Praça: Há um novo mercado de produtos portugueses a nascer no Hub Criativo do Beato

Praça: Há um novo mercado de produtos portugueses a nascer no Hub Criativo do Beato

A paia de toucinho de porco preto da Dona Octávia – Salsicharia Canense, o azeite da Cooperativa de Olivicultores de Valpaços e a maçã Modi da Quinta da Mascote abriram o apetite para o que aí vem. A Praça, um mercado focado no “produto nacional sustentável, orgânico e tradicional, de pequenos e médios produtores”, abrirá no final do primeiro semestre de 2021, no Hub Criativo do Beato, em Lisboa.

“Vamos ter a responsabilidade de servir e alimentar quem aqui trabalhe ou viva, assim como as pessoas do bairro do Beato e área limítrofe, mas também queremos atrair os lisboetas a esta zona mais oriental da cidade”, refere Cláudia Almeida e Silva, responsável pelo projeto que ganhou o concurso lançado pela Start Up Lisboa para a área de comércio e serviços do Hub Criativo do Beato. Com o produto como protagonista, aposta-se também no produtor: “É importante voltar a humanizar a relação que se perdeu no retalho alimentar e mostrar a cara e as histórias de quem produz”.

A Praça vai ocupar 1 700 metros quadrados do complexo da Manutenção Militar Sul. “Vamos transformar dois edifícios – o antigo matadouro e refeitório do pessoal e o dos serviços administrativos e oficina – em 10 espaços de experimentação, no meio haverá uma praça com esplanada e horta”, explica Cláudia Almeida e Silva.

Os esboços do projeto de arquitetura ajudam a visualizar como será este “ponto de encontro, de partilha e descoberta de novos paladares”, com várias zonas de degustação e compras. “Haverá um trabalho muito importante de restauro porque manteremos toda a estrutura arquitetónica dos edifícios, um património industrial valioso”, assegura ainda a responsável.

Provar, comprar e aprender

Onde antes funcionavam os serviços da Manutenção Militar será a zona da queijaria e da charcutaria. Os queijos, paios e chouriços estarão disponíveis em várias sugestões de tábuas para consumir na Praça, ou para levar para casa. Num mezanino, ficará a adega de vinhos orgânicos e naturais, e, ao fundo da nave, a padaria e pastelaria com produção própria e uma oferta variada que há de incluir “um pão que era feito exclusivamente na Manutenção Militar”.

No outro edifício, dá-se lugar aos frescos e a uma cozinha simples à base de vegetais; à peixaria que “será um tributo à nossa costa e a quem a apanha”; ao talho, com raças autóctones e serviço de grelha; e à mercearia, essencialmente biológica e com venda a granel. Também aqui, o antigo refeitório do pessoal será devolvido ao usufruto público com um restaurante de cozinha aberta, focado no produto nacional – ao longo de vários meses, Cláudia e a sua equipa, incluindo os chefes residentes Francisco Sousa Magalhães e Bernardo Agrela, andaram à procura de novos paladares e sabores. Já a antiga escola, no torreão deste edifício, cumprirá a mesma missão de ensinar. Numa parceria com a Escola Superior de Hotelaria de Lisboa, os estudantes terão oportunidade de ficar a conhecer melhor os produtos do seu País.

A partilha de conhecimento é, aliás, um dos pilares do projeto. Na área do fórum, dar-se-á palco aos produtores para apresentar os seus produtos e a conversas sobre temas como agricultura ou alimentação. “Será mais um ponto de encontro e discussão”, garante Cláudia. A Praça assumirá ainda um compromisso com a inovação, tal como os outros projetos do Hub Criativo do Beato, ao acolher start-ups ligadas à alimentação que vão poder apresentar aqui as suas ideias.

Para antecipar a abertura da Praça, no site www.apraca.pt, estão disponíveis cerca de 700 produtos de mais de 140 produtores nacionais, que asseguram entregas na Grande Lisboa e Península de Setúbal.

O artigo foi publicado originalmente em Visão.

Comente este artigo
Anterior Live-stream: Agentes Bióticos com Impacto na Produção de Pinha
Próximo Vinho do Porto critica limites à venda de álcool nos supermercados

Artigos relacionados

Comunicados

Primeira fase da consulta ao Plano Estratégico da PAC 2023-2027 alargada até 8 de janeiro de 2021

Encontra-se aberta a primeira fase do processo de consulta alargada do Plano Estratégico de Portugal no âmbito da Política Agrícola Comum, para o período 2023-2027. [..]

Últimas

Proposed EU budget unacceptable given the ambitions of the Union

Copa and Cogeca took note of and analysed the proposal on the future multiannual financial framework (MFF) tabled by the President of the […]

Sugeridas

Apoio aos mercados locais considera despesas que entraram em vigor

O Governo alterou hoje a elegibilidade das despesas que podem ser submetidas, no âmbito dos apoios às cadeias curtas e mercados locais, […]