​Governo reforça meios aéreos para época de combate aos incêndios

​Governo reforça meios aéreos para época de combate aos incêndios

[Fonte: Rádio Renascença]

O secretário de Estado da Proteção Civil anunciou a contratação de mais cinco meios aéreos para o dispositivo de combate a incêndios florestais.

Na Renascença, José Artur Neves revelou que no total estarão disponíveis “61 meios aéreos, incluindo o meio aéreo da Região Autónoma da Madeira”.

O governante anunciou ainda que vai ser feita uma “alteração estrutural de alguns helicópteros” de modo a aumentar a capacidade de transporte dos aparelhos. Pretende-se que os helicópteros passem a levar 12 elementos do Grupo de Intervenção Proteção e Socorro (GIPS) da GNR para fazer o ataque inicial ao fogo (atualmente são oito).

Também vai finalmente avançar a empresa pública de gestão florestal. o anúncio será feito nos próximos dias e terá sede em Figueiró dos Vinhos.

O secretário de Estado diz que se trata de mais um passo na reforma da floresta “encaminha-nos para uma reforma floresta ordenada e resiliente ao fogo”.

O Governo está também a preparar um novo plano contra incêndios. A revelação foi feita pelo presidente para a Agência para a Gestão Integrada dos Fogos Rurais.

Comente este artigo

O artigo ​Governo reforça meios aéreos para época de combate aos incêndios foi publicado originalmente em Rádio Renascença.

Anterior Projecto de integração social através da viticultura
Próximo AlgaEnergy abre filiais nos EUA e na Índia

Artigos relacionados

Notícias PAC pós 2020

El coeficiente provisional del pago verde vuelve a bajar en 2019 y se sitúa en el 51,59% según el Fega

[Fonte: Agroinformacion – PAC]
El coeficiente provisional para determinar el importe del greening o pago verde correspondiente a 2019 se ha fijado en el 51,593515%, […]

Nacional

Três anos de seca deixa albufeiras sem água para a campanha de rega de 2017

O terceiro ano consecutivo de precipitação inferior ao normal agrava o armazenamento das albufeiras do Alentejo, onde as disponibilidades não ultrapassam os 40% do volume total. […]