Vila Real. Bombeiros nas aldeias para poderem intervir mais rapidamente

Vila Real. Bombeiros nas aldeias para poderem intervir mais rapidamente

Os bombeiros da Cruz Branca vão estar em permanência, até ao fim de setembro, nas zonas de maior densidade florestal e onde o risco de incêndio é maior, no concelho de Vila Real.

O objetivo da iniciativa, segundo o comandante Orlando Matos, é garantir uma “intervenção mais rápida” em caso de incêndios.

As equipas são constituídas por cinco elementos, são apoiadas por um veículo, integram o dispositivo especial de combate a incêndios rurais (DECIF 2019) e estão estacionadas na serra do Marão, na freguesia da Campeã e em Vilarinho da Samardã.

No terreno, os operacionais fazem vigilância, percorrem as aldeias com os veículos devidamente equipados com material sapador e água e esclarecem dúvidas dos populares sobre limpeza dos terrenos ou sobre a queima de sobrantes.

A presença dos bombeiros no terreno provoca também, segundo o comandante Orlando Matos, “um efeito dissuasor”.

No Marão, a equipa de bombeiros fica na casa do Guarda da Manta, cedida pelo Instituto de Conservação da Natureza e Florestas (ICNF), onde permanece 24 horas por dia.

Em Vilarinho da Samardã, União de Freguesias de Adoufe, a equipa fica instalada no centro cultural e recreativo de Benagouro durante o período diurno, uma vez que, para já, não há condições para ali permanecerem durante a noite.

Para o presidente da Junta de Freguesia da Campeã, Jorge Maio, esta iniciativa é “extremamente importante”, na medida em que aproxima os bombeiros das populações, principalmente nesta altura do ano em que aumenta a probabilidade de haver incêndios.

O autarca observa que a “zona da Campeã tem uma mancha florestal extensa, entre o Alvão e o Marão”, e afirma que as pessoas se sentem “mais seguras” com a equipa por perto.

Além destas duas equipas, neste período mais crítico de incêndios, a Cruz Branca possui mais uma terceira equipa que fica estacionada no quartel.

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em Rádio Renascença.

Anterior Continente investe 800 M€ na produção nacional
Próximo Turismo do Algarve e Agricultura querem elevar laranja a cartão de visita da região

Artigos relacionados

Sugeridas

Especialista Xavier Viegas defende fixação de pessoas nas zonas florestais remotas

O professor universitário Domingos Xavier Viegas defendeu hoje, na Lousã, a fixação de pessoas nas zonas florestais remotas, para que o interior possa enfrentar as alterações climáticas e minimizar os riscos de incêndio. […]

Nacional

O difícil trabalho de restaurar a floresta e a autoridade do Estado na Peneda-Gerês

O Estado, uma espécie levada quase à extinção no Parque Nacional da Peneda-Gerês, está de regresso às montanhas. Depois de décadas em que os recursos humanos e materiais foram minguando, […]

Nacional

Recenseamento Agrícola 2019 começa este mês

Os trabalhos de recolha de dados do Recenseamento Agrícola 2019 vão ter início no próximo dia 25 de outubro, junto das explorações agrícolas existentes, […]