Wisecrop cresce em tempo de covid e vai fechar o ano com 3 mil clientes

Wisecrop cresce em tempo de covid e vai fechar o ano com 3 mil clientes

Plataforma oferece uma solução integrada para a gestão de toda a informação da exploração agrícola, com ganhos de eficiência e produtividade. Nasceu há seis anos e tem já operação em Espanha e no Brasil.

A transformação digital não é um exclusivo da indústria. Quando se pensa em agricultura, pensa-se em cultivo, na apanha, no trabalho manual, mas o mundo agrícola está cada vez mais dependente das tecnologias digitais. A Agricultura 4.0 é uma realidade crescente e que a pandemia veio acelerar e reforçar. A Wisecrop, plataforma que permite gerir, de forma centralizada, toda a informação relacionada com a exploração agrícola, sente-o, com um aumento de pedidos de contacto e de informação. O problema é que a incerteza gerada pela covid também tem o seu lado mau, gerando alguma “indecisão”. Mesmo assim, a empresa criada por Tiago Sá e quatro amigos conta fechar o ano com uma carteira de três mil utilizadores, mais do triplo dos que tinha em 2018. E já tem clientes além-fronteiras.

Nascida em Portugal e com “grande orgulho” nisso, garante Tiago Sá, CEO da empresa, a Wisecrop sempre teve a ambição de marcar presença no mercado global. Seis anos depois, e embora esteja já a ser testada em Itália, França e EUA, a plataforma digital da empresa é usada, sobretudo, em Portugal, Espanha e no Brasil, mercados onde pretende crescer e solidificar a presença da marca.

Mais do que entrar em muitos países, “queremos dar pequenos passos”, diz o jovem empresário, que aposta numa estratégia de robustecimento da marca. E de crescimento no mercado nacional, onde o potencial ainda é muito grande. “Há 270 mil agricultores profissionais em Portugal, queremos conquistar uma posição dominante junto deles”, frisa.

E se é verdade que a idade média dos agricultores em Portugal é bastante elevada, também o é que se assiste a um crescente rejuvenescimento do setor, designadamente com a chegada das novas gerações, nativas digitais. “O agricultor antigo, que cresceu com a experiência própria, é aquele que hoje está a passar o testemunho aos filhos e netos – e esses conseguem olhar para o negócio com outros olhos. Sem experiência, mas com acesso à informação e à tecnologia. São esses os nossos principais utilizadores, quem pretende fazer diferente e sabe que, para fazer melhor, tem de conseguir medir tudo o que faz”, diz Tiago Sá, que no ano passado foi escolhido pela Forbes para a lista dos 30 melhores talentos europeus com 30 anos ou menos.

Por outro lado, a Wisecrop aposta muito na formação e na alteração do mindset dos próprios agricultores. “Não será mais possível manter a profissionalização do setor sem a incorporação tecnológica. Não é possível acompanhar o crescimento populacional e as exigências alimentares e de segurança sem o recurso à tecnologia. Se não consigo medir as coisas não as consigo melhorar”, defende. Reduzir custos e aumentar produtividade é o que qualquer empresário quer. E em ano de pandemia, mais ainda. “Mesmo os produtores que não tinham tanta atenção aos seus custos de produção, dando o ganho por garantido, tiveram de olhar para a operação de outra forma. É que o preço de venda de um produto depende de muita coisa, mas o custo de produção depende de quem produz, um pressuposto que passou a estar mais vivo na consciência das pessoas”, explica Tiago Sá.

Software centralizador

Além de olhar para o negócio agrícola como um todo, a plataforma Wisecrop tem a grande vantagem de ser compatível com os outros equipamentos e tecnologias que possam já existir na propriedade. “A nossa grande proposta de valor é o facto de oferecermos uma solução centralizadora da gestão do negócio agrícola, conseguindo, de forma muito simples e transparente, ligar o campo ao escritório”, explica. Em termos práticos, este é um sistema operativo que permite fazer uma gestão eficiente da água, de controlo e combate a possíveis pragas e pestes, com a necessária administração de fitofármacos, e de custos operacionais, já que a plataforma permite ao agricultor conhecer, em tempo real, o período de trabalho de cada um dos seus funcionários, quanto é que cada um deles produz e os custos de produção associados, entre muitas outras coisas.

No que à gestão da água diz respeito, o recurso a sondas de humidade do solo permite poupanças de até 35%, que se traduzem em ganhos que chegam a 235 euros por hectare ao ano, considerando o custo da água e da energia elétrica para o funcionamento do sistema de rega. Além disso, assegura um aumento de produtividade, por hectare, de pelo menos 2%, assegura o responsável.

Nascida a Norte, região de minifúndio – a empresa foi criada quando Tiago e os restantes amigos estavam ainda a estudar na Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto -, a Wisecrop implantou-se essencialmente junto de pequenos produtores, designadamente de maçã, mirtilos ou kiwi, entre outros. Agora, começam a aparecer os de grande dimensão, como a Real Companhia Velha e a Quinta do Vallado, no Douro, a Casa Ermelinda Freitas, em Palmela, a Casa Relvas, no Alentejo, ou a Fio da Beira, que produz azeite na Beira Interior, entre outros.

Parceria com a Compal

A Wisecrop não quer, porém, ser confundida com uma solução só para as grandes empresas. “Nascemos e crescemos com os pequenos, continuamos a querer estar junto deles”, frisa Tiago Sá. Tal como continua a estar, aliás, através da parceria estabelecida com a Academia de Frutologia da Compal, marca com a qual tem feito ações de formação pelo país, procurando ajudar a formar os novos agricultores e fomentando o conhecimento e a sustentabilidade do setor. “O nosso objetivo é mudar o mundo. Parece utópico, mas é o que procuramos fazer, tentando trazer uma certa revolução à forma como a agricultura é vista.”

Em 2014, a Wisecrop levantou a sua primeira – e até ao momento única – ronda de investimento de capital de risco. Desde então, tem crescido “de forma sustentável e autónoma”, trabalhando e crescendo com fundos próprios. Mas Tiago Sá não descarta a possibilidade de alargar o capital a outros players: “Temos sempre a porta aberta a novos investidores e estamos sempre disponíveis para discutir oportunidades.” Questionado sobre a faturação da empresa, garante que essa não é a principal preocupação. “A nossa ambição é maior do que a mera faturação, queremos ser uma referência a nível mundial, se não mesmo líderes.”

O artigo foi publicado originalmente em Dinheiro Vivo.

Comente este artigo
Anterior Agricultor preso debaixo de trator em Sintra fica ferido com gravidade
Próximo PSD Açores denuncia falta de contentores suficientes para transporte de gado vivo na ilha do Corvo

Artigos relacionados

Nacional

Faro e Beja com abastecimento a 20% nos postos de emergência

O total dos 316 postos desta rede, monitorizados pela ENSE, apresenta níveis médios em termos nacionais de 44,95% no gasóleo e de 35,65% na gasolina, […]

Nacional

Startup de mapeamento inteligente para a prevenção de desastres ambientais instala-se em Portugal

Depois de dois anos de investigação e desenvolvimento, a Tesselo disponibiliza hoje soluções de mapeamento de imagens de satélite baseadas em inteligência artificial (IA) para diversos sectores, […]

Nacional

Governo dos Açores destaca contributo da Fruter para o desenvolvimento da diversificação agrícola na ilha Terceira

“O desenvolvimento do setor da diversificação agrícola na ilha Terceira, na presente legislatura, pode ser constatado pelo crescimento de 30% na área de produção, […]