10º Colóquio Nacional do Milho debate megatendências no setor agroalimentar até 2050

10º Colóquio Nacional do Milho debate megatendências no setor agroalimentar até 2050

As megatendências agroalimentares e a resposta política da Europa aos desafios inerentes vão estar em debate no 10º Colóquio Nacional do Milho, a 19 de Fevereiro, no Convento São Francisco, em Coimbra.

O ponto de partida para este painel de debate é o estudo Megatendências no setor agroalimentar: visão global e possível resposta política da perspetiva da UE“, encomendado pelo Parlamento Europeu à consultora internacional Arcadia. Francesco Montanari, responsável da Arcadia, irá ao 10º Colóquio Nacional do Milho apresentar as conclusões do estudo, que serão analisadas por dois comentadores: Pedro Queirós, diretor-geral da FIPA, e por José Diogo Albuquerque, diretor do Agroportal, num debate moderado por Luís Mira, secretário-geral da CAP.

O estudo, divulgado no último trimestre de 2019, fornece uma análise das megatendências que influenciam a maneira como o mundo produz, distribui e consome alimentos e sugere opções de políticas e dá recomendações para responder ao megadesafio: como duplicar a atual produção de alimentos para suprir as necessidades da população mundial em 2050, sem aumentar a pressão sobre os recursos naturais do Planeta?

Eis algumas das conclusões do estudo:

  • É possível aumentar a produtividade agrícola sem usar mais água e terra agrícola, através do uso mais eficiente destes recursos. Para tal é necessário investir na transferência de tecnologia para os agricultores.
  • Os decisores políticos devem dar prioridade a medidas e apoios públicos para aumentar a produtividade agrícola, nomeadamente no âmbito da Política Agrícola Comum pós-2020, e para promover a adoção e partilha de conhecimento de novas tecnologias e da digitalização na produção agrícola, como alavancas da segurança alimentar.
  • Para aumentar a sustentabilidade da produção e do consumo alimentar os nossos hábitos terão de sofrer uma enorme transformação rumo a dietas com menos proteína animal e mais frutas e legumes e através da redução do desperdício alimentar.
  • A Agricultura pode contribuir para reduzir as emissões de gases com efeito de estufa e, simultaneamente, produzir os alimentos necessários para a população mundial crescente. Para isso é necessário um investimento avultado em Inovação, por parte dos setores público e privado, para que a agricultura se adapte à nova realidade climática.

O contributo que a agricultura pode dar para os objetivos da neutralidade carbónica é outros dos temas de extrema atualidade em debate no 10º Colóquio Nacional do Milho. O especialista Paulo Canaveira, da Agência Portuguesa do Ambiente, é o orador convidado no painel “Roteiro para a Neutralidade Carbónica: condicionante ou oportunidade para a agricultura portuguesa?”. Os comentadores – Eduardo Diniz, diretor-geral do GPP, Francisco Gomes da Silva, diretor-geral da Agroges e João Nisa Ribeiro, investigador da Universidade do Porto – farão a análise dos desafios que a agricultura e as florestas enfrentam para contribuir para o compromisso assumido por Portugal de reduzir as suas emissões de gases com efeito de estufa por forma a que o balanço entre as emissões e as remoções da atmosfera seja nulo em 2050.

Para inscrições no Colóquio aceda ao seguinte link

Comente este artigo
Anterior «Não é com mais barragens» que se resolve falta de água, mas também pode ser
Próximo Considerações gerais sobre a cultura do tomateiro

Artigos relacionados

Últimas

Capoulas Santos garante que as “medidas agro-ambientais estão asseguradas”

[Fonte: rádio PAX]
Capoulas Santos, Ministro da Agricultura, esteve esta semana, em Castro Verde, na sessão comemorativa dos 30 anos da Associação de Agricultores do Campo Branco, […]

Nacional

Ministério da Agricultura considera que políticas comerciais devem ser pensadas para uma produção de alimentos com mais segurança

Ministros da Agricultura de todo o mundo reuniram-se, hoje, em Berlim, no Global Forum for Food and Agriculture (GFFA) – 12º Fórum Global […]

Notícias fitofarmacêuticos

Relatório de vendas de Produtos Fitofarmacêuticos – 2017

O quantitativo de vendas de produtos fitofarmacêuticos ocorrido durante o ano de 2017, em Portugal, sofreu um novo decréscimo de cerca de 17% […]