Vinho da Casa do Douro rendeu 1,5 milhões de euros para pagar a trabalhadores

Vinho da Casa do Douro rendeu 1,5 milhões de euros para pagar a trabalhadores

A venda de vinhos da Casa do Douro (CD) rendeu cerca de 1,5 milhões de euros que vão ser canalizados para o pagamento de salários e indemnizações aos trabalhadores, disse fonte da comissão administrativa.

A comissão administrativa do património da extinta Casa do Douro, com sede no Peso da Régua, colocou à venda 81.400 litros de vinho do Porto, separados em 27 lotes de colheitas que vão desde 1934 até 2001.

O responsável pela comissão, Agostinho Santa, disse à agência Lusa que decorreu hoje o ato formal de abertura de propostas para a compra dos vinhos, que renderam 1,5 milhões de euros.

“Foi muito boa, pelo menos atingiu-se o efeito útil que se pretendia e que foi fazer dinheiro. Com alguma folga conseguimos o dinheiro que precisávamos para pagar aos trabalhadores”, afirmou.

Treze empresas apresentaram propostas para praticamente todo o vinho que foi colocado à venda. Eram oito vinhos diferentes e só um deles é que não foi vendido totalmente.

Puderam participar neste procedimento de alienação comerciantes de vinho generoso e de vinho do Porto, inscritos no Instituto dos Vinhos do Douro e Porto (IVDP).

Agostinho Santa explicou que, a partir de quarta-feira, começam a ser notificadas as empresas que apresentaram as melhores propostas, as quais, após a notificação, têm depois cinco dias úteis para efetuarem o pagamento.

Se tudo correr bem, segundo o responsável, os pagamentos aos trabalhadores da extinta CD poderão começar a ser efetuados até ao final de maio ou início de junho.

Em causa, explicou, estão vencimentos e indemnizações que ficaram por pagar aos funcionários que perderam o vínculo laboral quando a CD foi extinta e outros que já tinham saído da instituição, mas que ficaram também com pagamentos em atraso.

Para esta venda, foram selecionados os lotes de vinho que estão sem ónus, ou seja, que não têm penhora mercantil ao Estado ou à Parvalorem.

Criada em 1932, a CD viveu durante anos asfixiada em problemas financeiros possuindo uma dívida ao Estado que atingiu, segundo o anterior Governo PSD/CDS-PP, os cerca de 160 milhões de euros.

A Casa do Douro pública foi extinta em dezembro de 2014. Posteriormente a Federação Renovação do Douro ganhou o concurso para gerir a CD privada e, já com o Governo PS, foi nomeada uma comissão administrativa para a regularização das dívidas da extinta Casa do Douro e da situação dos trabalhadores.

Comente este artigo
Anterior Jornada técnica sobre Rotaciones de cultivos extensivos en producción ecológica y en agricultura convencional
Próximo Maior feira nacional de franchising conta já com mais de 40 marcas confirmadas

Artigos relacionados

Últimas

Ferramentas de gestão de risco para os jovens agricultores são cruciais para o futuro da agricultura na UE

[Fonte: Gazeta Rural]

Presidente CEJA, Jannes Maes, fez um discurso na reunião informal dos ministros da UE para a agricultura e pescas em Tallinn, Estónia.
“Jovens Agricultores já estabelecida nos negócios e novos operadores para o setor são expostos não só […]

Sugeridas

Apoio aos Pequenos Investimentos na Exploração Agrícola no PDR 2020. Novos condicionantes – António Bonito

O setor primário, desde há alguns anos a esta parte, que tem vindo a ter um destaque no panorama da economia nacional, nomeadamente devido ao aumento das exportações, bem como do contrariar dos índices de desemprego quando em comparação com outros setores económicos. Resultado de um enorme esforço que os agricultores têm feito ao nível do investimento produtivo. […]

Nacional

The Fladgate anuncia três Vintage 2015

[Fonte: Jornal económico]
A The Fladgate Partnership – empresa responsável por marcas como a Taylor’s, Fonseca e Croft – acaba de anunciar hoje (dia de S. Jorge, patrono de Inglaterra) que vai lançar três novos Vintage: Croft Quinta da Roêda 2015, […]