“10 anos depois o perímetro de rega de Veiros é um sucesso, e um contributo importante para a economia do Alentejo”, diz Ministro da Agricultura (c/fotos)

“10 anos depois o perímetro de rega de Veiros é um sucesso, e um contributo importante para a economia do Alentejo”, diz Ministro da Agricultura (c/fotos)

[Fonte: Rádio Campanário] A Associação de Beneficiários do Perímetro de Rega da Veiros (ABPRV) (Veiros, Estremoz), assinalou esta sexta-feira, 27 de setembro, o seu 10º aniversário, numa cerimónia que contou com a presença do Ministro da Agricultura, Luís Capoulas Santos.

A RC esteve presente na sessão e falou com o governante, que aponta o carinho que tem por este empreendimento que lançou no seu anterior mandato como Ministro da Agricultura.

“Foi muito gratificante verificar que 10 anos depois este é um perímetro de sucesso”, declara o Ministro, afirmando não ter ouvido na sessão quaisquer “queixas dos agricultores, pelo contrário, palavras de satisfação de todos”.

Veiros é “um bom exemplo do que o regadio pode fazer para mudar a agricultura de uma região”
Luís Capoulas Santos

Aponta que Veiros tem uma “boa taxa de ocupação”, assim como um “ritmo de adesão ao regadio que tem sido superior áquilo que é habitual”, acompanhado por uma “diversidade de culturas”.

Após cerca de 5 anos da conclusão do perímetro, “verifica-se que é uma mais valia para a região”, nomeadamente para os concelhos abrangidos de Estremoz e Monforte, “e um contributo importante para a economia o país”, compreendendo culturas que vão desde a amêndoa, tomate, olival, milho, fruteiras.

A cerimónia foi presidida pelo presidente da Associação, José Nuno Pereira, pelo Diretor Geral DGADR – Direcção-Geral De Agricultura e Desenvolvimento Rural, Gonçalo de Freitas Leal, pelo Presidente da FENAREG – Federação Nacional de Regantes de Portugal, José Núncio, e pelos presidentes de Câmara de Estremoz, Francisco Ramos e de Monforte, Gonçalo Lagem, tendo contado ainda com a presença de várias entidades da região e beneficiários do empreendimento.

Comente este artigo
Anterior CEO do Esporão alerta “governantes a pensarem o modelo de desenvolvimento do Alentejo”, para garantir “água para o novo regadio, e para quem já lá está” (c/som
Próximo Mercado global de canábis deverá valer 12 mil M€ até ao final do ano

Artigos relacionados

Nacional

Agricultura no Alentejo: menos explorações, mas mais área plantada

Entre os recenseamentos agrícolas de 1989 e 2009 o Baixo Alentejo registou uma redução no número de explorações e um aumento da superfície agrícola utilizada (SAU). Os dados são [….]

Nacional

Município de Braga disponibiliza bio trituradores para destruição de sobrantes e reduzir queimadas

O Município de Braga quer reduzir em cerca de 40 por cento o número de queimas que se realizam no Concelho. Autarquia Bracarense […]

Sugeridas

Olival: “Os Verdes” querem travar a colheita noturna de azeitona

Já deu entrada na Assembleia da República o Projeto de Lei do Partido Ecologista “Os Verdes” e que visa impedir a colheita mecanizada noturna de […]