Vinhos e turismo. Há uma nova licenciatura na Universidade de Évora

Vinhos e turismo. Há uma nova licenciatura na Universidade de Évora

Enologia é a nova licenciatura que arranca no próximo ano letivo, na Universidade de Évora (UE). O anúncio foi feito esta semana pela instituição, que destaca as suas “condições únicas” para o ensino ligado à produção e à investigação cientifica na área da vitivinicultura, a que associa a componente do enoturismo.

“Embora o nome seja Enologia, este primeiro ciclo terá uma grande componente de viticultura, pois não existe enologia sem produção de uvas e tem, também, uma componente relacionada com o turismo, mais o enoturismo”, referiu Maria João Cabrita, na apresentação do projeto.

Para a coordenadora da nova licenciatura, esta é “uma vertente que diferencia este curso de outras formações existentes na área”, com a mais valia de “ter grande importância económica na região.”

“Pensamos que fazia muito sentido, este primeiro ciclo, na área do Alentejo, pois a viticultura é uma atividade económica muito importante, e os vinhos do Alentejo têm, não só, uma grande representatividade a nível de Portugal, como também um grande impacto a nível internacional”, alude a responsável.

Maria João Cabrita recorda que a instituição de ensino superior, há já “dez anos que oferece um segundo ciclo em viticultura e enologia”, no entanto “são formações diferentes”, onde se destaca o turismo, um sector, também ele, “de grande importância para a região”, daí ser fundamental “formar novos alunos e novos trabalhadores”, atendendo a que existem muitas “adegas na região que apostam no enoturismo”.

Também a reitora da Universidade de Évora destaca “as condições excecionais para o ensino nesta área”. Segundo Ana Costa Freitas, na base da decisão de criação deste novo curso estiveram “a longa tradição e ‘know-how’ da instituição na área da vitivinicultura” que vai “fortalecer a aposta da Universidade numa diversificação da formação em linha com as especificidades e necessidades da região”.

Ainda de acordo com a instituição, os alunos vão poder, logo a partir do primeiro ano, contactar com “a realidade da produção vitivinícola, na Herdade Experimental da Mitra, Pólo da Escola de Ciências e Tecnologia, bem como contactar a com atividades de investigação nesta área, por exemplo no MED – Instituto Mediterrâneo para a Agricultura, Ambiente e Desenvolvimento, recentemente classificado como “Excelente” pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia.”

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em Rádio Renascença.

Anterior Lotação esgotada no Workshop - Investigação e Inovação aplicadas ao Montado de Sobro
Próximo Seca: Ministro diz que não foi necessário decretar “medidas de contingência”

Artigos relacionados

Nacional

CAP pede gestão “acertada” das barragens para assegurar caudais do Tejo

Entre as principais preocupações estão os fracos caudais do Tejo. A solução passa pelo estudo do Projeto Tejo – Aproveitamento Hidráulico de Fins […]

Últimas

Regime de cadastro simplificado pode adiar Reforma da Floresta

A Reforma da Floresta, idealizada pelo ministro da Agricultura, Luís Capoulas Santos, pode estar adiada por uma década.
Uma proposta do PCP, […]

Nacional

Pedrógão Grande: o resgate errado

Dois anos após os trágicos acontecimentos na região de Pedrogão Grande, Castanheira de Pera e Figueiró dos Vinhos é visível neste território um cenário desolador, […]