A agricultura pode adaptar-se às alterações climáticas? A Agência Europeia do Ambiente responde

A agricultura pode adaptar-se às alterações climáticas? A Agência Europeia do Ambiente responde

O efeito das alterações climáticas na agricultura europeia ainda não é cem porcento consensual. Se por um lado, têm um impacto gigante, tendo já afetado negativamente o setor agrícola na Europa, por outro, estas podem também ter efeitos positivos devido às épocas de crescimento mais longas e a condições de cultivo mais adequadas. O que se prevê? Eventos climáticos extremos que põem em causa a forma de praticar agricultura na Europa.

Foi sobre este mote que a Agência Europeia do Ambiente elaborou o relatório sobre o efeito das alterações climáticas. Segundo o documento, existe uma panóplia de impactos causados pelas mudanças climáticas fora da Europa, sobretudo negativos, que podem afetar o preço, a quantidade e a qualidade dos produtos. A demanda por alimentos poderá exercer pressão sobre os preços nas próximas décadas, o que, consequentemente, afetará os padrões comerciais.

Importa por isso olhar para a estratégia da União Europeia em matéria da adaptação às alterações climáticas e a política agrícola comum – PAC. A nova política proposta para 2021-2027 tem como objetivo claro a palavra-chave: adaptação, o que poderá levar os estados membros da UE a aumentar o financiamento de medidas de adaptação no setor.

Desta forma, os estados membros definiram o setor agrícola como uma prioridade nas suas estratégias nacionais de adaptação e/ou em planos que tenham o mesmo propósito. As medidas ao nível nacional ou regional incluem objetivos de consciencialização, diminuição de impactos e riscos de eventos climáticos extremos, estratégias de partilha de riscos e desenvolvimento e, por fim, implementação de infraestruturas para irrigação e proteção contra inundações.

Existem oportunidades para implementar uma ampla variedade de medidas ao nível dos campos agrícolas que visam melhorar a gestão dos solos e da água, o que pode trazer benefícios para a adaptação, mitigação, meio ambiente e economia. Todavia, o contexto é primordial para que esta mudança aconteça. Não se pode solucionar um problema se não houver condições para tal, ou seja, factores como: situação económica, tamanho da terra agrícola, formação cultural e educação do agricultor, entre outros indicadores, que têm de ser vistos de forma objetiva, para que a sua implementação e adaptação seja também ela real.

As medidas de adaptação têm de parar de ser vistas e enquadradas apenas como requisitos adicionais para os agricultores. Pelo contrário, a sensibilização de que é urgente esta adaptação tem de ser vista o mais rápido possível para permitir que, a longo-prazo, a agricultura da Europa seja sustentável – produção e comercialização ambientalmente sustentáveis e mais resilientes às mudanças climáticas.

Estas soluções devem ser trabalhadas em equipa: investigadores, profissionais e agricultores em conjunto. Desta forma, o objetivo futuro será: investigar mais opções de produção, dadas as mudanças climáticas e condições ambientais de forma a direcionar os subsídios para uma produção mais adaptativa.

O artigo foi publicado originalmente em Anipla - fitotema.

Comente este artigo
Anterior Montiqueijo reconhecida como empresa Eco-Friendly
Próximo Governo altera apoios à manutenção da atividade agrícola em zonas desfavorecidas

Artigos relacionados

Nacional

Procuradoria russa diz que dados de fogos florestais na Sibéria foram falseados

Vários dados estatísticos sobre os fogos florestais que nas últimas semanas afetam diversas regiões da Sibéria foram manipulados por autoridades locais, […]

Últimas

Comité das Regiões Europeu defende reforço da PAC ao financiamento da floresta

O Comité das Regiões Europeu emitiu um parecer em que considera que a Comissão Europeia deve apresentar uma nova estratégia florestal actualizada para o período após 2020, […]

Últimas

Federação Agrícola dos Açores: Reitor da Universidade de Coimbra é “contra a produção nacional”

O Reitor da Universidade de Coimbra vai proibir a carne de vaca na ementa das cantinas escolares. A Federação Agrícola dos Açores diz que esta atitude é […]