde estejamos a trabalhar para sermos úteis para nós e para o local onde estamos. Porque somos parte de um sistema inteligente, não somos os inteligentes”.

Perante uma plateia essencialmente jovem, no Cineteatro Marques Duque de Mértola, numa conferência organizada pela Life in Syntropy, a Agenda Ernst Götsch, a Associação de Empresários do Vale do Guadiana e a Câmara Municipal de Mértola, o agricultor – que, no Brasil já recuperou cerca de 800 hectares de floresta atlântica – deixou o desafio: “se de facto somos homo sapiens devemos ser sábios e aprender com os erros que temos vindo a fazer repetidamente ao longo de séculos e que estão a esgotar os nossos recursos, senão mais vale mudarmos o nosso nome para homo destructor ignorantis”.

O sistema que o guru suíço tem vindo a aplicar no Brasil e noutros países onde já há várias experiências piloto como em Espanha, França e Portugal, associa ao objetivo do estabelecimento de áreas produtivas os objetivos do reforço da oferta de serviços ao ecossistema, com especial destaque para a formação de solo, a regulação do microclima e o favorecimento do ciclo da água.

Pôr as plantas a ‘criar’ água

Para isso mostrou vários exemplos concretos com valores de produção e de criação de matéria orgânica. Num dos exemplos, na entrelinha de uma cultura principal foram semeadas gramíneas que depois de cortadas foram incorporadas junto das raízes da cultura principal para fornecer matéria orgânica e ajudar a manter o solo mais húmido: “Não tenho nenhuma dúvida, a água também se planta”, assegurou, acrescentando que “em todos lugares onde já fiz intervenção, até em zonas extremamente secas, com 150 a 200mm de precipitação por ano, se plantarmos vegetação, a situação torna-se completamente diferente”.

O exemplo foi do Brasil mas Ernst Götsch tem estado também a testar a adaptabilidade do modelo e o seu contributo para a regeneração de áreas agrícolas de baixa produtividade e de elevada vulnerabilidade a problemas de erosão de solos, fraca precipitação, alterações climáticas e risco de desertificação, como é o caso do nosso Alentejo e da região de Mértola, onde deu a conferência.

Como exemplo de um sistema que já desenhou aqui em Portugal o criador da Agricultura Sintrópica falou de um projeto criado na Herdade do Freixo do Meio, em Montemor-o-Novo, aproveitando um olival antigo para plantar no meio várias outras espécies de árvores – nogueiras, figueiras, citrinos, etc. – bem como uma parte também de vinha.

“A água também se planta”

Por isso, o ‘segredo’ é criarmos um sistema estratificado em que a floresta se mistura com a agricultura e o solo protegido pela sombra das árvores maiores permite o crescimento das diversas espécies, havendo, inclusivamente, a regeneração dos solos, que se tornam mais húmidos, bem como se promove a absorção de água da atmosfera.

Estimular a natureza

“Sou agricultor, trabalho no campo, e muito, vivo do que produzo e fico muito orgulhoso de ver o local onde vivo cada dia mais rico e próspero, até voltamos a ter riachos que tinham desaparecido há dezenas de anos” mas alertou: “Há uma parte muito grande de filosofia na base de tudo isto. A vida no Planeta é funcional, tudo existe para desempenhar uma função, a vida é instrumental na Terra e ela transformou o Planeta. Por exemplo, em relação ao sistema de água doce que circula entre a precipitação e a evaporação, se matamos a vida (plantas, animais…) reduzimos ou acabamos com a água, se plantamos vegetação estimulamos este sistema”, afirmou.

Ernst Götsch salientou de novo que o que é natural é termos uma floresta estratificada e junto ao solo termos também vegetação autóctone sempre verde e uma das nossas funções é, por exemplo, podar as árvores. “E há séculos atrás as árvores autóctones eram presença forte junto dos campos agrícolas. Com essa poda estamos a restituir ao solo matéria orgânica, para podermos produzir mais alimento”, sublinhando que também na parte agrícola há vantagens em semear algumas espécies em consociação, de forma organizada, porque promove o desenvolvimento de cada planta (ex: rúcula com alface) e ajuda a prevenir pragas e doenças.

Por isso, na Agricultura Sintrópica também não é necessário usar adubos externos, muito menos químicos, a terra é adubada pela matéria orgânica criada no próprio terreno através, nomeadamente da poda que é feita, seguindo os ciclos da natureza.

Falando, por exemplo, da proliferação dos eucaliptos em Portugal e do problema da incidência de fogos, o guru frisou que “99,9% dos eucaliptos foram plantados e plantá-los não tem nenhum mal, o problema é como foi feita essa plantação e a forma como eles têm vindo a ser tratados”, frisando que temos de “repensar os conceitos de proteção contra fogo. Proteção contra fogo não é matar árvores é plantar floresta estratificada e fazer bem a sua manutenção”. Ernst Götsch alertou ainda que as podas, por exemplo, “não são para fazer como se estão a fazer aqui em Portugal, em maio com medo que ardam, não, têm de ser feitas no início das chuvas para depois deixar no chão o que se corta para que as bactérias trabalhem e criem matéria orgânica e a última poda que se faz é antes da última chuva, seguindo o que a própria natureza faz”.

Sobre o uso de tecnologia, o agricultor salientou que tudo isto pode ser feito também com recurso a tecnologia, “sou fã de tecnologia e até ando a tentar construir um pequeno robot para fazer a poda das árvores”, por isso não tenho nada contra a mecanização, desde que seja integrada no agrossistema.

Comente este artigo

O artigo “A água também se planta” foi publicado originalmente em Vida Rural

Anterior Ajuda de Estado de 320 milhões à biomassa volta a aumentar tarifas de energia
Próximo CAP preocupada com a execução do PDR 2020

About author

Artigos relacionados

Nacional

Preço do azeite vai aumentar por causa dos incêndios

Mais de metade do olival tradicional ardeu com os fogos deste fim de semana. O preço vai subir garante a CNA, ao ECO. Ministro da Agricultura anuncia novas medidas de apoio aos agricultores.

A Confederação Nacional da Agricultura diz que o preço do azeite vai subir por causa dos incêndios. […]

Últimas

Reembolso da disciplina financeira – campanha 2015

[Fonte: IFAP]
De acordo com o princípio da Disciplina Financeira, referido no artigo 8.º do Regulamento (CE) n.º 1307/2013 (aplicável à campanha 2015), os montantes destinados a financiar as despesas relacionadas com o mercado e os pagamentos diretos da Política Agrícola Comum (PAC) devem respeitar os limites máximos anuais fixados por Decisão dos representantes dos Governos dos Estados-Membros. […]

Últimas

Pedrógão Grande: Relatório preliminar de estragos deve estar concluído no sábado

Pedrógão Grande, Leiria, 22 jun (Lusa) – O relatório preliminar dos estragos provocados pelo incêndio de Pedrógão Grande em habitações, na floresta e terrenos agrícolas deverá estar concluído no sábado, disse hoje à agência Lusa o presidente da autarquia local.

Comente este artigo
#wpdevar_comment_6 span,#wpdevar_comment_6 iframe{width:100% !important;} […]