Vinho do Porto critica limites à venda de álcool nos supermercados

Vinho do Porto critica limites à venda de álcool nos supermercados

A Associação das Empresas de Vinho do Porto (AEVP) pediu esta quarta-feira, 14 de outubro, ao Governo que volte a autorizar a venda de vinhos tranquilos, licorosos e espumantes a partir das 20h nos supermercados e nos hipermercados.

Este setor que está a sofrer “todas as consequências relacionadas com o encerramento dos restaurantes, diminuição abrupta do fluxo turístico e volatilidade dos mercados de exportações”, frisa ainda que a medida “está a provocar filas” nas lojas por volta dessa hora, “o que nada contribui para o distanciamento social”.

Numa nota enviada às redações, a associação liderada por António Saraiva lembra que o vinho é “parte integrante da vida e cultura portuguesas” e o impacto na economia nacional, como “instrumento relevante para a manutenção das comunidades rurais, ordenamento do território, emprego, oportunidades de investimento, estabilidade económica e sustentabilidade ambiental”.

“Não podemos compreender nem aceitar a manutenção de uma medida que em nada contribui para a prevenção de ajuntamentos que devem ser evitados e fiscalizados. A interdição de venda a partir das 20h apenas tem efeitos penalizadores num setor que atravessa um momento de crise (…). A AEVP acredita que o Governo terá a capacidade de retirar esta medida que todos sentem apenas como penalizadora”, acrescenta.

Não podemos compreender nem aceitar a manutenção de uma medida que em nada contribui para a prevenção de ajuntamentos que devem ser evitados e fiscalizados. Associação das Empresas de Vinho do Porto (AEVP)

Nos primeiros oito meses deste ano, as vendas de vinho do Porto caíram 11% em volume e 14,7% em valor, totalizando 176,4 milhões de euros. Segundo os dados do Instituto dos Vinhos do Douro e Porto (IVDP), a quebra de receitas no mercado nacional ascendeu a 40% entre janeiro e agosto, com a França a recuperar o primeiro lugar na lista de destinos apesar de também ter comprado menos 9,3% em comparação com o mesmo período do ano passado.

Nas últimas semanas, outras vozes do setor já se tinham insurgido contras as atuais limitações na comercialização de álcool. Manuel Pinheiro, presidente da Comissão de Viticultura da Região dos Vinhos Verdes (CVRVV) já disse que espera “poder voltar rapidamente à liberdade de venda e ao consumo responsável”, enquanto o presidente da ViniPortugal, Frederico Falcão, assinalou que “já não faz sentido” esta perturbação introduzida devido à pandemia de covid-19.

O artigo foi publicado originalmente em Jornal de Negócios.

Comente este artigo
Anterior Praça: Há um novo mercado de produtos portugueses a nascer no Hub Criativo do Beato
Próximo EAU investem 55 milhões de euros em fábrica de tratores e telemóveis em Angola

Artigos relacionados

Últimas

As I Jornadas de Citricultura e as XI Jornadas de Fruticultura da SECH – 18 e 19 de setembro – Sevilha

A Sociedade Espanhola de Ciências Hortícolas (SECH) e o Instituto Andaluz de Investigação e Formação Agrária e Pesqueira estão a organizar as I Jornadas de Citricultura e as XI Jornadas de Fruticultura da SECH que terão lugar em Sevilha nos dias 18 e 19 de setembro
As Jornadas assumem-se como um Fórum de reunião dos profissionais da fruticultura e da citricultura: investigadores e técnicos, […]

Nacional

Site estará em manutenção hoje (sábado) entre as 22h00 e as 03h00

Atenção o site estará em manutenção entre as 22h00 e as 03h00 (Início: 22:00 de Sábado dia 3 Fevereiro 2018 e Fim: 03:00 de Domingo dia 4 Fevereiro 2018), para actualizações de segurança. Agradecemos a sua compreensão, é para servir-mos melhor os nossos leitores.

Últimas

União Europeia acorda medidas de apoio aos agricultores afetados pela seca

Os apoios, propostos pela Comissão Europeia e hoje aprovados pelos 28, preveem que os agricultores de regiões afetadas por condições climáticas adversas possam receber até […]